Rublo e real são as moedas que mais perderam valor em relação ao dólar em 2020

Pixabay
Moedas russa e brasileira despencaram desde o início do ano, e sobretudo em março. Entre as causas estão a pandemia de coronavírus e a queda dos preços do petróleo.

Nesta quarta (18), o rublo se tornou a moeda mais desvalorizada do mundo em relação ao dólar norte-americano, de acordo com os dados do mercado Forex, citados pela agência Lenta.

Segundo o ranking do Forex, a moeda russa, que perdeu 28,59% do seu valor em relação ao dólar desde o início do ano, é seguida pelo real brasileiro, que caiu 28,21%, e o peso mexicano (26,91%). Entre as cinco moedas mais voláteis do mundo também figuram a coroa norueguesa e o rand sul-africano.

As razões para a crise na Rússia poderiam ser explicadas pela queda drástica dos preços do petróleo para quase US$ 20 por barril e pela pandemia de coronavírus.

“É possível que, em 18 de março, muitos investidores em títulos russos tenham começado a deixar o mercado”, explica a economista-chefe do Alfa Bank, Natália Orlova, à agência RBC. “Isso poderia ter acontecido não devido às expectativas dos preços do petróleo, mas à intensificação da crise de liquidez nos mercados externos e à necessidade de adquirir ativos que não sofreram tanto”, acrescenta.

O dólar, por sua vez, se fortaleceu no mercado mundial devido ao déficit da moeda americana, declarou o economista-chefe do Sovcombank, Kirill Sôkolov, ao RBC. “Com o sistema financeiro global sob estresse, a confiança entre os participantes está diminuindo, e cresce a escassez de liquidez de dólar”, diz.

Estatísticas da Bloomberg

O real brasileiro, porém, não entrou no ranking das moedas mais voláteis do mundo da agência de tecnologia e dados para o mercado financeiro Bloomberg.

Segundo a agência, o peso mexicano é a moeda de pior desempenho nos mercados emergentes este mês, seguido pelo rublo russo e pelo peso colombiano. Para os especialistas, a atual crise é provocada exclusivamente pela falta de acordo entre os países da Opep+ e a consequente queda dos preços do petróleo.

LEIA TAMBÉM: Quatro questões sobre o setor de energia da Rússia

Autorizamos a reprodução de todos os nossos textos sob a condição de que se publique juntamente o link ativo para o original do Russia Beyond.

Mais reportagens e vídeos interessantes na nossa página no Facebook.
Leia mais

Este site utiliza cookies. Clique aqui para saber mais.

Aceitar cookies