5 fatos sobre o cinema mais antigo de Moscou (ainda na ativa), o Khudojestvenni

Os primeiros amantes da sétima arte estiveram no cinema lendário em 1909 para assistir ao filme mudo francês “Georgette”. Anos depois, foi palco da estreia mundial do épico ‘O Encouraçado Potemkin’, de Serguêi Eisenstein.

1. Um dos mais antigos do mundo

O Khudojestvenni, localizado na Praça Arbat, em Moscou, é um dos cinemas mais antigos do mundo ainda em funcionamento. O palácio sobreviveu à Revolução de 1917, à Segunda Guerra, à era de estagnação na década de 1970 e à tumultuada perestroika nos anos 1980.

1912

O local, originalmente chamado ‘Art Electro-Theatre’, foi inaugurado em 10 de novembro de 1909, e a primeira sessão ocorreu no dia seguinte. O público esperou ansiosamente para ver o drama mudo francês ‘Georgette’, de Maurice de Féraudy. As primeiras exibições eram curtas, durando cerca de 15 minutos.

Em 1909, ninguém menos que o autor de ‘Guerra e Paz’, Lev Tolstói, visitou o cinema.

2. Apresentava soluções de design exclusivas

O projeto original do cinema foi criado pelo arquiteto russo Nikolai Blagoveschenski. Era um prédio térreo com cúpula e uma fonte luminosa no foyer. A sala de cinema acomodava originalmente cerca de 400 pessoas.

Quatro anos após a inauguração, o espaço foi comprado pelo cineasta pioneiro e empresário russo Aleksandr Khanzhonkov. Na época, ficou claro que o público de Moscou estava sedento por mais filmes, e o local precisava ser ampliado para aumentar o número de assentos.

Em 1913, o edifício foi reconstruído conforme o projeto do grande nome da cena Art Nouveau de Moscou, o arquiteto Fiódor Schekhtel.

Projeto de Shekhtel, em 1912

O Khudojestvenni foi restaurado e modernizado, com fachada em estilo clássico. Ganhou um sistema de aquecimento a vapor, com cabine especial para guardar as pilhas de bobinas de filme empilhadas na cobertura do prédio. O foyer era decorado com lustres de cristal, colunas de mármore e palmeiras. Músicos e atores davam as boas-vindas aos convidados com apresentações ao vivo antes da exibição.

O cinema dobrou de capacidade, passando a acomodar cerca de 900 pessoas. Como no teatro, os melhores assentos ficabam para os convidados de maior destaque. A intelectualidade de Moscou geralmente ocupava seus assentos nas bancas, enquanto os mais pobres ocupavam seus assentos na seção de sangramento nasal.

O repertório também se expandiu. Em 1914, cerca de 15 curtas-metragens mudas foram exibidos no Khudojestvenni.

Durante a Revolução de 1917, o cinema foi usado como centro de detenção para prisioneiros do Exército Vermelho. Em 1919, Vladimir Lenin emitiu o decreto ‘Sobre a transição do comércio e da indústria fotográfica e cinematográfica sob o controle do Comissariado do Povo para a Educação’. Como resultado, o cinema deixou de ser privado e passou a ser propriedade do novo Estado soviético.

3. Já oferecia serviço de entrega de ingresso

Antigamente, Khudojestvenni oferecia serviço do mais alto nível. Era o único cinema russo que tinha ingressos de papel entregues diretamente na casa dos clientes. E havia muitos edifícios residenciais nas proximidades para desfrutar desse luxo extravagante.

1925

Em meados da década de 1930, o cinema tinha quase 950 assentos, lanchonete com bebidas e doces, sala de leitura, um fraldário e pátio para shows ao vivo no verão.

Continuou funcionando durante a Segunda Guerra Mundial para elevar o moral dos moradores da capital russa e foi  novamente modernizado na década de 1950. Algumas das janelas foram fechadas com tijolos, o fosso da orquestra foi removido, e a moldura vintage, retirada da fachada. Então, em 1955, o Khudojestvenni se tornou o primeiro cinema com tela panorâmica da URSS.

Continuou sendo o maior e mais popular sala de cinema de Moscou até a inauguração do Rossiya, na Praça Púchkin, para sediar a 2ª edição do Festival Internacional de Cinema de Moscou, em 1961.

4. Teve tapete vermelha para estreias de filmes

Em 1926, o Khudojestvenni (que era então oficialmente chamado de 1º Cinema do Estado) apresentou a estreia mundial do icônico drama histórico de Serguêi Eisenstein ‘O Encouraçado Potemkin’ para casa lotada.

Estreia de  ‘O Encouraçado Potemkin’, em 1926

Em 1931, “O Caminho para a Vida”, o primeiro filme soviético com som, foi exibido no Khudojestvenni. O longa foi elogiado no Festival Internacional de Cinema de Veneza de 1932, com Nikolai Ekk vencendo o prêmio de Melhor Diretor pelo drama.

Em 1936, o primeiro filme colorido da URSS, “Grunya Kornakova”, também estreou ali.

5. Virou a página e segue contando história

O espaço perdeu prestígio durante a década de 1990, quando virou lar de um cassino com caça-níqueis. Havia necessidade urgente de reconstrução, e o cinema fechou em janeiro de 2014, reabrindo novamente na primavera de 2021.

Fachada reformada, em 2021

O local histórico foi reaberto após sete anos de obras de restauração. Agora tem quatro salas com capacidade de 21 a 474 assentos. Embora todo decorado com mármore, o cinema não é ostentoso.

Khudojestvenni não exibirá filmes do tipo blockbusters, optando por obras independentes e projetos de arte. E o melhor: os amantes de cinema têm a chance de assistir aos filmes com trilha original e legendas em russo.

LEIA TAMBÉM: 5 filmes mudos soviéticos que são obras-primas de todos os tempos do cinema 

Autorizamos a reprodução de todos os nossos textos sob a condição de que se publique juntamente o link ativo para o original do Russia Beyond.

Mais reportagens e vídeos interessantes na nossa página no Facebook.
Leia mais

Este site utiliza cookies. Clique aqui para saber mais.

Aceitar cookies