Rússia apresenta três novas armas para blindados russos

Os veículos de transporte de pessoal e de combate de infantaria receberão novos armamentos com calibre de 57 mm.

Durante o fórum internacional Army-2019, que aconteceu entre 25 e 30 de junho na região de Moscou, desenvolvedores apresentaram novos módulos de combate para blindados russos. As armas tradicionais de calibre de 30 mm serão substituídas por novos módulos de combate de 52 mm, com mais alcance e perfuração de blindagem.

As Forças Terrestres e Aerotransportadas são equipadas com três tipos de armas de disparo rápido desde os tempos soviéticos: 2A42, 2A72 e 2A38, de calibre 30 mm.

LEIA TAMBÉM: Bolívia quer substituir T-33 americanos por aeronaves russas 

“O poder das armas automáticas está crescendo”, diz o editor-chefe da revista Arsenal Otechestva”, Víktor Murakhôvksi, à TASS. “Os equipamentos de combate modernos podem resistir ao impacto de fragmentos de um projétil de calibre de 30 mm. A espessura da armadura aumentou, sobretudo na seção frontal.”

Kinjal

Um dos blindados apresentados foi o veículo de combate de infantaria BMP T-15 com o novo módulo de combate controlado remotamente Kinjal (equipado com canhão automático de 57 mm).  Sua cadência de tiro excede 80 tiros por minuto, e a velocidade inicial do projétil é de até um 1,5 quilômetro por segundo.

Essa arma é capaz de perfurar blindagem de até 120 mm a uma distância de 1,5 km.

Em abril passado, o diretor-geral da Companhia Industrial Militar, disse à RIA Novosti que o Kinjal também poderá ser o módulo de combate principal do novo veículo blindado de transporte de pessoal Boomerang. 

Baikal

Módulo de combate AU-220M Baikal, porém no veículo BRM-3K

O novo módulo de combate AU-220M Baikal, baseado no veículo de combate de infantaria BMP-3, é um complexo de artilharia antiaérea autopropulsado para Forças Terrestres. Esse canhão é capaz de disparar 120 projéteis por minuto até 12 km de distância. Além do canhão principal, o veículo também é equipado com a metralhadora PKTM com calibre de 7,62 mm, que é uma atualização profunda do AZP-57, desenvolvido ainda durante a Segunda Guerra Mundial.

“Essas armas aumentam a eficácia da defesa aérea contra alvos bem protegidos, como helicópteros de ataque”, explica Murakhôvski à Ria Nóvosti.

Segundo ele, ao contrário dos projéteis de 30 mm, os de 57 mm têm maior área de destruição por estilhaços, o que permite neutralizar alvos pequenos, como drones.

Mais cedo, o diretor-geral do Instituto de Pesquisa Petrel, Geôrgui Zakámennikh, declarou que o AU-220M pode ser instalado não apenas em equipamentos terrestres, mas também em aeronaves e navios da Marinha.

Epokha

A terceira arma de 57 mm foi instalada na nova versão do módulo de combate controlado remotamente Epokha (Época, em russo).

O Epokha recebeu a arma de assalto leve LshO-57, que foi projetado inicialmente como o lança-granadas automático leve para as Forças Aéreas.

No entanto, a primeira versão da arma não foi produzida em série e acabou sendo convertida em um sistema automático de artilharia para blindados. Além da LshO-57, o Epokha vem equipado com lançadores de mísseis antitanque Kornet.

“Os desenvolvedores estão posicionando a LShO-57 como um complexo de artilharia de balística moderada”, diz Murakhôvski à Ria Nóvosti.

“Esta arma é destinada à destruição de pessoal, pois é não muito eficaz contra veículos blindados. A produção em série da arma está no ar – desde o seu desenvolvimento passou-se muito tempo, e seu futuro ainda não está claro”, completa.

Autorizamos a reprodução de todos os nossos textos sob a condição de que se publique juntamente o link ativo para o original do Russia Beyond.

Mais reportagens e vídeos interessantes na nossa página no Facebook.
Leia mais

Este site utiliza cookies. Clique aqui para saber mais.

Aceitar cookies