Mikhail Lomonossov, o pioneiro da ciência russa

Ilustração:  Natália Mikhailenko

Ilustração: Natália Mikhailenko

Cientista, poeta e pensador russo cuja contribuição ao desenvolvimento intelectual do país pode ser comparada às reformas do imperador Pedro 1º, Mikhail Lomonossov (1711-1765) é considerado pioneiro em muitas áreas de conhecimento, tais como física, filosofia e literatura. Também é o criador da base da formação da cultura russa moderna.

Uma hipótese não confirmada afirma a ligação entre o cientista, poeta e pensador russo Mikhail Lomonossove o imperador russo Pedro 1º, que durante um período de sua vida trabalhou nos estaleiros do Mar Branco, local de nascimento do Lomonossov, e, portanto, talvez seja o seu pai biológico. Este é apenas um dos mistérios que fazem parte da biografia do cientista que nasceu numa família rica, cuja lista de bens materiais incluía uma mansão e um navio.

Seguindo o conselho do escrivão local da necessidade de aprender o latim, pois "sem ele é impossível estudar a ciência", Mikhail resolveu viajar a Moscou. O estilo de vida humilde que o futuro pensador passou a viver na capital russa até agora permanece um grande mistério, levando em consideração a boa condição financeira da sua família.

Estabelecido em Moscou, Lomonossov começou a estudar na Academia Greco-Latina, que posteriormente intermediou o seu intercâmbio para a Europa para que ele aprendesse mais sobre as ciências europeias.

Na Alemanha, Lomonossov se envolveu num escândalo devido aos atrasos no recebimento dos valores mensais referentes à sua bolsa de estudos e resolveu protestar, deixando a faculdade e vivendo aventuras no território europeu ao longo de um ano. O futuro cientista e pensador por pouco não virou um recruta do exército da Prússia e foi preso dentro de um forte, mas escapou. Além disso, enquanto estudava na Alemanha, Lomonossov, adepto da Igreja Ortodoxa, se casou com uma garota local conforme um ritual protestante, fato que foi obrigado a esconder durante a vida toda com receio de não ser aceito pelos seus compatriotas.

Caráter forte

Apesar de ser um gênio em ciências exatas, Lomonossov não se encaixava na imagem de um acadêmico comum devido à enorme força física e à sua autoconfiança. Um dia, prestes a se tornar vítima de um assalto, conseguiu evitar a perda dos seus pertences, chocando dois assaltantes entre si de tal forma que ambos desmaiassem. O terceiro tentou fugir, porém foi apanhado pelo cientista, que o fez a seguinte pergunta: "O que vocês pretendiam fazer comigo?" "Tirar a sua roupa", respondeu o bandido. Se divertindo com os acontecimentos, Lomonossov mandou o assaltante tirar as suas roupas e em seguida jogou-as nas águas do rio.

O gênio russo tinha um caráter forte, um temperamento furioso e não suportava mentiras e enganação. O escândalo seguinte aconteceu na Academia de Ciências de São Petersburgo. Segundo o relatório de uma reunião, Lomonossov chamou os colegas professores de ladrões, assim como usou palavras e gestos obscenos para expressar a sua opinião em relação aos supostos crimes dos mesmos.

No entanto, as acusações não foram feitas sem nenhum fundamento, visto o constante desvio dos fundos da Academia pelos seus próprios membros. Além disso, Lomonossov ficou irritado pelo fato de que todos os professores membros da instituição terem origem alemã e não apoiava o conceito de objetividade histórica escolhida pelo seu colega Miller, cientista do ramo, que acreditava no repasse de todos os detalhes dos acontecimentos históricos sem expressar a própria opinião. Lomonossov foi adepto de uma opinião contrária, que consistia na ocultação dos fatos capazes de prejudicar a imagem do país, assim como acreditava que apenas historiadores russos poderiam exercer a sua profissão no território do país.

Diversidade

Lomonossov se interessava pela maioria das áreas científicas, de história à física e astronomia. Suas descobertas incluem o princípio da conservação de energia e a famosa lei da conservação das massas: "a massa permanece constante, ou seja, a soma das massas dos reagentes é igual à soma das massas dos produtos".

Além das conquistas científicas, os resultados das atividades do Lomonossov incluíram a construção de um telescópio e as observações de Vênus. No entanto, muitas das suas descobertas nunca foram divulgadas fora da Rússia e foram feitas posteriormente pelos cientistas europeus. Apesar disso, ele significou muito para o desenvolvimento científico da Rússia pois conseguiu abraçar a maioria das áreas de ciência, assim como contribuir ao aparecimento e o desenvolvimento da literatura secular.

Apesar do estilo pouco sofisticado, pela primeira vez na história, as obras literárias russas pertenciam aos gêneros laicos e foram escritas no idioma russo, em vez do eslavo eclesiástico usado na elaboração dos textos clericais, os únicos existentes até então. Lomonossov não considerava os seus frutos poéticos uma arte, enxergando-as do ponto de vista prático e atribuindo-os o objetivo de expressar a necessidade da Rússia no desenvolvimento de ciência, da educação e do progresso em geral.

Ao contrário do mundo moderno, que trata os cientistas como os responsáveis pelas principais mudanças no mundo, na época, eles eram vistos pelas autoridades como a principal causa do desperdício dos recursos financeiros públicos. Este foi o motivo das muitas dificuldades que Mikhail Lomonossov foi obrigado a enfrentar para realizar o seu projeto de fundação da Universidade de Moscou, que, graças ao seu temperamento e  persistência, foi aberta e é hoje muito respeitada.

A sua paixão pela reflexão e pesquisa renderam muitos frutos. Lomonossov foi o primeiro a elaborar as previsões de tempo, organizar missões para o Oceano Ártico e até a estudar os processos demográficos. Um dos seus projetos na área consistia nas propostas de medidas destinadas ao crescimento da população, tais como o cancelamento da lei que proibia mais de três casamentos por pessoa, a elaboração das políticas externas e internas capazes de atrair imigrantes, o combate ao alcoolismo e a redução de duração do serviço militar obrigatório. Dessa maneira, Lomonossov conseguiu mostrar às autoridades a realidade dos cidadãos russos que elas até então não conheciam.

Enquanto os países da Europa contavam com o trabalho dos grupos científicos compostos por especialistas de várias áreas, Lomonossov conseguiu substituí-los por completo na Rússia do século 18. 

 

Confira outros destaques da Gazeta Russa na nossa página no Facebook

Todos os direitos reservados por Rossiyskaya Gazeta.