As principais pistolas russas do século 20

Armas de fogo foram cruciais em conflitos internos e externos – e até no espaço.

No final da Guerra Civil Russa (entre 1917 e 1922), o Exército Vermelho estava armado com o revólver belga Nagant, uma arma eficaz, porém ultrapassada, do século 18. Por isso, decidiu-se criar uma pistola que pudesse chamar de sua.

Na época, os engenheiros da URSS não tinham experiência em projetar armas de cano curto, motivo pelo qual levou anos para desenvolver uma pistola digna do Exército. Em 1927, a União Soviética lançou sua primeira pistola de calibre 6,35 mm. Chamava-se Korovin e foi distribuída entre os oficiais do Exército e os principais generais do país. Mas a arma logo demonstrou uma série de falhas que anteciparam a sua queda.

“Antes de mais nada, tratava-se de uma pistola pequena com punho curto. Era mais adequada para uma bolsa de mulher do que para o coldre de um oficial do Exército”, disse Dmítri Safonov, ex-analista militar do jornal “Izvêstia”, ao Russia Beyond.

Além disso, também ficou evidente que a pistola não era poderosa o suficiente em batalha, e os soldados da Rússia precisavam de mais poder de fogo.

Pistola TT-30

Os engenheiros russos decidiram se basear no calibre para munição de 7,63 mm da alemã Mauser. Foi graças a isso que, no início dos anos 1930, os soviéticos estavam armado com a famosa pistola TT-30. Seu design foi baseado em uma versão simplificada da pistola Brauning, e a TT-30 recebeu um poderoso cartucho de 7,62 x 25 mm que disparava a uma velocidade de 420 metros por segundo.

“Era possível perfurar árvores e acertar alguém escondido detrás delas. Era uma munição poderosa para a época”, acrescentou Safonov.

O calibre das pistolas Nagant e TT-30 eram similares, mas o poder de fogo da última era duas vezes maior devido à quantidade de pólvora usada.

“A TT-30 era uma arma confiável e atestada pelos soldados da URSS. Aliás, os gângsteres russos da década de 1990 também estavam armados com ela, uma vez que as pistolas TT-30 invadieam o mercado negro do país”, continuou o especialista.

No entanto, a arma não tinha modo de segurança, o que a tornava perigosa. Como era mais barato desenvolver uma arma inteiramente nova, nasceu a pistola Makarov.

Pistola Makarov

Após a Segunda Guerra Mundial, o Exército estava precisando de uma nova pistola adequada tanto para a polícia quanto para as tropas. Na década de 1950, os engenheiros criaram um novo calibre de 9 mm e uma nova pistola que imortalizaria seu criador na história das armas russas – a semiautomática Makarov, que, além de menor que a TT-30, pesava 810 gramas.

“Policiais e oficiais do Exército foram armados com a pistola Makarov. Nos anos 1970, aviadores recebiam essas armas durante os voos, depois de terroristas capturarem um avião civil que ia de Suhumi a Krasnodar”, disse Víktor Litovkin, especialista militar da TASS, ao Russia Beyond.

“O primeiro homem no espaço, Iúri Gagárin, levou uma pistola dessas a bordo em 12 de abril de 1962. É claro que não era para ele lutar contra alienígenas, mas para se proteger de animais selvagens se algo desse errado e ele caísse em algum lugar no meio da tundra em seu caminho de volta à Terra.”

No entanto, a arma tinha defeitos ergonômicos, o que a tornava inadequada para grupos de operações especiais. O punho da pistola era particularmente desconfortável e era difícil c trocar os carregadores com agilidade. “Também tinha um visor muito pequeno, por isso, era complicado ter controle total sobre a mira”, concluiu Litovkin.

Recentemente, um site destacou que a princesa Leia, de ‘Star Wars’, usa arma russa em longas da saga. Saiba mais

Quer receber as principais notícias sobre a Rússia em seu e-mail? 
Clique 
aqui para assinar nossa newsletter.

Autorizamos a reprodução de todos os nossos textos sob a condição de que se publique juntamente o link ativo para o original do Russia Beyond.

Mais reportagens e vídeos interessantes na nossa página no Facebook.
Leia mais

Este site utiliza cookies. Clique aqui para saber mais.

Aceitar cookies