10 palavras russas impossíveis de traduzir

"Pôdvig', o 'nadrív' de Dostoiévski e os 'iurôdivi". É possível sequer imaginar o que é isso?

"Pôdvig', o 'nadrív' de Dostoiévski e os 'iurôdivi". É possível sequer imaginar o que é isso?

Grigóri Avoian
Os milhares de vocábulos da língua portuguesa não resolvem o russo no um a um. Do ‘nadrív’ à ‘toská’, o caminho para a enigmática “alma russa” passa pelo léxico.

A língua portuguesa tem centenas de milhares de palavras. Ainda assim, não basta para desatar alguns nós do léxico russo. Determinados vocábulos dessa língua são difíceis de explicar até por nativos, e tentar assimilá-los já é o primeiro passo para ganhar uma “alma russa” na próxima encarnação!

1. Pôshlost (пошлость)

O escritor russo-americano Vladímir Nabôkov, que ministrava conferências sobre Estudos Eslavos em universidades dos EUA admitia não conseguir traduzir essa palavra, que é facilmente compreendida por qualquer estudante russo.

O que é, então, “pôshlost”? Nabôkov dava os seguintes exemplos para tentar explicar esse enigma: “Abra uma revista e você certamente encontrará algo assim: uma família acaba de comprar um rádio (ou um carro, uma geladeira, prataria  ou qualquer outra coisa). A mãe está batendo palmas, doida de alegria. As crianças se reúnem, boquiabertas, ao redor dela. O bebê e o cachorro estão apoiados na mesa onde o objeto de idolatria foi colocado. Um pouco de lado está em pé, vitorioso, o pai, o orgulhoso provedor da família. A “pôshlost’icidade” intensa dessa cena não vem do falso exagero da dignidade de determinado objeto útil, mas da suposição de que tal alegria possa ser comprada e de que tal compra enobrece o comprador.”

Enquanto o dicionário Português-Russo-Português “Nôvi slovar” de Dmítriev e Stepenko define “pôshlost” como vileza, torpeza, ou, ainda, vulgaridade, a palavra, segundo a professora Svetlana Boym, da Universidade de Harvard, “conjuga noções como trivialidade, vulgaridade, promiscuidade sexual e insensibilidade”.

2. Nadrív (надрыв)

A versão alemã da Wikipedia dedica um artigo inteiro à palavra “nadrív”. Isso porque o vocábulo é conceito-chave na escrita de Fiódor Dostoiévski, cujas versões para o alemão ganharam tanta relevância, que sua principal tradutora, Svetlana Geier, virou tema de um documentário premiado. “Nadrív” descreve uma explosão emocional incontrolável em que se despejam sentimentos íntimos e profundamente secretos.

Além disso, o “nadrív” de Dostoiévski implica uma situação em que o protagonista abandona-se no pensamento de que pode encontrar na alma algo que talvez sequer exista. É por isso que o “nadrív” frequentemente expressa sentimentos imaginários, excessivamente exagerados. Uma parte do romance “Irmãos Karamázov” é intitulada “Nadrív”. 

3. Khâmstvo (хамство)

O escritor soviético exilado Serguêi Dovlátov escreveu sobre esse fenômeno em seu artigo “Esse intraduzível “khâmstvo”. Ali, ele comenta que o “khâmstvo” (pronuncia-se “hâmstva”) “não é nada além de grosseria, arrogância e insolência multiplicados pela impunidade”.

Para Dovlátov, é com a impunidade que o “khâmstvo” nos mata instantaneamente. É impossível combatê-lo, você só se submete a ele. “Eu vivi nessa louca, maravilhosa e horripilante Nova York por dez anos e estou pasmo pela ausência de ‘khâmstvo’. Tudo pode acontecer com você aqui, mas não tem ‘khâmstvo’. Você pode ser roubado, mas ninguém vai fechar a porta na sua cara”, escreveu o escritor.

4. Stushevátsia (стушеваться)

Alguns linguistas acreditam que o verbo “stushevátsia” tenha sido criado por Fiódor Dostoiévski, que o utilizou pela primeira vez em sentido figurado em seu romance “O duplo”. Traduzido para o português, ele seria o “ato ou efeito de se tornar menos notável, ir para a obscuridade, perder papel de importância, deixar visivelmente a cena, ficar confuso em uma situação estranha ou inesperada, tornar-se submisso”.

5. Toská (тоска)

Por mais que “toská” seja, por vezes, traduzida para o português como “saudade”, sua definição e compreensão é muito mais profunda, abrangendo a ideia de “dor emocional” ou “melancolia”. Vladímir Nabôkov escreveu que “nenhuma palavra em inglês pode transmitir todas as nuances da ‘toská’. Esse é um sentimento de sofrimento espiritual sem qualquer razão particular. Em um patamar menos doloroso, é a dor indistinta da alma... uma vaga ansiedade, nostalgia, saudade amorosa”.

6. Bitiê (бытие)

A palavra tem o mesmo radical do verbo “bit” (быть), “existir”. Nos dicionários Russo-Português, é traduzida apenas como “existência” ou “ser”. Na realidade, porém, ela não se resume à vida ou à existência em si, já que significa a existência em uma realidade objetiva que é independente da consciência humana (e do cosmo, da natureza, da matéria). Sua compreensão é tão filosófica, na verdade, que reúne estudos da semântica utilizando o Ouroboros (a serpente que morde a própria cauda) para simbolizá-la, além de lógica matemática, da teoria dos protótipos e outros experimentos da psicologia cognitiva.

7. Bespredél (беспредел)

O professor de Estudos Eslavos da Universidade de Nova York Eliot Borenstein explica que “bespredél” significa, literalmente, “sem restrições ou limites”. Os tradutores frequentemente vertem o vocábulo para “ilegalidade” ou “ausência de leis” (“bezzakonie” – “беззаконие). Esse conceito em russo é, porém, muito mais amplo, e se refere ao comportamento de uma pessoa que viola não apenas as leis, mas também as normas morais e sociais. Sua tradução, em dicionários de Russo-Português, chega a aparecer como “caos”.

8. Avôs' (авось)

Não, isso não tem nada a ver com os pais dos seus pais, e é bem mais difícil de se explicar a pessoas de outras nacionalidades. É interessante notar, ainda, que muita gente acredita que o “avôs’” seja o principal traço característico russo. Assim, “esperar pelo ‘avos’” significa “fazer algo sem planejar e sem colocar muitos esforços, mas contando com o êxito”.

9. Iurôdivi (юродивый)

Na antiga Rus’, os “iurôdivie” (юродивые) eram pessoas que renunciavam voluntariamente aos prazeres em nome de Cristo. Essas pessoas pareciam loucas e levavam um estilo de vida de retiro com o objetivo de obter a paz interior e derrotar a raiz de todos os pecados, ou seja, o orgulho. Eles eram estimados e considerados próximos de Deus. Suas opiniões e profecias eram levadas a sério e chegavam até a ser temidas. Hoje, a palavra também tem o sentido figurado de “tolo” ou “anormal”.

10. Pôdvig (подвиг)

Em português, esse vocábulo é frequentemente vertido como “façanha”, “proeza” ou “feito”, mas ele tem outros sentidos também, muito diferentes. “Pôdvig” não é apenas o resultado ou realização de um objetivo, mas também um ato corajoso e heroico, uma ação realizada em circunstâncias difíceis. A literatura russa cita frequentemente algum “pôdvig” militar ou civil. Além disso, a palavra pode significar atos abnegados, como um “pôdvig” em nome do amor. 

Autorizamos a reprodução de todos os nossos textos sob a condição de que se publique juntamente o link ativo para o original do Russia Beyond.