Desemprego na Rússia pode triplicar com pandemia

Reuters
Queda na demanda e problemas comerciais podem levar a 8 milhões de desempregados na Rússia até o final de 2020.

O ex-ministro das Finanças e atual presidente da Câmara de Contas da Rússia, Aleksêi Kúdrin, declarou que, devido à crise financeira atual. o número de desempregados pode triplicar e chegar a 8 milhões de pessoas.

“Segundo as nossas previsões, durante a crise, o número de desempregados aumentará de 2,5 milhões para 8 milhões de pessoas e assim permanecerá, provavelmente, até o final deste ano", disse Kúdrin à agência RBC

"Depois acontecerá o relançamento da economia, a demanda e o consumo voltarão a crescer, o número de desempregados diminuirá, porque as pequenas e médias empresas voltarão ao trabalho normalmente”, disse o economista.

Segundo ele, hoje, a demanda por alguns tipos de serviços desapareceu completamente. "As empresas não sabem como sobreviver, elas estão sendo forçadas a demitir pessoas", disse ele. 

Hoje, cerca de 30% dos funcionários das empresas de entretenimento, de cafés e de restaurantes foram colocados em licença não remunerada.

No início de abril, Kúdrin disse ao presidente russo Vladimir Putin, que, em um cenário pessimista, o PIB da Rússia cairá 8%.

O governo reservou 1,4 trilhão de rublos (R$ 97 bilhões), ou seja, cerca de 1,3% do PIB, para combater a crise. Segundo Kúdrin, o volume é insuficiente.

"O pacote total de apoio deve ser de, pelo menos, 7% do PIB", disse ele ao jornal econômico russo independente RBC.

Segundo Kúdrin, nessa situação, o governo poderia aumentar a dívida estatal através de uma emissão adicional de títulos do governo. Em 10 de abril, a agência Bloomberg, informou que o governo russo está discutindo um novo pacote de medidas anti-crise que seriam financiadas pelo mercado de empréstimos.

LEIA TAMBÉM: Russos que perderam emprego em meio a pandemia relatam dificuldades: “Comida só para 2 semanas”

Autorizamos a reprodução de todos os nossos textos sob a condição de que se publique juntamente o link ativo para o original do Russia Beyond.

Mais reportagens e vídeos interessantes na nossa página no Facebook.
Leia mais

Este site utiliza cookies. Clique aqui para saber mais.

Aceitar cookies