Por que os compradores estão fazendo fila para o caça a jato leve russo “Checkmate”?

Serguêi Karpúkhin/TASS
O desenvolvimento da caça de combate de 5ª geração Checkmate foi anunciado pela primeira vez na metade de 2021 e só estará pronto para exportação em 2026. Mas o interesse entre os estrangeiros já é grande.

A United Aircraft Corporation está trabalhando no desenvolvimento do primeiro caça a jato monomotor da Rússia, chamado ‘Checkmate’, cujo preço promete ser acessível - US$ 30 a 35 milhões. O baixo custo, assim como as considerações políticas, permitem com que diversos países que atualmente não podem adquirir caças de 5ª geração enfim o façam.

Um protótipo da aeronave está em exibição no Salão Aeronáutico de Dubai, que acontece nos Emirados Árabes Unidos até esta sexta-feira (19). O caça está sendo exibido pela corporação estatal Rostec em um pavilhão fechado ao público. Entre os interessados ​​que assistiram à apresentação da aeronave estava o xeque Mohammed Bin Rashid Al Maktoum, primeiro-ministro dos Emirados Árabes Unidos e emir de Dubai. 

Quase impossível

Checkmate no MAKS-2021

No momento, o único caça de 5ª geração realmente procurado no mercado internacional de armas é o norte-americano F-35 ‘Lightning’. É empregado pelas forças aéreas de nove países, além dos EUA - Austrália, Grã-Bretanha, Holanda, Dinamarca, Israel, Itália, Noruega, Coreia do Sul e Japão. O F-35 é dotado de todos os recursos característicos de 5ª geração: radar stealth, voo supersônico, uma gama moderna de aviônicos a bordo, uma relação empuxo-peso aprimorada e compartimentos para armazenar armas dentro da fuselagem. 

Um dos extras opcionais do F-35 é a capacidade de decolagem e aterrissagem vertical, algo que torna possível, por exemplo, utilizar o avião em navios de assalto anfíbios multifuncionais cujo convés é muito curto para permitir a decolagem de aeronaves convencionais. De certa forma, o ‘Lightning’ norte-americano é capaz de aumentar substancialmente as capacidades de combate da força aérea de qualquer exército do mundo.

O ponto fraco do F-35 não tem a ver com o equipamento em si, mas com seu preço de mercado. De acordo com fontes abertas, o preço mínimo médio de uma unidade do avião é de US$ 80 a 100 milhões – se os exemplares de outros fornecedores ocidentais de aviação de combate servirem de referência, o preço pode ser ainda mais alto, chegando a US$ 150 milhões. Sob tais condições, apenas os países mais desenvolvidos, que dispõem de amplo orçamento de defesa, podem se permitir à aquisição do avião em quantidades significativas.

F-35B

Considerações políticas são outro fator que reduz substancialmente a acessibilidade do F-35. Por enquanto, os EUA só vendem o modelo para seus aliados formais ou países que, na opinião de Washington, se encontram enraizados em sua esfera de influência. Mas nem mesmo com os aliados tudo sai como esperado. A Suíça, que estava disposta a comprar F-35s, não foi capaz de fazê-lo, apesar de ter recursos suficientes e sua proximidade com os EUA. O país foi impedido por seus vizinhos europeus, que declararam que a decisão prejudicaria as empresas europeias que desenvolveram e fabricam o Eurofighter ‘Typhoon’.

Outro exemplo de obstáculo político imposto para as vendas do F-35 no mercado internacional é a questão envolvendo a Turquia. Depois de adquirir um lote de unidades do sistema de defesa aérea S-400 ‘Triumf’ da Rússia, Ancara foi informada pelos EUA que a Turquia seria impedida de adquirir o avião de combate de 5ª geração. O máximo que o lado norte-americano está oferecendo à Turquia é o caça de combate F-16 de 4ª geração.

Compra e manuntenção em conta

Considerando o cenário atual, se o ‘Checkmate’ russo entrar em produção em série em um prazo razoável, pode se tornar uma proposta realmente atraente no mercado mundial de aviação de combate, de acordo com o analista militar russo e diretor do Centro de Análise de Estratégias e Tecnologias (CAST) Ruslan Pukhov.

“O caça monomotor de 5ª geração, com seus modestos parâmetros anunciados em termos de preço de compra e custos operacionais apresentará, sem dúvida, uma perspectiva interessante para uma ampla gama de clientes e, acima de tudo, para aqueles que não podem adquirir o avião de combate americano F-35 por razões políticas. Consequentemente, poderia se tornar uma ‘porta de entrada para a 5ª geração’ para as forças aéreas de muitos países, cumprindo um papel semelhante ao que o F-35 atualmente desempenha para as forças aéreas dos aliados privilegiados dos EUA”, avalia Pukhov.

O especialista destaca que, além do preço de compra, os custos de operação do Checkmate (que, segundo os desenvolvedores, tem todas as características de um caça de 5ª geração) são bem menores que os do F-35 . “O projetista-chefe da aeronave tática leve afirmou que o caça ‘terá um sétimo do custo por hora de voo’ [US$ 4.500] do F-35 americano, que, no caso do último, é estimado em US$ 31.000-33.000 no momento”, afirma o diretor do CAST.

“O avião deve ser capaz de competir com o caça americano F-35 Lightning II e o sueco Saab JAS 39E/F Gripen NG [caça de 4ª geração], que são evidentemente vistos como os principais competidores do mercado no futuro previsível”, observa Pukhov.

De acordo com os desenvolvedores, o voo inaugural do primeiro protótipo do novo caça russo deve ocorrer em 2023; os modelos de desenvolvimento seguintes, ​​em 2024-25, e a conclusão dos testes estatais, em 2026. A entrega do primeiro lote dos novos aviões aos clientes deve então ocorrer no mesmo ano. A United Aircraft Corporation prevê a entrega e exportação de 300 aeronaves nos próximos 15 anos.

LEIA TAMBÉM: Rússia revela primeiro robô para operações militares em solo e missões em outros planetas

Autorizamos a reprodução de todos os nossos textos sob a condição de que se publique juntamente o link ativo para o original do Russia Beyond.

Mais reportagens e vídeos interessantes na nossa página no Facebook.
Leia mais

Este site utiliza cookies. Clique aqui para saber mais.

Aceitar cookies