Russa reforma aeronave histórica abandonada; veja fotos

O Tu-104A em Berdsk. Foto de 2017.

O Tu-104A em Berdsk. Foto de 2017.

Aleksandr Listopad
Tu-104A ficou à própria sorte por 30 anos. Agora, ele está sendo restaurado e ganhou vida nova graças à cientista Maria Karmanova.

Como qualquer outra máquina, os aviões inevitavelmente são retirados de serviço. Alguns são enviados para reciclagem, outros, transformados em museus, e os menos afortunados são simplesmente abandonados em campos abertos destinados à decomposição, sob sol, chuva e neve.

Uma aeronave enferrujada em um pequeno aeródromo na Sibéria, perto da cidade de Novosibirsk, estava pronta para ser largada à própria sorte para se decompor, mas a jovem, Maria Karmanova, de 34 anos, resolveu lhe ajudar a ganhar vida nova.

Maria Karmanova.

Mas ela não é qualquer aeronave. Parte da lendária série da Aeroflot Tupolev Tu-104 e o primeiro avião de passageiros soviético a jato na frota aérea civil soviética, ela também se tornou símbolo da liderança tecnológica do país sobre o Ocidente.

O Tu-104 foi, por um breve período, o único avião a jato operacional do mundo, entre 1956 e 1958, e esteve em operação a todo vapor até o final da década de 1970.

O Тu-104А СССР-42382 no aeroporto britânico de Heathrow, em meados de 1959.

Em 2009, Karmanova, que é doutora em Matemática e pesquisadora-chefe no Instituto de Matemática Sobolev, em Akademgorodok (uma das "cidades científicas" russas), descobriu o avião abandonado em um aeródromo na cidade de Berdsk (a 36 quilômetros de Novosibirsk).

O Tu-104A com o número de registro CCCP-42382 estava enferrujando ali havia três décadas, e tinha sido enviado a Berdsk em junho de 1978. Em agosto do mesmo ano, foi aposentado após 20 anos em serviço.

“Frequentei muitas conferências no exterior e acabei me apaixonando por entrar em aviões e pela aviação em geral. Quando encontrei este Tu-104A em Berdsk e tive a oportunidade de entrar na cabine, fui imediatamente para lá”, disse Maria ao Russia Beyond.

Mas Maria ficou desapontada com o estado do avião. Ele estava sendo usado como depósito na época, e a cabine estava cheia de roupas velhas, caixas, pilhas de papeis etc.

Muitas partes da aeronave também estavam faltando ou danificadas, e o rádio e os sistemas de navegação tinham sido destruídos.

O Tu-104A de Berdsk. Foto de 2017.

“Fiquei pensando que a aeronave merecia estar em um estado muito melhor. Por isso, decidi restaurá-la e deixá-la o mais perto possível do estado em que estava quando chegou a Berdsk. Eu também estava interessada em aprender mais sobre sua história e encontrar o vídeo de sua chegada em Berdsk”, conta Maria.

Ela não tinha qualquer experiência em restaurar aeronaves, mas tomou para si este  desafio. Como cientista, ela tinha experiência em pesquisa e em resolver problemas com muitas incógnitas.

Maria reuniu o máximo de literatura possível, leu tudo e contatou capitães que tivessem experiência em pilotar o Tu-104. Ela buscou as peças que faltavam on-line e em mercados de segunda mão, consertando a aeronave peça por peça.

Encontrá-las não foi tarefa fácil. “Este é foi principal desafio. Se a mesma aeronave for produzida por diferentes fábricas, as peças podem ser diferentes ”, explica.

Maria deixa notas para especificar quais peças estão faltando. Foto do painel do capitão de 2009.

Painel do capitão restaurado por Maria em 2017.

Desde 2009, Maria e outros entusiastas que se interessaram pelo projeto fizeram verdadeiros progressos na reforma da aeronave, e chegaram até mesmo a encontrar o histórico vídeo de seu derradeiro voo (assista aqui)!

“A principal parte do equipamento da cabine foi restaurada. Agora, nosso objetivo é fazer tudo funcionar: iluminação, rádio, intercomunicação. Além disto, também precisamos encontrar tudo o que ainda está faltando. Ainda estamos buscando, por exemplo, uma roda de controle esquerda original”, diz Maria.

Espaço de trabalho do operador de rádio, 2017.
Cabine do navegador. Foto de 2017.

A cabine também está sendo reformada. No ano passado, a equipe de Maria encontrou e consertou dois assentos dos anos 1950 e 10 dos anos 1970, substituiu o isolamento e achou painéis de iluminação originais para a cabine.

O salão da aeronave. Foto de 2017.

"Quase 95% dos equipamentos foram comprados por mim mesma. Agora temos uma pequena equipe de pessoas que pensam da mesma forma e muitas vezes recebemos ajuda de outros interessados em nosso projeto. Às vezes, as pessoas vêm em grupos e ajudam bastante com trabalho ”, conta.

Amigos e colegas de Maria também apoiam o projeto. "Todo mundo gosta, eles tiram fotos dentro do avião e com ele ao fundo. O interesse é sempre muito favorável", diz.

Painel da frente. Foto de 2017.

Imaginar que este avião será capaz de voar novamente é exagero, é claro. Maria continua a sonhar, mas por enquanto ela está focada apenas em reformar a aeronave.

Levá-la aos céus exigiria muito dinheiro, inspeções, autorizações e trabalho técnico.

“Por enquanto, o plano é transformá-la em um museu onde tudo funcione”, conclui.

OTu-104A em Berdsk. Foto de 2010.

Já conhecia o Tu-104A? Então descubra outros projetos incríveis (e desconhecidos) da aviação soviética.

Quer receber as principais notícias sobre a Rússia em seu e-mail? 
Clique 
aqui para assinar nossa newsletter.

Autorizamos a reprodução de todos os nossos textos sob a condição de que se publique juntamente o link ativo para o original do Russia Beyond.

Leia mais
Mais reportagens e vídeos interessantes na nossa página no Facebook.