Descoberta russa abre caminho para nova geração de tecnologia vestível

Lars Hagberg/Global Look Press
Substituição de material pode tornar dispositivos móveis mais flexíveis e resistentes.

Uma equipe de cientistas do Instituto Skôlkovo de Ciência e Tecnologia (Skoltech) descobriu um meio revolucionário de melhorar as propriedades elétricas e elétricas de nanotubos de carbono, abrindo caminhos para tecnologia vestível de próxima geração.

Os resultados de um estudo recente do Skoltech, publicado na revista científica ‘Carbon’, sugerem que os filmes feitos de nanotubos de carbono de parede única podem substituir seus homólogos de óxido de metal em eletrônicos.

Os filmes de óxido de metal transparente atualmente utilizados na indústria têm várias desvantagens em termos de reflexo, fragilidade e o custo de matéria-prima. Já os filmes de carbono de parede única, são flexíveis, duráveis ​​e quimicamente estáveis.

As características optoelétricas dos filmes de nanotubos de carbono, no entanto, precisam ser aperfeiçoadas, segundo a equipe do instituto russo. Para isso, os especialistas estão aplicaram o processo de “dopagem” – isto é, adição de impurezas químicas elementares para alterar as propriedades elétricas e óticas de um material.

“Usamos o cloreto de ouro por ser o dopante mais eficaz para os filmes de nanotubos de carbono de parede única”, explica o estudante de PhD do Skoltech, Aleksêi Tsapenko, autor principal do estudo. “Conseguimos melhorar as propriedades optoelétricas dos filmes ao otimizar as condições e o solvente da dopagem.”

O mercado háptico global (de dispositivos sensíveis ao toque) deverá crescer para US$ 20,4 bilhões até 2025, e “novos dispositivos precisam de novas soluções”, concluem os pesquisadores do Instituto Skôlkovo de Ciência e Tecnologia.

Recente, uma equipe de desenvolvedores e músicos russos inventou um aparelho que pode transformar sua casa em um estúdio de música profissional. Leia mais aqui. 

Quer receber as principais notícias sobre a Rússia em seu e-mail? 
Clique 
aqui para assinar nossa newsletter.

Autorizamos a reprodução de todos os nossos textos sob a condição de que se publique juntamente o link ativo para o original do Russia Beyond.

Mais reportagens e vídeos interessantes na nossa página no Facebook.
Leia mais