Moeda russa despenca após queda dos preços do petróleo

Pixabay
Falta de acordo entre Opep e Rússia e consequente crise no mercado petrolífero levaram à maior queda do rublo em relação a moedas estrangeiras dos últimos quatro anos.

Após a maior queda dos preços do petróleo dos últimos 30 anos, nesta segunda-feira (9), a moeda nacional russa perdeu 8,8% do seu valor em relação ao dólar americano e 9,7% em relação ao euro. É a maior desvalorização do rublo desde 2014.

Logo após a queda, o Banco Central da Rússia prometeu suspender as compras de moeda estrangeira, e o Ministério das Finanças pretende começar a vendê-la.

Desde a segunda feira, a moeda russa segue perdendo valor. Nesta quinta (12), o dólar norte-americano é comercializado a 74,54 rublos, e o euro, a 84,02 rublos.

O premiê russo, Mikhail Mishustin, declarou, porém, que “a situação da economia russa está sob controle pessoal do presidente e do governo”. “Temos todas as ferramentas para passar [a crise] calmamente, sem choques. Temos recursos suficientes para manter a estabilidade financeira”, disse Mishustin à Ria Nôvosti.

Mercado somado ao coronavírus

Os economistas, no entanto, não são tão otimistas em relação ao mercado do petróleo. Segundo eles, ninguém sabe por quanto tempo os preços de petróleo vão permanecer abaixo de US$ 40 por barril.

“Acredito que os preços do petróleo vão permanecer por volta de US$ 30-40 durante pelo menos dois meses”, disse o analista do IHS Market, Maksim Netchaev ao jornal RBC.

“Há uma rara combinação de fatores no mercado – choque de oferta, ou seja, aumento na produção de petróleo; choque de demanda ou diminuição no consumo devido ao coronavírus, e a ausência de um ‘produtor estabilizador’”, explica o fundador da consultoria Rapidan Energy, Bob McNally.

Para McNally, essa “combinação terrível” ocorreu apenas uma vez a história – no  início da década de 1930, causada pela Grande Depressão.

“Se o surto de coronavírus for interrompido, os preços podem voltar a crescer rapidamente e exceder os US$ 50 por barril, mas, se os riscos de recessão global aumentarem, os preços continuarão baixos, em torno de 30-40 dólares”, declarou o analista sênior do BCS Premier, Serguêi Suverov, ao RBC.

Futuro da moeda russa

A princípio, a regra orçamentária russa – que atrela os gastos do governo com a receita obtida, limitando o impacto conforme o preço das commodities que sustentam o orçamento federal da Rússia – está funcionando com bastante sucesso: enquanto o petróleo perdeu 20% a 25% do seu valor, a moeda russa caiu apenas 9%.

LEIA TAMBÉM: Quatro questões sobre o setor de energia da Rússia

De acordo com o Ministério das Finanças, a venda de dólar ajudará a compensar o declínio da entrada de moeda estrangeira proveniente da exportação de petróleo e de produtos petrolíferos. “Isso terá um efeito estabilizador sobre a taxa de câmbio da moeda nacional”, lê-se em um comunicado da pasta.

“Moscou não esperava que o preço do petróleo caísse para quase 30 dólares, afirmou o diretor do departamento de Recursos Naturais e Commodities do Grupo Fitch, Dmítri Maríntchenko, à agência Ria Nôvosti.

“A situação atual não é confortável para a Rússia. Os preços de US$ 30 por barril levam a um deficit orçamental, à desvalorização [do rublo] e, provavelmente, ao aumento da carga fiscal para as empresas petrolíferas”, completou.

Autorizamos a reprodução de todos os nossos textos sob a condição de que se publique juntamente o link ativo para o original do Russia Beyond.

Mais reportagens e vídeos interessantes na nossa página no Facebook.
Leia mais

Este site utiliza cookies. Clique aqui para saber mais.

Aceitar cookies