Rússia registra Sputnik Light, sua quarta vacina contra covid

Saman Abesiriwardana/Keystone Press Agency/Global Look Press
Primeira russa de dose única, vacina não competirá com as já existentes, sendo direcionada à rápida imunização de populações com curva acentuada de mortes e doentes e destinada principalmente à exportação.

Em 6 de maio, as autoridades médicas russas registraram uma vacina “leve” contra covid-19, batizada de Sputnik Light, de acordo a agência de notícias Tass. É a primeira vacina de dose única da Rússia e a segunda do mundo, atrás apenas da norte-americana Johnson & Johnson.

De acordo com os resultados de ensaios clínicos realizados na Rússia a partir de 8 de janeiro, a eficácia da vacina de dose único é de 79,4% a partir do 28º dia após a aplicação. A taxa de eficácia de quase 80% supera a de muitas vacinas que requerem duas injeções, segundo o Fundo de Investimentos Diretos da Rússia (FIDR), responsável pelo desenvolvimento e exportação das vacinas russas.

Segundo dados oficiais, porém, eficácia das vacinas de duas doses é mais alta: a Sputnik V tem eficácia de 91,6%; a mRNA-1273 (Moderna), de 94,5%; a BNT162b2, da Pfizer e BioNTech, de 95%. Apenas a AstraZeneca tem eficácia menor, de cerca de 70%.

De acordo com Aleksandr Ginzburg, chefe do Centro Gamaleya, que desenvolveu a vacina, a versão “leve” da vacina imuniza a pessoa em três semanas, mas ela também tem tempo de proteção menor, que dura entre 3 e 5 meses. Segundo ele, o principal objetivo da vacina será diminuir a mortalidade por covid-19 em países onde a média diária de mortos continua alta.

O presidente Vladimir Putin também destacou que a nova versão da vacina terá um efeito mais curto, mas possibilitará a vacinação de uma quantidade maior de pessoas.

Ferramenta de revacinação

O registro da Sputnik Light na Rússia não significa seu amplo uso no país, segundo o diretor do FIRD, Kirill Dmitriev. A Sputnik V continuará sendo a principal ferramenta de vacinação dos russos, enquanto a versão leve da vacina será destinada principalmente à exportação e custará menos de US$ 10 por dose.

"A Sputnik Light não é uma alternativa à Sputnik V, já que foi criada para ser uma solução a outros problemas", declarou o ministro da Saúde russo, Mikhail Murachko. O novo medicamento deverá ser destinado à rápida formação da imunidade em populações com alta de doentes e mortes e poderá ser usado para vacinar aqueles que já se recuperaram da infecção por coronavírus.

Segundo Ginzburg, a Sputnik Light é uma boa ferramenta "tanto para a vacinação inicial, como para revacinação da população" e "pode ser combinada com outras vacinas para aumentar sua eficácia".

Nove empresas russas já receberam autorização para produzir o Sprutnik Light. A vacina pode ser armazenada na forma congelada por seis meses e na forma líquida por um mês.

LEIA TAMBÉM: Produção da Sputnik V começará no Brasil antes mesmo de aprovação pela Anvisa

Autorizamos a reprodução de todos os nossos textos sob a condição de que se publique juntamente o link ativo para o original do Russia Beyond.

Mais reportagens e vídeos interessantes na nossa página no Facebook.
Leia mais

Este site utiliza cookies. Clique aqui para saber mais.

Aceitar cookies