Os ganhos e as perdas de três anos de embargo na Rússia

Substituição de importações e subsídios foram algumas das saídas encontradas, mas alta da inflação ainda atrapalha.

Substituição de importações e subsídios foram algumas das saídas encontradas, mas alta da inflação ainda atrapalha.

Reuters
A Gazeta Russa avalia efeitos do embargo alimentício russo contra Estados Unidos e países europeus após sanções financeiras desses


Há três anos, Moscou iniciava um embargo sobre a importação de produtos alimentícios da União Europeia, Estados Unidos, Austrália e vários outros países em resposta às sanções que esses impuseram contra ela.

Queijo parmesão e presunto europeus foram substituídos por similares produzidos por produtores locais.Queijo parmesão e presunto europeus foram substituídos por similares produzidos por produtores locais.

Os fornecimentos de carnes, peixes, queijos, leite, frutas e verduras desses países à Rússia foram impedidos.

A primeira consequência dessa medida foi uma alta dos preços dos alimentos no mercado russo, com subsequente aumento da inflação.

Segundo economistas, a principal razão para a última foi a desvalorização do rublo, ocorrida em dezembro de 2014.

Pequenos e médios produtores rurais receberam altos subsídios.  / Vitáli Timkiv/TASSPequenos e médios produtores rurais receberam altos subsídios. / Vitáli Timkiv/TASS

Mas os preços dos produtos produzidos no mercado interno também influenciaram a alta da inflação, de acordo com estudo realizado pelo escritório russo da BBC.

O estudo mostra que, em dezembro de 2014, a cesta básica do moscovita encareceu 69%, em comparação com agosto de 2014. 

No entanto, de acordo com o Ministério do Desenvolvimento Econômico da Rússia, a média de preços subiu apenas 32% nesse período.

"O efeito negativo do embargo é a redução do volume de negócios na economia russa. Com a maior parte da renda do cidadão dedicada à alimentação, os gastos em outros tipos de bens e serviços caíram significativamente", explica Daniil Kirikov, sócio da consultoria financeira Kirikov Group.

Apesar da busca por substituir as importações, muito do fornecimento de verduras agora ainda é importado, dessa vez, do Oriente Médio e norte da África. / Donat Sorokin/TASSApesar da busca por substituir as importações, muito do fornecimento de verduras agora ainda é importado, dessa vez, do Oriente Médio e norte da África. / Donat Sorokin/TASS

Escolha limitada

Como se previa, o embargo restringiu a escolha de produtos no mercado interno. Frutas e verduras europeias foram substituídos, principalmente, por produtos da Turquia, Egito, Marrocos e outros países do Oriente Médio.

Produtos europeus de alta qualidade, como o queijo parmesão ou o presunto foram substituídos por similares fabricados localmente ou na Bielorrússia, com qualidade inferior.

"O embargo de alimentos contribuiu para o crescimento da popularidade dos produtos russos, mas a queda dos rendimentos da população desacelerou esse processo", diz o analista da agência financeira Amarkets, Artiôm Deiev

Renascimento dos pequenos produtores

O governo russo usou o embargo como uma medida protecionista para pequenos agricultores locais, que receberam novos subsídios de até US$ 250 mil.

De acordo com o banco Rosselkhozbank, que trabalha juntamente com o Ministério da Agricultura da Rússia, empresas agrícolas pequenas e médias receberam mais de 9.200 empréstimos, totalizando um valor de US$ 3,1 bilhões em 2016.

"Agora, os produtores precisam de tempo para pagar os empréstimos, receber os lucros e produzir mais, sem se arriscar a perder participação no mercado local. Mas o prazo do embargo deve ser limitado e determinado pela política de preços, dados financeiros e situação econômica", diz o analista-chefe do concultoria financeira TeleTrade, Piotr Puchkariov.

Autorizamos a reprodução de todos os nossos textos sob a condição de que se publique juntamente o link ativo para o original do Russia Beyond.