Se produtos não vão à Rússia, linha de produção vai

Alemanha continua a liderar os investimentos na economia do país, e nos primeiros seis meses de 2017, injetou quase US$ 2,3 bilhões na economia russa.

Alemanha continua a liderar os investimentos na economia do país, e nos primeiros seis meses de 2017, injetou quase US$ 2,3 bilhões na economia russa.

The Russian-German Chamber of Commerce
Com extensão das sanções financeiras da UE contra a Rússia que impede envio de determinados produtos ao país, além de manutenção de embargo de produtos europeus como resposta, companhias decidiram produzir em solo russo. O Russia Beyond mostra 10 empresas que optaram por essa alternativa em 2017.

A Rússia está saindo da crise financeira e, segundo o presidente Vladímir Pútin, a economia do país volta a crescer.

Em 2017, o PIB do país crescerá 1,7%, de acordo com dados do Ministério do Desenvolvimento Econômico da Rússia, embora, o indicador tenha caído 0,2% em 2016. A inflação continua baixa, e não ultrapassa os 3%.

Esses indicadores levaram à intensificação da atividade de diversas empresas estrangeiras no mercado russo.

A Alemanha continua a liderar os investimentos na economia do país. Durante os primeiros seis meses de 2017, empresas alemãs injetaram cerca de US$ 2,3 bilhões na economia russa. Ela também deverão investir mais US$ 352 milhões até o final deste ano, de acordo com o presidente do Conselho da Câmara de Comércio russo-alemã, Matthias Shepp.

Para Shepp, embora diversas empresas alemãs tenham deixado a Rússia durante a crise, a participação do país no mercado russo não diminuiu, já que as que permanecem ali têm investido mais.

"Na verdade foram as pequenas empresas e empreendedores individuais que diminuíram sua atividade comercial na Rússia, enquanto os principais players econômicos e as médias empresas continuaram seu trabalho e, agora, começam a investir mais na economia da Rússia”, disse Shepp.

O governo russo, por sua vez, tenta simplificar as condições de existência das empresas estrangeiras no país e ajudá-las a sobreviver.

Em 2015, por exemplo, introduziu-se um novo tipo de contratos de investimento para apoiar as empresas estrangeiras interessadas na localização da produção na Rússia.

Além disso, outros países também parecem manter interesse no mercado russo.

Em 2016, enquanto a Alemanha investiu US$ 224 milhões no país, a França injetou US$ 1,9 bilhão e o Reino Unido, US$ 478 milhões de acordo com o Banco Central da Rússia.

Para efeito de comparação, a China investiu apenas US$ 345 milhões na economia russa em 2016.

Russia Beyond compilou uma lista de empresas europeias que localizaram sua produção na Rússia em 2017:

1. Viessmann

Empresa alemã de aquecimento Viesmann abriu oficialmente uma fábrica na Rússia, que custou quase US$ 17 milhões.

Neste ano, a empresa alemã de aquecimento Viesmann abriu oficialmente uma fábrica na Rússia, que custou quase US$ 17 milhões.

Em junho, o embaixador alemão e funcionários públicos russos participaram da cerimônia de abertura da fábrica em Lipetsk, 400 km a sul da capital russa.

A decisão de localizar a produção foi tomada em 2015 e, em janeiro deste ano, a empresa finalmente recebeu a aprovação para iniciar a produção.

2. Bionorica

Em julho, a empresa farmacêutica alemã Bionorica iniciou a construção das suas instalações na cidade russa de Vorônej, 500 km a sul de Moscou.

A empresa investirá US$ 46 milhões na localização e pretende começar a produzir medicamentos na Rússia em três anos.

3. Auchan

Em agosto, o varejista francês Auchan abriu a sua primeira fábrica de processamento de carne perto da a cidade de Tambóv, 450 km a sul da capital russa. 

Espera-se que a fábrica ofereça cerca de mil postos de trabalho.

4. Atos

Em setembro deste ano, a corporação europeia de serviços de TI Atos, com sede na comuna parisiense de Bezons, assinou um acordo com o Centro Russo de Inovações Mayak para localizar a produção dos servidores.

A empresa planeja investir cerca de US$ 2 milhões no projeto conjunto com o Mayak.

 Os novos servidores produzidos em conjunto com o centro russo serão intitulados “Bullin”.

5. WIKA

A WIKA, fabricante de instrumentos de medição com sede na Alemanha, também abriu a sua primeira fábrica nos arredores de Moscou em setembro.

A empresa investiu mais US$ 17 milhões e espera que a localização permita reduzir os custos de produção e fornecimento de produtos às regiões russas, assim como para países vizinhos, especialmente o Cazaquistão e a Bielorrússia.

6. Backaldrin Kornspitz

A fabricante austríaca de produtos de panificação Backaldrin Kornspitz abriu sua primeira fábrica na Rússia em 13 de outubro.

A empresa iniciou a construção da fábrica há um ano e agora está operando oficialmente na Zona Econômica Especial Stupino Quadrat, em Moscou.

7. Wilo

Premiê russo Dmítri Medvedev na planta da Wilo em Noguinsk.

Grande fabricante alemã de sistemas de bombeamento, a Wilo, assinou um contrato de investimento especial com o governo russo em 13 de outubro.

A empresa receberá o status de fabricante local e, durante os próximos nove anos, vai tentar localizar 85% de sua produção na Rússia.

A Wilo já investiu US$ 41,2 milhões em sua própria fábrica, na cidade de Noguinsk, perto de Moscou, e investirá mais US$ 13 milhões na implementação do projeto, pesquisas e trabalho com parceiros locais.

8. Savencia Fromage & Dairy

Em 17 de outubro, a Savencia Fromage & Dairy, empresa francesa de alimentos especializada na produção de queijos, comprou uma participação maioritária na fábrica russa Belebey, na República de Baskortostão.

O acordo foi assinado em conformidade com a estratégia de desenvolvimento global da Savenicia e prevê a conquista do mercado russo através da aquisição dos maiores produtores de queijo do país. 

  1. Kuhn

    A fabricante de máquinas agrícolas Kuhn, com sede na cidade francesa de Saverne, começou as negociações sobre a entrada no mercado russo já há alguns anos, mas conseguiu dar o primeiro passo apenas em 2017.

Em outubro, a empresa anunciou a compra de 19 hectares de terra na região russa de Vorônej (500 km a sul de Moscou).

Com o investimento, ela poderá criar seu próprio complexo para impulsionar as vendas, distribuição e serviço de suas máquinas na Rússia.

10. POMA

Uma fabricante de teleféricos francesa trabalhará com o governo do Norte do Cáucaso na construção de transporte aéreo por cabo para futuras estações de esqui na região.

Segundo acordo assinado em 24 de outubro em Moscou, a fabricante francesa construirá uma fábrica junto com os russos.

Autorizamos a reprodução de todos os nossos textos sob a condição de que se publique juntamente o link ativo para o original do Russia Beyond.

Leia mais