Embaixador brasileiro desce à mina para conhecer as tecnologias russas de mineração de fertilizantes

Embaixada do Brasil em Moscou
Brasil é um dos maiores consumidores mundiais de fertilizantes potássicos, inclusive os de produção russa.

Na última quinta-feira (21), o embaixador extraordinário e plenipotenciário do Brasil na Rússia, Tovar da Silva Nunes, visitou a região de Perm (1.450 ao leste de Moscou) para conhecer as instalações da Uralkali, maior empresa produtora de fertilizantes do país.

Além do encontrar com o governador da região, Maksim Rechétnikov, o embaixador brasileiro desceu a uma das minas da Uralkali, a 400 metros de profundidade.

Durante a reunião com os altos funcionários da empresa, Silva Nunes discutiu as tecnologias de beneficiamento de minério usadas pela Uralkali, que permitem controlar o ciclo de produção de potássio desde a mineração até o fornecimento de fertilizantes para os países da América, África e Ásia.

“O Brasil é um dos maiores consumidores de fertilizantes potássicos do mundo. A região de Perm ocupa o segundo lugar em termos de reservas disponíveis de sais de potássio e magnésio em nível mundial. Portanto, era importante que eu me familiarizasse com as tecnologias de sua produção”, declarou Silva Nunes.

O Brasil é o maior parceiro econômico dessa região russa. Entre janeiro e setembro deste ano, o valor das exportações da região para o país latino-americano ultrapassou os US$ 668 milhões. Os principais produtos de exportação são fertilizantes, papel e produtos químicos.

O mercado brasileiro é um dos principais para a Uralkali, declarou o diretor-geral da empresa, Dmítri Óssipov, à agência Federal Press. "O Brasil utiliza tecnologias avançadas de aplicação de fertilizantes. Fornecemos principalmente cloreto de potássio para o mercado brasileiro. Este é um produto com maior grau de processamento e maior vida útil do fertilizante", disse Óssipov.

VEJA TAMBÉM: Hoje abandonadas, minas de sal nos Urais parecem uma viagem de ácido

Autorizamos a reprodução de todos os nossos textos sob a condição de que se publique juntamente o link ativo para o original do Russia Beyond.

Mais reportagens e vídeos interessantes na nossa página no Facebook.
Leia mais

Este site utiliza cookies. Clique aqui para saber mais.

Aceitar cookies