5 recordes de aeronaves militares soviéticas

MIG 29

Global Look Press
Alguns deles não foram superados até a atualidade!

1. Il-2

Até hoje, o Iliushin Il-2 “Chturmovik” continua a ser a aeronave militar mais produzida da história. Este avião foi projetado no final da década de 1930 e foi produzido durante a Segunda Guerra Mundial para realizar ataques contra alvos terrestres. Foram construídos mais de 36 mil aviões Il-2.

A principal vantagem do avião era sua blindagem. Bombardeiros alemães como o Ju 87 Stuka tinham apenas uma blindagem leve. O projetista de aviação Serguêi Iliushin conseguiu criar uma fuselagem de aço que protegia o avião de fogo disparado a partir da terra. Assim, o Il-2 foi apelidado de "tanque voador”.

Mas o Il-2 era vulnerável a ataques de aviões de combate, já que a parte traseira do avião não tinha blindagem. No início da guerra, quando a Força Aérea Soviética não tantos aviões para cobrir os "tanques voadores" de ataques, as perdas de Il-2 foram enormes. Então, perdia-se um Il-2 a cada 10 missões de combate.

2. MiG-15

MiG-15

LEIA TAMBÉM: Russa reforma aeronave histórica abandonada; veja fotos

O MiG-15, projetado por Mikoián-Gurévitch (também grafado Mikoyan-Gurevich) no final da década de 1940, é o avião a jato mais produzido no mundo. Ele era fabricado não só na Rússia soviética, mas sob licença na Polônia, Tchecoslováquia e China. No total, foram construídas mais de 16 mil aeronaves, e o caça fez parte do arsenal de 40 países por mais de meio século.

Além disso, o MiG-15 é o avião de combate a jato mais pesado do mundo. O último MiG-15 foi aposentado apenas em 2006, na Albânia.

O avião foi amplamente utilizado na Guerra da Coreia, onde teve apenas um rival a sua altura: o F-86 Sabre dos Estados Unidos. O piloto soviético Evguêni Pepeliáiev, que pilotava o MiG-15 durante esta guerra destruiu mais de 20 aeronaves, entre elas, 18 Sabres.

3. MiG-21

Outro sucesso de  Mikoián-Gurévitch foi o supersônico mais difundido do mundo: o MiG-21. Na década dos 1960, este foi o avião mais rápido do mundo, capaz de voar a uma velocidade de até 2.388 km/h.

Apesar de sua fabricação em série ter se iniciado há mais de meio século, ele continua a ser produzido na China. Uma característica distintiva do MiG-21 é seu baixo custo.

Juntamente com o modelo anterior do MiG-21, ele também foi bem-sucedido nas batalhas no Vietnã. Este pequeno e manobrável caça se tornou um adversário de porte contra os norte-americanos “Phantom” de segunda geração.

Os EUA chegaram até mesmo a desenvolver uma tática especial de combate aéreo contra eles. Mas os pilotos vietnamitas se mantiveram fieis à tática soviética: posicionando-se como alvos a baixas altitudes, eles conseguiam ficar atrás dos aviões americanos, que atacavam com mísseis guiados e regressavam à base.

4. MiG-29

O MiG-29 é um caça utilizado em combate aéreo desenvolvido no início da década de 1970. Ele tem características únicas que permitem realizar manobras acrobáticas que nenhuma outra aeronave podia fazer antes de seu surgimento.

Em 1988, no Farnborough Airshow, os pilotos de um MiG-29 surpreenderam os espectadores ao realizar uma manobra "tailslide": algo nunca realizado anteriormente em um avião a jato.

5. Su-27

Su-27

O super-manobrável Sukhôi Su-27 foi projetado na mesma época que o MiG-29. Ele foi construído para missões de supremacia aérea e passou a ser empregado oficialmente em 1990.

Durante os testes da aeronave, em 1986, o piloto soviético Víktor Pugachev subiu a uma altura de 3.000 metros em apenas 25,4 segundos. Mais tarde, o piloto levou o Su-27 a uma altura de 12.000 metros em 58 segundos. Esses recordes ainda não foram quebrados.

Em 1989, Pugachov executou a complicada manobra "cobra" ou "Pugachev Cobra", no Le Bourget Air Show. Nela, o avião voa a uma velocidade moderada e levanta o nariz para posição vertical, voltando posteriormente até a posição normal. 

Quer receber as principais notícias sobre a Rússia em seu e-mail? 
Então assine nossa newsletter semanal ou diária.

Autorizamos a reprodução de todos os nossos textos sob a condição de que se publique juntamente o link ativo para o original do Russia Beyond.

Mais reportagens e vídeos interessantes na nossa página no Facebook.
Leia mais

Este site utiliza cookies. Clique aqui para saber mais.

Aceitar cookies