10 curiosidades sobre o balé mais mágico da Rússia, ‘O Quebra-Nozes’

Natalia Ierchova no papel de Macha e Ivan Oskorbin como Quebra-Nozes em cena do balé coreografado por Igor Zelenski para o Teatro de Ópera e Balé de Novossibirsk, em 2013.

Alexandr Kryazhev/Sputnik
História foi escrita originalmente em 1844 e transformada em balé por Tchaikovsky quase 50 anos depois, em 1892.

A história original de “O Quebra-Nozes” era parte de uma série de contos de fadas escritos pelo alemão E.T.A. Hoffman que foi publicada em Berlim, em 1816. Alexandre Dumas criou uma versão dela em francês em 1844.

Quase 50 anos mais tarde, em 1892, Piotr Tchaikovsky transformou a história na base de um balé coreografado pelo lendário Marius Petipa. Até hoje, “O Quebra-Nozes” é um dos balés mais populares do mundo.

  1. Burocrata do governo teve a ideia de transformar história em balé

Ivan Vsevolojski, diretor dos Teatros Imperiais de São Petersburgo, foi quem pensou pela primeira vez em usar a história da menina e do quebra-nozes na produção de um balé. Nas primeiras apresentações do balé, ele foi exibido em um único programa junto com a ópera de Tchaikovsky “Iolanta”.

  1. Estreia ocorreu em 18 de dezembro de 1892 no Teatro Marínski, em São Petersburgo
Cena do balé ‘O Quebra-Nozes’, de Piotr Tchaikovsky, no Teatro São Petersburgo, 1892.

Os papeis foram interpretados por alunos da escola teatral dos Teatros Imperiais. Tanto os papeis menores - como os das crianças na festa de Natal, que eram apropriadas para a idade dos alunos -, como os papeis principais, como a Fada Açucarada, eram interpretados pelos alunos. Todos os artistas receberam uma cesta de chocolates de Tchaikovsky, e o balé iniciou uma nova tradição – a de se usar dançarinos infantis no palco.

  1. Heroína é conhecida por inúmeros nomes
A bailarina Nina Timofeieva e Ígor Uksusnikov em cena de “O quebra-nozes”.

Maritchen, Marie, Macha, Clara... Ao longo do último século, o nome da heroína que salva o príncipe quebra-nozes mudou muitas vezes. No começo, seu nome era alemão, seguindo suas origens literárias. Na Rússia, a heroína foi rebatizada de Macha após a Primeira Guerra Mundial.

  1. Na estreia de ‘O Quebra-Nozes’, ocorreu também outra estreia
Teatro Estatal de Leningrado de Ópera e Balé “Kirov” (hoje, rebatizado como Teatro Marínski). Raíssa Strutchkova no papel de Macha, em 1954.

Tchaikovsky levou, em segredo, uma celesta de Paris até a Rússia e tocou para o público na estreia. A celesta é um instrumento semelhante a um piano, mas que tem placas metálicas ao invés de cordas.

  1. Música e história doces são retratadas com dança difícil e técnica
Maria Semionova faz a Princesa e Aleksêi Iermolaev, o Quebra-Nozes. Cena do balé no Teatro Estatal Acadêmico Bolshoi. Foto tirada em 1939.

O papel principal do segundo ato de “O Quebra-Nozes” foi para a Fada Açucarada. Mesmo 100 anos atrás, o papel exigia a execução de 16 fouettes no palco. A primeira dançarina a fazê-lo em um palco russo foi a prima-donna italiana Antonietta Dell'Era.

  1. Quase 150 figurinos diferentes são usados ​​na versão clássica de ‘O Quebra-Nozes’

O bailarino Leonid Sarafanov como o Quebra-Nozes no Teatro Mikhailovski.

Ekaterina Maksimova, como Marie, e Vladímir Vassiliev, como Príncipe Quebra-Nozes em cena de balé de Piotr Tchaikovsky no Teatro Bolshoi em 1973.

Há muitos papeis pequenos em “O Quebra-Nozes” - flores, brinquedos, soldadinhos de brinquedo, flocos de neve, fadas e camundongos – que levam figurinos especiais, além dos papeis principais.

LEIA TAMBÉM: Ortodoxos russos celebram Natal neste domingo

São necessários mais de 50 funcionários de bastidores para preparar este pequeno exército. Para uma performance de dança eficaz, nada menos que 20 crianças dançando como flocos de neve são necessárias.

7. A performance de ‘O Quebra-Nozes’ considerada como um padrão perfeito foi a produção de 1966 de Iúri Grigorovitch, no Teatro Bolshoi

Os papéis de Masha e O Príncipe foram interpretados com uma emoção que era mais do que profissional - eles foram interpretados pelo casal estrelando o balé russo, Ekaterina Maximova e Vladimir Vasiliev. De acordo com Grigorovich, o Quebra-Nozes de Vasiliev era o herói ideal do conto de fadas, e Maximova amadureceu, no verdadeiro sentido da palavra, de um Floco de Neve para o Masha.Video by YouTube

  1. Após Revolução de 1917, o Quebra-Nozes tornou-se produto para exportação
Cena de “O Quebra-Nozes”, de Nacho Duato, no Teatro Mikhailovski.

Na “Coleção Sergueev”, há, por exemplo, 27 scripts de valor inestimável que descrevem a produção de Marius Petipa de “O Quebra-Nozes”. A coleção, composta de anotações coreográficas, músicas, decoração e figurinos, programas de teatro, fotos e outros materiais que descrevem as produções nos Teatros Imperiais de São Petersburgo, foram retirados da União Soviética por Nikolai Sergueev, diretor da trupe de balé no Marínski. A coleção hoje é mantida na Universidade de Harvard.

  1. ‘O Quebra-Nozes’ foi apresentado 500 vezes no Teatro Bolshoi
Cena de O Quebra-Nozes no Teatro Bolshoi durante a era soviética.

O sucesso de “O Quebra-Nozes” no exterior deve-se principalmente ao coreógrafo russo-americano George Balanchine, que criou uma produção para o New York Ballet, em 1954. Em 1993, a versão foi transformada em filme. O papel do príncipe foi interpretado por Macaulay Culkin, aluno da Balanchine Ballet School.

  1. Após a produção de Balanchine, uma verdadeira febre de “O Quebra-Nozes” tomou o mundo
A dançarina Oksana Bondareva como Macha em cena de “O Quebra-Nozes” no Teatro Mikhailovski.

Cena do Quebra-Nozes no Teatro Mikhailovski.

Alunos da Academia de Balé Vaganova apresentam “O Quebra Nozes” no Teatro Marínski, em São Petersburgo.

Publicado originalmanete pelo portal Cultura.Ru.

Todos os direitos reservados por Rossiyskaya Gazeta.

Autorizamos a reprodução de todos os nossos textos sob a condição de que se publique juntamente o link ativo para o original do Russia Beyond.

Mais reportagens e vídeos interessantes na nossa página no Facebook.
Leia mais

Este site utiliza cookies. Clique aqui para saber mais.

Aceitar cookies