10 motivos para jamais visitar a Rússia

Por que visitar o maior país do mundo pode ser também a maior decepção.

1. Ferrovia Transiberiana

(Foto: Lori/Legion-Media)(Foto: Lori/Legion-Media)

Passar uma semana em um trem que percorre mais de 9.000 quilômetros e 8 fusos horários diferentes, para em 87 cidades e atravessa dois continentes? Não, obrigado! E chama-se isso de “a aventura de uma vida inteira”. Aposto que encontrar um lugar para tomar banho nesse trem é que deve ser uma verdadeira aventura.

2. Extremo Oriente russo

(Foto: Lori/Legion-Media)(Foto: Lori/Legion-Media)

Esse lugar faz os viajantes se questionaram bastante: por que os moradores locais admiram o florescer de cerejeiras, gostam de comer comida asiática e passam seus fins de semana na China? Isso ainda é Rússia?

Tudo parece bizarro nessa região, especialmente nos arredores de Vladivostok. Árvores subtropicais e subárticas crescem na floresta, e cipós com frutinhas que tem sabor de limão entrelaçam os pinheiros. Peixes do Sul como baiacu e tubarões nadam no mar junto com arenques, típicos do Norte do planeta.

(Foto: Iúri Smitiuk/TASS)(Foto: Iúri Smitiuk/TASS)

Isso sem falar nos tigres que habitam o Extremo Oriente russo – uma versão do tigre siberiano com pelo comprido e grosso, capaz de perseguir presas mesmo no inverno.

3. Kamtchatka

(Foto: Vadim Gippenreiter)(Foto: Vadim Gippenreiter)

Caviar caro e passeios de helicóptero para as terras de vulcões e gêiseres? Para pagar essa viagem, só encontrando algum tesouro em um navio naufragado e ter a sorte de vendê-lo antes de ir para a prisão.

4. Sibéria

(Foto: Vladímir Tchuprikov)(Foto: Vladímir Tchuprikov)

A Sibéria cobre 40% do território russo e é mundialmente famosa por seus invernos e temperaturas congelantes. Ar gelado, bochechas avermelhadas botas de feltro gigantes – valenki – tornam qualquer viagem pelo inverno siberiano uma viagem memorável: para se lembrar de como sobreviveu ao frio e dizer a todos que jamais sigam para lá.

A Sibéria corresponde também a quase 10% da superfície terrestre da Terra – fazendo fronteira com a Mongólia ao sul, e margeando o Oceano Ártico ao norte. E só os mais antissociáveis são felizes ali: é possível caminhar 3.000 km sem ver uma viva alma.

Essa terra de prisioneiros e heróis, campos de gás, e minas de petróleo, de carvão e de ouro é um ótimo cenário para se aventurar nas férias e fazer atividades radicais.

A região possui montanhas altíssimas, lagos límpidos e cidades cheias de arquitetura de madeira. Parece um lugar perfeito para se perder e passar o resto de sua vida na companhia de ursos pardos? É melhor prevenir do que remediar: fique em casa!

5. Lago Baikal

(Foto: Shutterstock/Legion-Media)(Foto: Shutterstock/Legion-Media)

Esse é o lago mais chato do mundo, afinal, não há nem sequer um monstro nele! E é possível conferir isso através de suas águas: de tão puras, dá para observar até 40 metros abaixo da superfície, mesmo no inverno (porque o gelo também é cristalino).

O Baikal é tão grande que sua área de superfície equivale ao território da Bélgica, e levaria em torno de quatro meses para dar uma volta completa caminhando.

Também é lar de mais de 300 espécies endêmicas de animais e pássaros, e o foca de água doce do Baikal é a mais assustadora delas. Ainda bem que todas essas criaturas são muito rechonchudas e preguiçosas para correr atrás dos turistas.

6. Altai

(Foto: Lori/Legion-Media)(Foto: Lori/Legion-Media)

Vistas deslumbrantes e cósmicas da estepe de Tchuiskaia, montanhas, um museu ao ar livre sobre uma rocha, iurts, camelos e o espírito da liberdade nômade. E se quiser ficar aqui para sempre? Oras, você terá que ouvir músicas indígenas locais, histórias de andanças por Altai e beber kumis (leite de égua acidificado e fermentado, típico de várias regiões asiáticas) até o final dos dias. Horrível, não?

7. Sôtchi

(Foto: Serguêi Fadeitchev/TASS)(Foto: Serguêi Fadeitchev/TASS)

“Se eu fosse rico, moraria em Sôtchi”, dizem alguns russos. Gostaria de experimentar a neve de inverno e o calor do verão em uma única viagem? Isso é bem possível na “capital do verão” da Rússia, Sôtchi. Embora a cidade tenha recebido os jogos olímpicos de inverno em 2014, as temperaturas  locais podem atingir os 39°C.

(Foto: Nina Zotina/RIA Nôvosti)(Foto: Nina Zotina/RIA Nôvosti)

Em geral, Sôtchi é um popular resort de praia, sempre lotado de turistas que querem nadar ou simplesmente relaxar. Mas quando finalmente deixam as praias, ao fim do verão, todos seguem as montanhas para esquiar e andar de snowboard, entre os meses de dezembro e abril. O que poderia ser pior do que gastar suas férias passeando entre as montanhas e o mar?

8. Noites brancas de São Petersburgo

(Foto: Anton Malkov)(Foto: Anton Malkov)

As chamadas “noites brancas” de São Petersburgo são um desastre. De meados de junho até o final de julho, mal escurece à noite. Você quer ter insônia?

9. Metrô de Moscou

(Foto: Vörös Szabolcs)(Foto: Vörös Szabolcs)

O pior do metrô de capital não é nem o fato de as suas mais de 200 serem patrimônio cultural e se parecerem com palácios de mármore subterrâneos repletos de colunas e candelabros. Esse sistema de transporte conta com rede Wi-Fi em todos os trens, com acesso gratuito para os passageiros. Ruim demais ficar conectado o tempo todo.

10. Culinária russa

(Foto: Lori/Legion-Media)(Foto: Lori/Legion-Media)

A cozinha regional russa é tão confusa. O país é lar de mais de 100 nacionalidades diferentes com uma grande variedade de costumes culinários, tornando-se um dos destinos gastronômicos mais exóticos. Bolo de leite de pássaro e peixe seco em fatias e “guiozas” enormes com recheio líquido são apenas alguns exemplos – você não vai querer provar esses pratos com nomes e ingredientes estranhos, né?

Quer receber as principais notícias sobre a Rússia em seu e-mail? 
Clique aqui para assinar nossa newsletter.

Autorizamos a reprodução de todos os nossos textos sob a condição de que se publique juntamente o link ativo para o original do Russia Beyond.