10 raridades de Fabergé e outras joias reais

Press photo
O lendário artesão das joias da corte Carl Fabergé não fazia apenas os magníficos e famosos ovos de Páscoa. E a Casa Fabergé também não foi a única joalheria a servir os Romanov. Conheça algumas das mais belas peças da família, todas da coleção do Museu Histórico do Estado da Rússia, Moscou.

1. Cálice para presente. Casa Fabergé

1890

O cálice é decorado com várias águias de duas cabeças, símbolos do Império Russo desde o século 15. Foi feito por Stephan Wakeva, da equipe de Fabergé.

2. Mata-borrão. Atelier I.P. Khlebnikov

1880

Ivan Khlêbnikov vinha de uma família de joalheiros e, nos anos 1870, depois de 40 anos comercializando artefatos de ouro e prata, ele abriu um atelier em Moscou. Empregou centenas de artesãos e, além dos itens de escritório da corte imperial, ele fez objetos de cutelaria, peças do guarda-roupa da imperatriz e detalhes da decoração do Palácio de Inverno.

3. Galo-garrafa. Atelier I.P. Khlêbnikov

1875-1885

A partir do fim do século 19, a família imperial adotou uma linha que se aproximava do estilo tradicional russo (ou, como eles passaram a chamar, Neo-russo). É por isso que os ourives e joalheiros começaram a usar pinturas coloridas, ornamentos cravejados, kokochniks (um acessório de cabeça tradicional para mulheres) e aves como galos e galinhas em suas criações.

4. Saleiro. Casa Fabergé

1894

A história de vida do joalheiro Pável Ovtchínnikov mostra uma trajetória profissional realmente brilhante. Nascido servo, ele se transformou no melhor aprendiz de joalheiro e comprou sua liberdade com o dinheiro das peças que fazia. Se transformou, então, em fornecedor da corte imperial e, por mais de 40 anos, fez itens para grã-duques e até para o próprio tsar.

5. Prato. Atelier P.A. Ovchínnikov

1889

No meio do prato está uma fábrica de seda de Moscou e em sua volta uma inscrição que diz “Para Piotr Antônovitch e Anna Frántsovna Mussi, dos tecelões”. Os Mussi era comerciantes e fundadores da tecelagem, uma das mais bem-sucedidas do Império, que empregou dezenas de milhares de pessoas. Pode-se imaginar o respeito que seus funcionários mantinham por eles a ponto de os presentearem com um prato desse tipo.

6. Ovo de Páscoa. Atelier Rückert

1899-1908

O joalheiro de origem alemã Feodor Rückert era especialmente famoso por trabalhar com esmalte no estilo Neo-russo. No fim da década de 1880, ele assinou um contrato com Fabergé e começou a produzir itens para a corte e presente para diplomatas.

7. Cinzeiro. Casa Fabergé

1915

Um cinzeiro em relevo como este foi usado pelos grão-duques. Esse pequeno item de 6x8 cm pesa mais de 600 gramas.

8. Vaso. Casa Fabergé

1908-1917

Esta obra-prima de malaquita foi feita logo antes da revolução e foi um dos últimos trabalhos a sair da fábrica de Fabergé na Rússia. Em 1918, os bolcheviques nacionalizaram sua empresa e ele foi forçado a deixar o país.

9. Caneca. Atelier F.A. Verkhovtsev

1854

Esta caneca em estilo barroco com tampa tem uma videira subindo para o lado e é decorada com querubins servindo vinho um ao outro. Foi a empresa do joalheiro Fiódor Verkhôvtsev que produziu louças de prata para a Catedral de Santo Isaac, em São Petersburgo.

10. Retrato em miniatura de Z.N. Iussúpova. Casa Fabergé

1907

A moldura foi feita na oficina de Henrik Wigström, que em 1900 foi responsável pela execução das ordens mais importantes recebidas pela Casa Fabergé. O retrato da princesa Zinaida Iussúupova, representante de uma das famílias aristocráticas mais antigas e ricas da Rússia, foi pintado por Vassíli Zuev, um artista da Casa Fabergé (curiosidade: a princesa Iussúpova era a mãe de Felix Iussúpov, um dos conspiradores por trás do assassinato de Grigóri Raspútin).

Todos os itens mostrados nesta reportagem podem ser vistos na exposição “Fabergé e outros Joalheiros da Corte” que fica em cartaz no Museu Histórico do Estado da Rússia, em Moscou, até 30 de abril de 2020.

LEIA TAMBÉM: 5 curiosidades sobre a Grande Coroa Imperial, o objeto mais caro da família Romanov

Autorizamos a reprodução de todos os nossos textos sob a condição de que se publique juntamente o link ativo para o original do Russia Beyond.

Mais reportagens e vídeos interessantes na nossa página no Facebook.
Leia mais

Este site utiliza cookies. Clique aqui para saber mais.

Aceitar cookies