Coronavírus já prejudica o setor turístico russo

Aleksandr Sukharev
Segundo a Associação de Operadores Turísticos da Rússia, perdas financeiras diretas de medidas restritivas chegarão a US$ 6,25 milhões. Por outro lado, situação tem estimulado viagens domésticas.

A expansão global do covid-19 já teve impacto negativo sobre o setor turístico da Rússia, de acordo com Maia Lomidze, diretora da Associação de Operadores Turísticos da Rússia (ATOR, na sigla em russo). “A queda da demanda é registrada em todos os destinos, mesmo dentro da Rússia. As perspectivas não são positivas, o vírus está afetando todos os segmentos do mercado”, declarou Lomidze.

Os setores com queda mais expressiva são o turismo infantil e o de negócios.

Até o momento foram registrados apenas 28 casos de coronavírus na Rússia. No entanto, como medida de precaução, a emissão de vistos para cidadãos chineses foi suspensa, e cidadãos russos foram aconselhados a não viajar para países que apresentam o maior número de infectados, como China, Irã, Itália e Coreia do Sul.

Sem capital chinês

Segundo o comunicado do sistema de pagamentos Alipay, devido às medidas restritivas, os gastos de chineses na Rússia caíram quase 80% em fevereiro de 2020.

A proibição de viagens da China levou a uma diminuição drástica no número e volume de transações em cinco segmentos do mercado consumidor: fast-food, supermercados, restaurantes, hotéis e boutiques, destacou a diretora do departamento de compras do Russian Standard Bank, Inna Emelianova, ao jornal RBC.

De acordo com as estatísticas do Russian Standard Bank, em fevereiro de 2020, o número de pagamentos pelo sistema Alipay na Rússia caiu 84% em relação a 2019.

Outro banco russo, VTB, também confirma a queda drástica de pagamentos por sistemas utilizados predominantemente por cidadãos da China: o número de pagamentos por cartões dos bancos chineses na Rússia diminuiu 40% em janeiro e fevereiro de 2020, em comparação com a média do ano passado, informa o RBC.

Segundo a ATOR, em 2019, a Rússia recebeu cerca de 5 milhões de turistas chineses.

Perspectivas para indústria do turismo

No total, segundo a Associação de Operadores Turísticos da Rússia,  as perdas financeiras diretas das medidas restritivas serão por volta de 450 milhões de rublos, ou cerca de US$ 6,25 milhões. A entidade já enviou uma solicitação ao governo russo de compensação por perdas de operadores turísticos devido ao coronavírus.

O diretor executivo da associação Mundo sem Fronteiras, responsável pelo desenvolvimento do turismo russo-chinês, Aleksandr Agámov, afirmou ao RBC que é “muito difícil” prever a gravidade das perdas futuras do setor turístico russo.

“Os participantes do mercado ainda avaliam apenas o período de três ou quatro meses. As empresas que não diversificarem seus negócios e cujas atividades estão diretamente ligadas com turistas chineses serão as primeiras a serem afetadas.” 

Impulso do turismo doméstico

Apesar da declaração da ATOR, as agências de viagens registram o crescimento de demanda por viagens dentro da Rússia, segundo a agência Interfax.

O diretor da agência de viagens Rôzovi Slon, Aleksandr Mkrtchan, garante que a queda das vendas de viagens para o exterior é compensada pelo turismo doméstico. “Cerca de 40% das nossas vendas são viagens pela Rússia [...] Os destinos mais populares são a região de Krasnodar e a Crimeia”, disse Mkrtchan à Interfax.

A agência turística Inturist também confirma a queda da demanda por viagens para o exterior e o crescimento do turismo interno. No entanto, para o diretor executivo da agência, Serguêi Toltchin, as mudanças se devem principalmente à queda drástica do rublo em relação às moedas estrangeiras.

De acordo com o diretor da agência Delfin, Serguêi Romáchkin, a demanda por viagens na Rússia já cresceu 20% em comparação com fevereiro de 2019. “O crescimento começou no início de fevereiro, mas ainda é difícil confirmar a ligação direta com o coronavírus”, arrematou Romáchkin.

LEIA TAMBÉM: China trata coronavírus com medicamento controverso da época soviética

Autorizamos a reprodução de todos os nossos textos sob a condição de que se publique juntamente o link ativo para o original do Russia Beyond.

Mais reportagens e vídeos interessantes na nossa página no Facebook.
Leia mais

Este site utiliza cookies. Clique aqui para saber mais.

Aceitar cookies