Hoje abandonadas, minas de sal nos Urais parecem uma viagem de ácido; veja fotos

Formação natural em Iekaterinburgo supera facilmente qualquer design moderno de boates em Moscou. Confira essas paredes onduladas e coloridas que poderiam ser facilmente confundidas com telas de Van Gogh.

Os usuários de internet vêm comparando essas minas de sal de Iekaterinburgo com uma discoteca psicodélica, sugerindo que raves da cidade se mudem para o subsolo. 

Essas minas surreais, que ficam 200 metros abaixo da cidade de Ural (a quase mil quilômetros a leste de Moscou), parecem ter sido projetadas por Vincent Van Gogh, ou, talvez, poderiam ser confundidas com murais de uma antiga civilização.

No entanto, esse efeito caleidoscópico é completamente natural. Um mar de água salgada, há muito evaporado, formou as cores no período Permiana (há 280 milhões de anos), deixando para trás camadas de depósitos minerais vívidos.

As cores são principalmente resultado de magnesitas de carnalita e potássio secas, usadas atualmente como fertilizantes.

O efeito tem uma grande variedade de matizes e formas, incluindo ondas e círculos concêntricos vermelhos, brancos, azuis e dourados.

O fotógrafo Mikhail Michainik encontrou essas minas em 2014.

Na época, ele passou dias e noites explorando a região, apesar do alto risco de vazamentos de gás e deslizamentos de terra.

Segundo Michainik, o labirinto de túneis pode se estender por quilômetros. Além disso, o ar é muito seco por causa da alta concentração de sal na mina.

Mas por que o potencial artístico dessas minas passou despercebido por tanto tempo? Pode ter algo a ver com a iluminação: as minas são totalmente escuras, e toda a glória das paredes vibrantes só é revelada graças à luz forte de tochas.

Alguns dos túneis ainda estão em uso, embora a maioria esteja inativa e só possa ser acessada com permissão do governo. Infelizmente, isso significa que, talvez, os locais tenham que esperar um pouco pela primeira noite de techno ali.

Quer receber as principais notícias sobre a Rússia em seu e-mail? 
Então assine nossa newsletter semanal ou diária.

Autorizamos a reprodução de todos os nossos textos sob a condição de que se publique juntamente o link ativo para o original do Russia Beyond.

Mais reportagens e vídeos interessantes na nossa página no Facebook.
Leia mais

Este site utiliza cookies. Clique aqui para saber mais.

Aceitar cookies