Marinha russa receberá seu submarino mais potente até o final de 2020

Ministério da Defesa da Rússia
Embarcação do projeto 885M batizada de "Kazan" defenderá navios de patrulha e fronteiras da Rússia.

Os militares russos finalizarão os testes do novo e mais poderoso submarino russo "Kazan", do projeto 885M Iássen, até o final de 2020, segundo o Ministério da Defesa russo. O "Kazan" é o mais moderno submarino de múltiplas funções movido a energia nuclear da Rússia.

Segundo especialistas militares, o submarino poderá defender navios de patrulha, atacar embarcações e bases inimigas com mísseis de cruzeiro e desligar as comunicações inimigas com seu equipamento rádio-elétrico de última geração.  

O "Kazan" será o primeiro submarino russo equipado com um reator nuclear de quarta geração que deverá ter um núcleo para ser usado por 25 a 30 anos sem reabastecimento. O novo reator também permite reduzir significativamente o nível de ruído e o circuito de arrefecimento primário do reator utiliza a circulação natural da água — portanto, não requer um funcionamento contínuo das bombas de circulação.

"Esses submarinos nucleares são as armas tecnológicas mais secretas. Ele não é uma modernização das tecnologias submarinas da geração anterior, mas um submarino totalmente novo e diferente, com sistemas de mira e os mecanismos mais modernos", explica Vadim Koziullin, professor da Academia das Ciências Militares.

O submarino do projeto 885 pode transportar até 30 torpedos e minas subaquáticas. Uma parte deles podem ser instalado em contentores de transporte e de lançamento externos. De acordo com relatórios diversos, o preço do submarino será de cerca de US$ 500 milhões.  

A principal arma dos submarinos do Projecto 885/885M são os mísseis Kalibr-PL, que têm um alcance entre 300 km e 2.600 km. Esse míssil, que tem mais de 8 metros de comprimento e pesa quase 1,5 tonelada, é lançado através dos tubos de torpedo em submarinos. Segundos após o lançamento, o míssil descarta seu invólucro especial e emerge da água a uma velocidade superior a 3.000 km/h.

Devido aos materiais utilizados em sua fabricação, o míssil reflete pouca irradiação eletromagnética, evitando não só a sua detecção, como qualquer contra-ataque imediato.

"Será uma arma de precisão, altamente manobrável, sem contaminação radioativa da zona de ataque. Assim, após o impacto, as tropas terrestres poderão operar na área", completou Koziulin.

LEIA TAMBÉM: Quando marinheiros dos EUA enfrentaram ‘Ivan Louco’ debaixo d’água

Autorizamos a reprodução de todos os nossos textos sob a condição de que se publique juntamente o link ativo para o original do Russia Beyond.

Mais reportagens e vídeos interessantes na nossa página no Facebook.
Leia mais

Este site utiliza cookies. Clique aqui para saber mais.

Aceitar cookies