Estas bonequinhas siberianas vão simplesmente derreter seu coração (FOTOS)

Irina Verhgradskaia, de Novosibirsk, produz pequenas esculturas de pessoas e utensílios domésticos para descrever as cenas do cotidiano russo. E mesmo trabalhando com uma escala minúscula, consegue transmitir as emoções mais fortes.

Infância nas décadas de 1950 e 60

Desde a infância, Irina gosta de costurar bonecas e fazer roupas para elas. Mas, nos últimos 15 anos, ela vem trabalhando com materiais mais complexos. Ela acredita que as pequenas esculturas de plástico parecem muito mais realistas.

“Cada figura não é apenas uma boneca, mas uma pessoa com seu próprio destino, que compartilho com meu personagem, enquanto os crio”, diz Irina.

Na varanda

A artista produz personagens literários e históricos, bem como modelos de figurinos nacionais e situações ligadas a gênero.

Penhorista de “Crime e Castigo”, de Dostoiévski

Tudo é pensado nos mínimos detalhes – seja um traço, uma toalha quadriculada queimada por uma panela quente...

“O luto do Fiodora”, um conto de Kornei Tchukóvski sobre a louça que decidiu deixar sua dona

...ou um logo pequeno em uma embalagem de chá.

Jantar de sábado

Os bonecos em miniatura de Irina são pessoas comuns, com suas preocupações diárias, alegrias e tristezas.

Observação de pássaros

Algumas das cenas são tiradas da infância de Irina: por exemplo, ela se lembra de como a mãe costurou um vestido para uma festa de Ano Novo – e a artista descreveu essa recordação abaixo.

Princesa da mamãe

Ou uma avó, que conversa com uma foto de sua neta por estar longe dela. A precisão dos detalhes impressiona: tudo parece mais realista – o guarda-roupa antigo, o novelo de lá, o doce e até o calendário destacável. 

Conversando com a neta

Irina é especialmente habilidosa em fazer bonecos de idosos. Sua série mais emocionante, “Meus queridos velhinhos”, representa como as pessoas idosas costumam viver hoje em dia, com todos os detalhes da casa.

Em uma casa de repouso. Após receber presentes

Algumas imagens fazem os observadores se emocionarem e até chorarem – é assim que muitos usuários de redes sociais reagem às obras de Irina.

Em uma casa de repouso. Outono
Enjeitado

Irina tem muito a contar sobre as histórias por trás de suas estatuetas. Por exemplo, certa vez encontrou um volume de “Vicomte de Bragelone”, de Alexandre Dumas, que pertencia a um casal de idosos. O livro parecia um pouco gasto, como se tivesse sido lido e relido diversas vezes. E Irina inventou uma cena em sua mente: uma senhora descascando batatas, enquanto o marido lia seu romance favorito em voz alta.

Cena imaginada de “Vicomte de Bragelone”, de Alexandre Dumas

Uma de seus obras favoritas do autor é “O dia mais feliz”: esta é a cena em que a noiva de vestido branco está abraçando sua avó.

“O dia mais feliz”

Irina admite que seu trabalho tem uma forte carga emocional e, por isso, nem sempre é fácil fazê-lo. “Às vezes, preciso parar para se acalmar”, conta.

Veterano de guerra

Irina dedicou várias cenas ao Dia da Vitória da Segunda Guerra Mundial – uma vez que este dia é extremamente importante para as gerações mais velhas na Rússia.

Véspera do Dia da Vitória

Irina se diz satisfeita quando lê comentários e recebe feedback sobre suas obras.

No terraço

Muitas pessoas agradecem a Irina, compartilhando suas impressões e explicando a ela que, depois de verem seu trabalho, correram para ligar para seus avós.

Depois de um banho
Irina com boneca à sua própria imagem

LEIA TAMBÉM: Boneca russa é só matriôchka? Reveja seus conceitos... 

Autorizamos a reprodução de todos os nossos textos sob a condição de que se publique juntamente o link ativo para o original do Russia Beyond.

Mais reportagens e vídeos interessantes na nossa página no Facebook.
Leia mais

Este site utiliza cookies. Clique aqui para saber mais.

Aceitar cookies