Teaser da nova temporada de ‘Stranger Things’ gera onda de teorias e especulações

Jim Hopper

Jim Hopper

Netflix, 2020
Na semana passada, a Netflix lançou o teaser da quarta temporada da série ‘Stranger Things’, confirmando não só que Jim Hopper está vivo, mas também na União Soviética. E, pelo que se viu, os russos acreditam que história pode voltar ao tempo. [Atenção: Contém spoilers da terceira temporada de ‘Stranger Things’]

Jim Hopper, chefe da polícia da cidade fictícia de Hawkins e um dos protagonistas de ‘Stranger Things’, é dado como morto no incêndio que destruiu o shopping no final da terceira temporada, após a destruição de uma base militar soviética secreta. No entanto, nos segundos finais do último episódio, os espectadores podem perceber que o policial heroico teria sido, de fato, capturado pelos comunistas. Nesse momento, parece que Hopper está preso em uma cela em uma instalação secreta de pesquisa na Rússia e evita ser alimentado por um demogorgon incomumente pálido.

O novo teaser da quarta temporada, que se passa entre a vasta extensão de neve e pinheiros (filmado na Lituânia, assim como “Chernobyl”), cria um ambiente russo- soviético bastante crível. Veja abaixo um compilado dos comentários na Rússia:

1/ Campo de trabalho forçado

Hopper é definitivamente um prisioneiro. Ele parece ser mantido entre os detentos de um dos “campos de trabalho forçado”, com cabeça raspada, vestido e tratado como um prisioneiro comum. As torres de vigia são ocupadas por guardas com metralhadoras, ou, como eram chamados, vertuhai, que estavam ali para garantir a complacência e impedir fugas (não que houvesse lugar para ir). O único guarda que vemos de perto está vestindo uma versão bastante opulenta de um casaco de pele com tiras de couro. Aparentemente, esses tipos de casacos eram às vezes usados ​​por guardas de campo no Gulag, mas o do teaser parece ser um pouco chique demais.

2/ Houve um crime?

Para ser prisioneiro de um campo de trabalho forçado, Hopper teria que ter sido condenado por uma corte soviética – um obstáculo fácil durante os tempos do Gulag, mas não tão simples em meados da década de 1980. A terceira temporada termina no verão de 1985 e, assumindo que a nova temporada se passa no inverno de 1985 e 1986, Mikhail Gorbatchov já era o líder da União Soviética. Estamos a apenas alguns meses da tragédia de Chernobyl. Considerando que Hopper foi capturado nos EUA, para que ele acabasse em um campo de prisioneiros, ele deve ter feito algo já na União Soviética – e, presumivelmente, não mais útil para pesquisas relacionadas ao demogorgon. É provável que o teaser não seja o ponto de partida da temporada?

3/ Ferrovia famosa na hora errada

Os detentos parecem ser usados ​​como trabalho forçado na construção de uma ferrovia. Qualquer espectador russo assume de cara que se trata da BAM (Baikal-Amur), ferrovia épica que se tornou o projeto de infraestrutura mais ambicioso e mais caro já concluído pela União Soviética. Uma das tendas vistas no teaser (embora pareça haver estruturas residenciais construídas nas proximidades) remete a uma “brezentovaia palatotchka”, um tipo de barraca simplória citada em uma música homônima do cantor soviético Iuz Alechkovski relacionada à construção do BAM.

O trabalho forçado de prisioneiros foi realmente usado para construir os primeiros trechos da BAM – havia até boatos de que as condenações durante os tempos do Gulag eram aceleradas para fornecer mão-de-obra suficiente para o projeto. Mas tudo isso terminou com o fim do Gulag, logo após a morte de Stálin.

Na última fase da construção da BAM, a partir da década de 1970, o trabalho de prisioneiros não era mais usado – e foi, de fato, assumido por divisões ferroviárias especializadas das forças armadas soviéticas, brigadas da organização juvenil Komsomol e voluntários. Estes, por sua vez, eram atraídos por incentivos financeiros, como “severnie nadbavki” – salários e benefícios mais altos oferecidos aos trabalhadores no Extremo Norte do país –, bem como “kolesnie”, o pagamento extra para trabalhadores do campo.

Motoneves Buran foram construídas em 1971

O projeto se tornou tema de canções em torno do fogueira e fonte de inspiração, pois acreditava-se que grandes esforços resultavam em grandes recompensas. O cantor americano Dean Reed fez um show e filmou dois videoclipes em um dos canteiros de obras. Além disso, a construção da BAM foi em grande parte concluída e a ferrovia declarada aberta no outono de 1984. Não há quaisquer evidências de nenhum projeto em que prisioneiros teriam sido usados para construir uma ferrovia na neve em 1985.

LEIA MAIS: A construção de uma linha ferroviária pela Sibéria que destruiu vidas (FOTOS)

Dean Reed em visita a operários da BAM

Sendo assim, pode-se deduzir pelo teaser que os rumores de que haverá uma viagem no tempo na 4ª temporada procedem. Se Hopper tiver caído em um buraco de minhoca que o transportou para 33 anos antes (assim como no outro drama cult da Netflix, “Dark”), é possível imaginar que ser condenado por alguns crimes e enviado para construir a BAM seria apenas uma questão de minutos.

4/ Trilha sonora

Enquanto Hopper trabalha na construção de uma ferrovia fictícia – talvez condenado por um crime (ou não) –, escuta-se ao fundo a música “O Exército Vermelho é o Mais Forte” (popularmente conhecida como “Exército Branco, Barão Negro”. Era uma canção patriótica popular na época da Guerra Civil Russa, durante a qual o então recém-formado Exército Vermelho lutou contra os grupos pró-monarquia (Exército Branco), entre 1917 e 1922. A música foi escrita em 1920.

Desse modo, é novamente possível concluir que Hopper está na Rússia e é um prisioneiro, provavelmente transportado de volta ao tempo para os primeiros dias da construção da BAM. Mas será? Por enquanto, tudo não passa de especulação.

LEIA MAIS: Todos os filmes e programas russos na Netflix do Brasil

Autorizamos a reprodução de todos os nossos textos sob a condição de que se publique juntamente o link ativo para o original do Russia Beyond.

Mais reportagens e vídeos interessantes na nossa página no Facebook.
Leia mais

Este site utiliza cookies. Clique aqui para saber mais.

Aceitar cookies