10 curiosidades sobre o gato selvagem mais nervoso da Rússia

Getty Images
O manul simplesmente não suporta humanos. E ele tem seus motivos.

1. Ele ama a solidão

O manul (ou Gato de Pallas, nome que homenageia seu descobridor, o zoólogo prussiano do século 18 Peter Simon Pallas) é um dos animais mais introvertidos de todos. Eles são realmente difíceis de encontrar: vivem predominantemente nas estepes desabitadas de Zabaikalie e em partes da Mongólia que fazem fronteira com essa região. Eles também são avistados em algumas regiões da Ásia Central.

Solitários, eles vivem cada um em seu próprio território (que mede cerca de 4 quilômetros quadrados) e se encontram apenas durante a temporada de acasalamento, na primavera.

O manul também é uma espécie ameaçada de extinção e foi incluído no Livro Vermelho da Rússia e nas listas de animais ameaçados de extinção de outros países. Embora os especialistas acreditem que esses gatos tenham surgido há cerca de cinco milhões de anos, muito pouco se sabe sobre eles.

O número exato de manuls na natureza é difícil de dizer, já que ele se esconde tanto. Atualmente, estima-se que 3.000 manuls vivam na Rússia (acredita-se, porém, que na Mongólia eles sejam em maior número, de acordo com cientistas).

2. Muito compacto

Um gato doméstico normal pesa mais que um manul selvagem, cujos filhotes são tão pequenos que medem menos de 100 gramas. O manul adulto (de oito meses ou mais) pesa de 3 a 5 quilos.

Eles não são maiores do que gatos comuns, geralmente com cerca de 60 cm de comprimento, seguidos por uma cauda de 30 cm. Aliás, o nome científico do gato é Otocolobus manul, que significa "orelha horrorosa" - embora não vejamos nada de errado na orelha deles!

3. O gato mais fofo do mundo

Apesar de seu tamanho diminuto, os manuls ainda parecem bastante grandes, o que se deve a sua densa pelagem - a mais densa dentre todos os gatos. Cada centímetro quadrado de pele contém 9.000 fios de cabelo de até 7 cm de comprimento. Essa fofura permite que eles sobrevivam nas condições mais adversas.

4. Pesa o dobro no inverno

A sobrevivência de manuls depende de eles ganharem peso durante o outono. Os especialistas se referem a isso como “engorda”. Tudo se deve aos invernos inóspitos das estepes que eles habitam.

Além de as temperaturas caírem para até 50 graus Celsius negativos, há fortes ventos. E os manuls nunca hibernam: eles caçam o ano todo. Portanto, a única maneira de sobreviverem é armazenando gordura suficiente. O manul pode pesar 6 a 7 kg no inverno e sai o tempo todo atrás de comida.

5. Bom caçador

Como têm pelagem densa, os manuls são bastante lentos e preguiçosos, além de terem patas curtas que também tendem a afundar na neve. “Gracioso” é o último adjetivo que você usaria para descrever esse gato.

No entanto, eles são grandes caçadores. Sua camuflagem permite que eles se misturem à paisagem circundante e sejam furtivos ao atacar suas presas. 

6. Pupilas como as do leão

Embora os manuls não sejam imponentes em tamanho, eles têm o olhar mais expressivo entre os felinos de pequeno porte - em vez de pupilas verticais, suas pupilas são redondas, assim como as de grandes felinos predadores, como leões e tigres.

Ele as usa para preparar emboscadas repentinas contra pequenos roedores e perdizes. Aliás, se alguma de suas vítimas deixar para trás um abrigo confortável, o manul pode escolher se mudar para lá.

7. Ele vive onde for mais conveniente

Além de ocupar buracos de texugo e outros roedores, os manuls muitas vezes fixam residência em fendas de rocha. Mas eles também podem escolher lugares totalmente imprevisíveis.

A equipe do parque nacional "Daurski", em Zabaikalie, certa vez descobriu duas fêmeas que se estabeleceram em velhas colheitadeiras abandonadas em um campo cheio de ervas daninhas.

Além disso, no verão de 2021, os moradores de um vilarejo na Buriátia encontraram três gatinhos manul recém-nascidos em um palheiro perto de uma casa antiga. Ninguém entendeu qual a ideia da mãe ao escolher o local.

8. Eles não gostam de gente

O manul vive uma existência tão solitária que realmente nem mesmo tem inimigos naturais... exceto os humanos, é claro. Eles sofrem não só com a caça ilegal, mas também com a expansão da civilização e das atividades humanas.

Os gatinhos podem acabar envenenados ao ingerir um rato envenenado com pesticidas etc. Por este e outros motivos, o manul não confia nos humanos e raramente se deixa ver, preferindo se esconder — até no zoológico.

9. Nunca será animal de estimação

É impossível domesticar um manul, embora haja alguns raros casos de manuls cuidados por pessoas. Por exemplo, na Buriátia, moradores locais esperavam a chegada de zoólogos para tratar dos bichinhos e, enquanto isso, alimentaram três filhotes de manul com ração para gato e até os banharam.

Os bichinhos foram transferidos para a seção de animais raros do Zoológico de Moscou.“Os manuls não suportam de maneira algum que os toquem”, explica Irina Aleksietcheva, uma das funcionárias do zoológico.

Na reserva Daurski, alguns manuls foram encontrados abandonados e cuidados. Mas, assim que os gatinhos crescem o suficiente para se defenderem, eles deixam os pais humanos sem pensar duas vezes.

10. Manuls em zoológicos são todos “primos”

Existem cerca de 150 manuls em zoológicos em todo o mundo e quase todos eles têm algum grau de parentesco. Uma contribuição muito considerável para o estudo do comportamento desses gatos selvagens foi feita por cientistas dos zoológicos de Moscou e Novosibirsk.

Os primeiros membros da espécie surgiram na capital russa em 1949. Hoje eles são os mascotes do zoológico e do centro de reprodução de espécies raras. Os manuls nascidos em cativeiro em Novosibirsk também vivem hoje em zoológicos em Zurique, Poznan e Tallinn.

LEIA TAMBÉM: Os 7 animais mais resistentes ao frio russo (FOTOS)

Autorizamos a reprodução de todos os nossos textos sob a condição de que se publique juntamente o link ativo para o original do Russia Beyond.

Mais reportagens e vídeos interessantes na nossa página no Facebook.
Leia mais

Este site utiliza cookies. Clique aqui para saber mais.

Aceitar cookies