Cientistas russos querem reciclar plástico com ajuda de mariposas

Bennyboymothman/Visual Hunt
Larva do inseto é capaz de consumir polímeros.

Cientistas russos pretendem combater a proliferação de resíduos plásticos graças às capacidades da larva da mariposa da cera (Galleria mellonella).

A larva desse inseto, conhecida como traça-da-cera, costuma ser dor de cabeça para apicultores por se alimentar de cera de colmeia. Mas graças a uma enzima desenvolvida durante sua evolução, o bichinho é também capaz, de consumir polímeros, sobretudo o polietileno, material que representa quase a metade dos recipientes plásticos produzido hoje. Só para se ter uma ideia, em 10 ou 12 horas, 100 dessas larvas são capazes de devorar 100 gramas de plástico.

“Vamos obter o sequenciamento de DNA e tentaremos sintetizar essa enzima em institutos científicos. A partir da substância resultante, desenvolveremos uma solução com a qual será possível borrifar o lixo plástico e, assim, eliminá-lo”, explicou à agência RIA Novosti o pesquisador-chefe do laboratório de biotecnologia do Parque Tecnológico da Iakútia (Sibéria), Evguêni Popov.

Os cientistas planejam criar uma colônia de entre 100 mil e vários milhões de espécimes. A previsão é conclui o projeto já em 2021.

As vantagens do verme de cera foram descobertas simultaneamente, em 2017, por um investigador e apicultor italiano e cientistas da Universidade de Cambridge.

LEIA TAMBÉM: Abelhas-robôs russas surgem como promessa para salvar plantações

Autorizamos a reprodução de todos os nossos textos sob a condição de que se publique juntamente o link ativo para o original do Russia Beyond.

Mais reportagens e vídeos interessantes na nossa página no Facebook.
Leia mais

Este site utiliza cookies. Clique aqui para saber mais.

Aceitar cookies