Palhaços russos protestam contra ‘It’; filme bate recordes no país

Cena extraída do filme "It"
Apesar dos apelos na Rússia para proibir a nova adaptação de “It”, inspirado no livro de Stephen King, o filme tem batido recorde de bilheteria no país. Além disso, os psiquiatras garantem que não há motivos para preocupação.

O filme norte-americano “It” lidera a bilheteria russa, e na terça-feira (19), quase duas semanas após seu lançamento no país, o longa já atraiu mais de 1,5 milhão de espectadores aos cinemas, arrecadando um montante de 417,4 bilhões de rublos (US$ 7,3 bilhões) com a venda de ingressos, de acordo com o site kinobusiness.com.

No entanto, a nova adaptação para as telonas do livro homônimo de Stephen King, que apresenta um palhaço assassino, enfureceu a comunidade internacional de palhaços, inclusive russos.

Alguns chegaram a realizar protestos contra o lançamento do filme no país, argumentando que a obra descredibiliza a profissão.

No dia de estreia, por exemplo, palhaços de São Petersburgo protestaram do lado de fora da Assembleia Legislativa municipal e emitiram uma declaração conjunta pedindo às autoridades que banissem o filme.

Protesto de palhaços em São Petersburgo. No cartaz, lê-se:

“Nós, palhaços com 30 anos de experiência, acreditamos que tais filmes ‘artísticos’ desacreditam nossa profissão e ferem os sentimentos de todos os palhaços em nosso país. Não vimos o filme, mas, ainda assim, achamos que esse retrato distorce a imagem positiva do palhaço como um personagem amável, inteligente e honesto”, escreveram os profissões no comunicado.

O deputado na região russa de Sverdlovsk Anatóli Martchevski, que já atuou como palhaço, também reforçou o coro da proibição. “Não se deve manchar algo que esteja associado com alegria, festas e gentileza”, disse.

Embora pouco expressivos, protestos tiveram apoio de alguns legisladores

Apesar do apoio demonstrado por outros profissionais da classe, algumas figuras da classe artística saíram em defesa do longa norte-americano.

O cineasta russo Aleksêi Fedortchenko, por exemplo, alegou que a mesma “lógica absurda” poderia ser aplicada a filmes como “O Massacre da Serra Elétrica” em relação a lenhadores.

“Se algum assunto retratado em um filme como fonte de perigo leva ao pânico, então teríamos uma grande variedade de fobias, porque nos filmes qualquer coisa pode ser retratada dessa maneira – aviões, maníacos, mortos e etc.”, disse ao canal RT o psiquiatra clínico  Andrêi Kameniukin.

“Um filme por si só não causará medo – para isso, é preciso ter uma certa tendência para as fobias que causam esse desenvolvimento”, acrescentou.

Em resposta às preocupações e críticas sobre sua história, Stephen King não se desculpou por escolher um palhaço como o personagem maligno de seu livro. “As crianças sempre tiveram medo de palhaços”, escreveu em seu Twitter.

“Não recriminem os mensageiros pela mensagem”, arrematou.

Palhaça é notificada por realizar protesto não autorizado

Autorizamos a reprodução de todos os nossos textos sob a condição de que se publique juntamente o link ativo para o original do Russia Beyond.

Leia mais