Rússia prevê que barril de petróleo custe US$ 30 em 2020

Reuters
Preço não levará a crise financeira grave no país, segundo ministro das Finanças.

O Ministério das Finanças da Rússia prevê que o preço médio do petróleo fique em torno de US$ 30 por barril em 2020, de acordo com o chefe da pasta, Anton Siluanov. "Segundo as nossas previsões, no ano que vem os preços subirão um pouco", disse.

Para ele, a estimativa é aceitável para a economia do país. "Cerca de cinco anos atrás, o preço do petróleo Urals abaixo de US$ 15 levaria a uma crise, já que o orçamento não teria receitas de petróleo e gás. Hoje, não damos tanta atenção ao petróleo porque criamos amortecedores financeiros e podemos viver com um preço de US$ 10 por barril", disse o ministro.

Siluanov afirmou ainda que  a situação atual no mercado de petróleo não pode ser considerada uma crise grave para a Rússia. "Não é uma crise, mas um desafio único, que não se parece com as crises anteriores. É uma situação que, provavelmente, vai entrar para os livros de história", disse.

Ele também sustenta que se o acordo da OPEP+ não tivesse sido concluído em março, os países teriam que revisá-lo, já que a demanda por petróleo caiu drasticamente devido à pandemia do coronavírus.

"A vantagem do atual acordo [sobre a redução da produção] é que todos os países produtores de petróleo, inclusive os Estados Unidos, estão participando das negociações. Esta é a chave para ações mais bem-sucedidas no mercado de petróleo", disse Siluanov.

O acordo da OPEP+, que entrou em vigor em 1° de maio, implica uma redução na produção dos países da aliança em 9,7 milhões de barris por dia nos meses de maio e junho. A Rússia e a Arábia Saudita reduzirão a produção de petróleo, cada um, em 2,5 milhões de barris. 

LEIA TAMBÉM: Rússia volta a figurar entre 5 países que mais gastam com defesa

Autorizamos a reprodução de todos os nossos textos sob a condição de que se publique juntamente o link ativo para o original do Russia Beyond.

Mais reportagens e vídeos interessantes na nossa página no Facebook.
Leia mais

Este site utiliza cookies. Clique aqui para saber mais.

Aceitar cookies