Novos sistemas de artilharia entregues às Forças Armadas atingem alvo a 70 km com precisão

Vitaly V. Kuzmin/vitalykuzmin.net
Koalitsia-SV usa tecnologias de inteligência artificial.

No final de maio passado, as Forças Armadas russas receberam o primeiro lote dos novos de sistemas de artilharia autopropulsados Koalitsia-SV, que podem destruir tanques, blindados e sistemas de defesa antiaérea que estejam até 70 km de distância.

Segundo o comandante das Forças de Mísseis e de Artilharia da Rússia, tenente-general Mikhail Matvéievski, o novo sistema de artilharia é um grande passo em direção à robotização de equipamentos militares, uma vez que permite aumentar drasticamente a precisão das armas a longa distância.

“O novo sistema pode ser comparado a um fuzil de precisão, o desvio a uma distância de 70 km é de apenas 1 a  2 metros”, diz o professor da Academia das Ciências Militares, Vadim Koziúlin.

O Koalitsia-SV é o primeiro veículo de artilharia que tem blindagem para a tripulação, posicionada em uma cápsula especial. A torre do veículo, não tripulada, é coberta com uma camada de armadura adicional. Os projéteis são carregados automaticamente com a ajuda de um transportador.

“Além dos projéteis de estilhaços altamente explosivos, o sistema pode disparar projéteis de fragmentação e de perfuração de blindagem”, diz Koziúlin.

O canhão pode ser elevado a 45 graus para contornar obstáculos altos. Assim, o veículo é capaz de disparar tanto de posições escondidas, como também diretamente e em terrenos montanhosos.

“A equipe pode introduzir as coordenadas dos alvos no computador do Koalitsia-SV recebidas não apenas dos seus detectores, mas também de drones”, acrescenta.

Recorrendo a diferentes sistemas de navegação por satélite, como Glonass e GPS, o Koalitsia pode salvar até 10 conjuntos de coordenadas dos alvos na memória, e então realizar os disparos automaticamente.

LEIA TAMBÉM: As 10 superarmas que o Exército russo emprega no Ártico

Autorizamos a reprodução de todos os nossos textos sob a condição de que se publique juntamente o link ativo para o original do Russia Beyond.

Mais reportagens e vídeos interessantes na nossa página no Facebook.
Leia mais

Este site utiliza cookies. Clique aqui para saber mais.

Aceitar cookies