3 armas da Otan usadas pelo Serviço Federal de Segurança da Rússia; veja fotos

Vitaly V. Kuzmin/vitalykuzmin.net
Exército, polícia e serviços especiais russos não costumam usar armas estrangeiras. Mas há exceções...

As unidades das Forças Especiais russas têm o direito de adquirir todos os tipos de armas de fogo e acessórios táticos disponíveis no mercado de armas. Assim, quase todas as armas são adquiridas pela agência governamental, mas, às vezes, os oficiais compram armas com capital próprio.

Um instrutor das Forças Especiais russas que não quis ser identificado contou ao Russia Beyond que armas fabricadas nos países da Otan são populares entre os oficiais dos Serviços Especiais russos.

Glock 17

"A questão mais importante sobre uma pistola são seus recursos. Em outras palavras: é importante quantos tiros uma pistola pode dar. Por essa razão, as Glock austríacas são amplamente utilizadas nas unidades russas — elas são as mais confiáveis e acessíveis no mercado", explica o instrutor.

Por exemplo, uma pistola Makarov ou Yaríguin, usadas pelo exército e polícias russos custam cerca de US$ 300 cada e podem disparar 4.500 tiros garantidos. Para efeitos de comparação, uma Glock 17 custa cerca de US$ 2 mil na Rússia, mas pode disparar até 300 mil tiros garantidos.

"Perguntei a gerentes de uma fábrica militar russa por que eles produzem uma pistola que dura apenas duas semanas de treinamento em um campo de tiro. Eles responderam que estudos da Segunda Guerra Mundial mostraram que, em média, um soldado não vive mais do que 2 a 3 meses no campo de batalha. Durante esse período, uma pessoa não pode fazer mais do que 4 500 disparos", relata o instrutor.

"Assim, decidimos interromper todas as negociações com a empresa e decidimos gastar dinheiro na compra de Glocks austríacas para nossas unidades".

As pistolas são um problema na Rússia há décadas. Nos últimos anos, a Kalashnikov Concern criou uma nova pistola MPL para atender às necessidades das unidades das Forças Especiais. "Planejamos comprar o primeiro lote dessas pistolas para testes. Se gostarmos, usaremos as MPL junto com as Glocks", completou.

MR308

"Na maioria dos casos, usamos fuzis de assalto AK em nossas operações. Eles são confiáveis e os novos modelos são bastante ergonômicos. No entanto, diversos oficiais usam fuzis baseados no AR-15. Eles amam especialmente os MR308, produzidos na Alemanha", diz.

O MR308 é muito preciso e tem uma mecânica melhor, em comparação com todos os outros rifles de assalto no mercado. O MR308 é perfeito para atirar em alvos a distâncias de até 600 metros. "Esse fuzil pode ser comparado com um bisturi de cirurgião: é uma arma adequada apenas para circunstâncias especiais", explica.

O AK, por outro lado, é a melhor arma para um soldado, já que é inquebrável e não requer nenhum tratamento especial.

Fuzis de precisão Mannlicher

"O Mannlicher é como um AK no mundo de rifles de precisão. Suas armas são confiáveis e baratas. Eles têm características médias em comparação com outros rifles de precisão estrangeiros, mas são melhores em comparação a todos os fuzis de precisão produzidos na Rússia nos anos 1990 e no início dos anos 2000", diz o instrutor.

"Nossas unidades são equipadas com Mannlichers de calibre de .308 Win. Cada rifle custa cerca de US$ 5.650. Eles não são tão sofisticados quanto os fuzis de precisão de US$ 500 mil, mas disparam perfeitamente três tiros lado a lado em um alvo de 20 a 30 cm a distâncias de 300 metros", completou.

Nos últimos anos, as fábricas privadas russas de armas apresentaram uma série de novos rifles de precisão, entre eles o DVL-10M3, TSVL-8, ORSIS T-5000 etc. Essas armas foram adquiridas pelo Serviço Federal de Segurança da Rússia (FSB, na sigla em russo, órgão que substituiu a KGB) e são usadas pelas unidades que protegem políticos e figuras importantes, incluindo o presidente russo.

LEIA TAMBÉM: Por que os compradores estão fazendo fila para o caça a jato leve russo “Checkmate”?

Autorizamos a reprodução de todos os nossos textos sob a condição de que se publique juntamente o link ativo para o original do Russia Beyond.

Mais reportagens e vídeos interessantes na nossa página no Facebook.
Leia mais

Este site utiliza cookies. Clique aqui para saber mais.

Aceitar cookies