Empresário dos Urais dá sopa de salmão aos necessitados, mesmo correndo risco

Ivan Zaychenko; Pixabay
Apesar de ter sido forçado a parar de oferecer a comida que não era vendida em seu mercado, mas ainda estava própria para consumo, proprietário, que também tem restaurante, agora faz sopa de salmão para distribuir.

O empresário Ivan Zaitchenko é bastante conhecido em Ekaterimburgo. Ele trabalha no ramo de restaurantes há quase 10 anos e tem um serviço de entrega de alimentos e um mercado chamado Jiznmart.

Quase todos os produtos vendidos lá têm vida útil curta: laticínios frescos, verduras, frutas, ervas e refeições prontas para viagem. Em março, ele teve a ideia de distribuir os produtos que estivessem na data de validade.

"Eram produtos alimentícios que não podíamos mais vender por lei, mas que ainda estavam perfeitamente comestíveis", explicou Zaitchenko ao Russia Beyond.

Mercado Jiznmart.

Ele escreveu sobre seus planos nas redes sociais. Foi a primeira iniciativa do tipo na cidade, e ele recebeu respostas muito positivas.

“Muita gente precisa vasculhar as latas de lixo para comer, em busca de alimentos vencidos descartados pelas lojas. Espero que nossa iniciativa ajude as pessoas a preservar sua dignidade e, ao mesmo tempo, alimentá-las. Eu ficaria feliz se outros varejistas copiassem a ideia”, escreveu ele.

Prateleira de alimentos gratuitos.

Mas, no final das contas, não foram as outras lojas que ficaram interessadas, e sim o Rospotrebnadzor, a agência estatal de defesa dos direitos do consumidor.

Apenas alguns dias depois da ação, a agência fez uma visita à loja e, naturalmente, encontrou alimentares vencidos no decorrer de sua inspeção. Ivan recebeu seria multado entre 100.000 e um milhão de rublos, e também teria que fechar temporariamente sua loja por 90 dias.

Em outras palavras, seria o fim de seu pequeno negócio. Felizmente, como foi a primeira vez que isso aconteceu, ele se safou apenas com uma "conversa séria", como conta.

Caridade ou só negócios?

O Rospotrebnadzor explicou a Zaitchenko que, de acordo com a legislação de segurança alimentar, não é permitido repassar alimentos vencidos nos mercados, independentemente de eles serem vendidos ou doados.

Diferentemente da França, por exemplo, onde os mercados, por lei, não podem jogar fora alimentos vencidos (que devem ser entreges a organizações de caridade), na Rússia, os produtos alimentícios não podem sequer ser jogados em lixeiras.

Para reciclar os restos de comida, é preciso depositá-los em um contêiner fechado à parte e eles são transportados em um caminhão de lixo separado.

De acordo com o Rospotrebnadzor, é preciso que ninguém consiga encontrar os produtos alimentares descartados, já que eles podem, acidentalmente, causar uma intoxicação alimentar.

As grandes redes de supermercados conseguem devolver parte dos produtos alimentícios não comercializados e vencidos aos fornecedores e receber dinheiro de volta.

“Não vou, é claro, infringir a lei, mas é uma pena jogar fora a comida que sobra”, diz Zaitchenko. De acordo com seus cálculos, todas as noites a loja elimina produtos alimentícios no valor de cerca de 3.000 rublos (R$ 200) que ainda eram próprios para o consumo.

“Mesmo que você compre pão ou biscoitos que vençam no mesmo dia, ainda poderá comê-los no dia seguinte e eles não estarão estragados. Quanto às refeições prontas, a situação é ainda mais interessante: sua vida útil é de apenas 12 horas, mas elas podem ser mantidas por até três dias. Os produtos geralmente têm uma vida mais longa do que o tempo previsto de armazenamento pelo fabricante”, explica.

Sopa de salmão para sushi

Por enquanto, Zaitchenko decidiu doar os alimentos na data de vencimento aos funcionários da loja. Mas, para alimentar os necessitados, ele teve a ideia de usar comida de seu restaurante japonês, o Sushkof.

Todas as noites, o restaurante costumava ter muito salmão, verduras e frutas que eram jogados fora. Os alimentos ainda estavam próprios para consumo, mas não podiam ser usados nos pratos para os clientes.

O restaurante costumava doar esses alimentos a outras organizações com fins de caridade. Mas, no final de abril, os funcionários do restaurante passaram a fazer sopa de peixe com restos de salmão, doando a quem quisesse pegar. Ivan doa a sopa duas vezes por semana.

A sopa de salmão grátis próximo do restaurante.

Até agora, Rospotrebnadzor não questionou Ivan, e ele está feliz em poder ajudar de alguma forma quem realmente precisa. Os moradores da cidade tentam agradecer como podem.

"Anteontem, uma mulher se ofereceu para lavar o chão da loja como um gesto de gratidão. Fiquei muito feliz com o gesto e senti que começo a gostar deste mundo cada vez mais", diz Ivan.

Com a reação positiva, ele decidiu expandir sua atividade filantrópica e criar um menu especial, cujos lucros são parcialmente doados a orfanatos nos Urais.

LEIA TAMBÉM: Russos também estão entre adeptos do ‘freeganismo’

Autorizamos a reprodução de todos os nossos textos sob a condição de que se publique juntamente o link ativo para o original do Russia Beyond.

Mais reportagens e vídeos interessantes na nossa página no Facebook.
Leia mais

Este site utiliza cookies. Clique aqui para saber mais.

Aceitar cookies