Contra selfies, artista espalha o próprio rosto em gesso por prédios de São Petersburgo

Segundo Vladimir Abikh, que retomou tradição de elementos decorativos tipo mascarão, é preciso alertar contra frivolidade dos dias de hoje.

Você sabe o que é mascarão? É um elemento decorativo arquitetônico que se parece com a cabeça de um humano ou animal, e não tem nada em comum com gárgulas assustadoras. Pelo contrário, geralmente têm um significado romântico ou cômico.

O artista russo Vladimir Abikh decidiu reviver a tradição de colocar rostos nas fachadas, que era popular na Rússia do século 18. Há algum tempo, ele vem instalando seu rosto moldado em gesso nos prédios de São Petersburgo, “sem esconder o fato de que egoísmo é muitas vezes a força motriz de um artista”.

“Mas cometer esse ato no momento atual não parece ser possível. O processo histórico entrou em um nível de supervelocidade”, diz Abikh em seu manifesto.

Segundo o artista, as novas tecnologias, a internet e o vício em selfies não permitem a formação de tendências históricas e significados maiores.

“Camadas históricas de grande escala, que precederam a era pós-industrial, deram lugar à história do Instagram”, lê-se no manifesto.

É por isso que, para o artista, o melhor caminho possível para a imortalidade é por imitação, deixando seu rosto no conjunto arquitetônico da cidade.

Leia também "Com Fendi e Yves Saint Laurent no currículo, russo produz arte com cirílico".

Quer receber as principais notícias sobre a Rússia em seu e-mail? 
Clique 
aqui para assinar nossa newsletter.

Autorizamos a reprodução de todos os nossos textos sob a condição de que se publique juntamente o link ativo para o original do Russia Beyond.

Mais reportagens e vídeos interessantes na nossa página no Facebook.
Leia mais

Este site utiliza cookies. Clique aqui para saber mais.

Aceitar cookies