Órgãos impressos em 3D no espaço funcionam melhor, dizem cientistas

Getty Images
Especialistas planejam imprimir tecidos humanos e uma glândula tireoide em 3D. Segundo eles, células serão melhores e mais viáveis ​​do que as criadas na Terra.

Na próxima quinta-feira (11), uma missão portará à Estação Espacial Internacional (ISS, na sigla em inglês) uma nova impressora 3D desenvolvida pela startup russa 3D Bioprinting Solutions.

A expectativa é que os órgãos humanos impressos em 3D em microgravidade funcionem melhor graças a uma estrutura mais precisa. Também deverão ser menos propensos a rejeição pelo corpo, afirmam os especialistas envolvidos.

“A microgravidade pode nos ajudar a obter bioamostras com uma porcentagem maior de células viáveis”, diz Dmítri Serin, vice-chefe do centro de ciência e tecnologia da corporação Enérguia. “As células em crescimento sofrerão menos pressão no espaço.”

A impressora 3D tem o tamanho de duas palmas humanas e pesa cerca de 10 kg.

No entanto, a 3D Bioprinting Solutions, que já criou uma glândula tireoide para camundongos em seu laboratório de Moscou, enfrentará na microgravidade um ambiente totalmente diferente. Sem a conexão com a qual os cientistas estão acostumados na Terra, será necessário maior controle da temperatura operacional da máquina. Ainda assim, os cientistas acreditam que o esforço vale a pena. 

Fábrica de órgãos no espaço

No futuro, Serin acredita que possa ser estabelecido um novo módulo ISS onde tecidos e órgãos serão impressos. “As naves espaciais podem trazer células humanas para a órbita e retornar à Terra com órgãos impressos que as pessoas estão esperando há muito tempo de doadores”, explica Serin.

Há muitos problemas a serem resolvidos, no entanto, antes que os seres humanos na Terra comecem a receber transplantes impressos em 3D. “As amostras podem ser afetadas por diferentes condições de espaço durante o voo”, explica Stanislav Petrov, engenheiro de design da Enérguia. A radiação é a mais comum e perigosa delas.

LEIA TAMBÉM Você tem preparo físico para ser um cosmonauta? 

O dispositivo desenvolvido pela empresa 3D Bioprinting Solutions não é, entretanto, o primeiro no espaço. A startup norte-americana Made is Space introduziu a primeira impressora espacial 3D na ISS em 2014 e adicionou uma segunda em 2016.

Até recentemente, a empresa imprimia sobretudo materiais não orgânicos, como fibras óticas. Em agosto, a Made is Space se uniu à startup Allevi, também dos EUA, que já é capaz de imprimir biomateriais em microgravidade.

Quer receber as principais notícias sobre a Rússia em seu e-mail? 
Então assine nossa newsletter semanal ou diária.

Autorizamos a reprodução de todos os nossos textos sob a condição de que se publique juntamente o link ativo para o original do Russia Beyond.

Mais reportagens e vídeos interessantes na nossa página no Facebook.
Leia mais

Este site utiliza cookies. Clique aqui para saber mais.

Aceitar cookies