Quem inventou o coquetel molotov?

Explosivo e drinque têm o mesmo nome, mas são preparados de modo diferente

Explosivo e drinque têm o mesmo nome, mas são preparados de modo diferente

Domínio público
Artefato incendiário de fácil preparação tem o mesmo nome de drinque alcoólico bastante popular no país. E o curioso é que ambos apareceram ao mesmo tempo.

O termo foi usado pela primeira vez durante a Segunda Guerra Mundial. Segundo uma das muitas versões, depois de um ataque de aviões soviéticos contra a Finlândia, em 1940, o primeiro-ministro da URSS, Viatcheslav Mólotov [palavra excêntrica que era usada em vez do verdadeiro sobrenome do ministro, Scriabin], garantiu que as aeronaves tinham a missão única de enviar alimentos aos finlandeses.

“Se vocês enviam alimento”, rebateu um espirituoso militar finlandês, “nós preparamos um coquetel”. Pouco tempo depois, os finlandeses lançaram o dispositivo incendiário que, eventualmente, ganhou o sobrenome inventado do primeiro-ministro soviético.

O coquetel molotov é um explosivo de fácil construção que não requer outros ingredientes além de uma garrafa de vidro cheia de líquido inflamável e um pedaço de tecido, que funciona como um pavio. Mas o fato é que os finlandeses não foram os primeiros a oferecer o “aperitivo”.

Alguns anos antes, os espanhóis já haviam testado uma mistura semelhante. Os historiadores Nicholas Rankin, em seu livro “Crônicas de Guernica”, e Antony Beevor, em “A Guerra Civil Espanhola”, afirmam que essa arma já teria sido usada no final dos anos 1930.

Segundo Beevor, o coquetel molotov foi utilizado pela Legião Estrangeira em 1936, ao atacar tanques russos nos arredores de Madrid.

Outros pesquisadores acreditam que a origem do explosivo remonta ao final do século 19, época em que os imigrantes irlandeses nos Estados Unidos criaram o primeiro modelo de um dispositivo semelhante – neste caso, nada teria a ver com os russos.

Antes da virada para o século 21, o termo ganhou, porém, nova vida graças à banda mexicana Molotov, conhecida por suas letras fortes e de cunho social. Com um mistura de rap, rock e ritmos mexicanos, o grupo até lembra, em certo ponto, o famigerado coquetel.

Quanto à bebida alcoólica, a versão russa do coquetel molotov requer:

- 90 ml de vodca Finlandia [russos utilizam essa marca, já que é produzida pela mesma fábrica que, durante a guerra, preparava o álcool utilizado nos explosivos];

- 15 ml de uísque;

- 15 ml de licor Irish Mist.

Todos os ingredientes devem ser agitados. O coquetel é então servido em uma taça ou copo de boca larga, com gelo até a metade.

Quer receber as principais notícias sobre a Rússia em seu e-mail?Clique aqui para assinar nossa newsletter.

Todos os direitos reservados por Rossiyskaya Gazeta.

Leia mais