Como os arquitetos soviéticos projetavam um futuro PROLETÁRIO brilhante (FOTOS)

South pavilion of Krasniye Vorota metro station, Moscow.

South pavilion of Krasniye Vorota metro station, Moscow.

Ludvig14 (CC BY-SA 4.0)
A mistura de fachadas de concreto brutais com colunas em estilo antigo foi apelidada de 'Dórica Vemelha’ nas décadas de 1920 e 1930 - um estilo genuinamente revolucionário. Mas onde encontrar esses edifícios hoje em dia?

Os anos que se seguiram à Revolução de 1917 foram marcados pela liberdade: da servidão, da repressão tsarista, do antigo regime. Os arquitetos da época conceberam uma visão de casas ideais, bem como de cidades inteiras, adequadas ao novo cotidiano do proletariado. Esta onda de vanguarda deu origem à nova moda, conhecida como “clássico proletário” (ou Dórica Vermelha), que combinava elementos do então em voga construtivismo e da arquitetura clássica antiga. A tendência mais tarde inspiraria o “estilo império de Stálin”.

Arquitetura Revolucionária

O pai do novo movimento estilístico foi o arquiteto Ivan Fomin (1872-1936), muito conhecido por suas mansões neoclássicas durante os anos tsaristas. A datcha que ele projetou para o diplomata Aleksandr Polovtsov, com seus pórticos gregos e colunata larga, é considerada uma referência do estilo na Rússia. No entanto, durante os anos revolucionários, ele adaptou as ordens clássicas grega e romana às facetas lacônicas do construtivismo.

The ‘Dynamo Society’ building.

Uma de suas obras mais famosas em Moscou foi o edifício Sociedade Dínamo na Praça Lubianka (1928-1931), construído em conjunto com Arkádi Langman - o arquiteto por trás do edifício Gosduma. Por um lado, o edifício é um exemplo do tipo de construtivismo que se esperaria na época, com suas janelas redondas e geometria precisa. Porém, as fachadas revelam fileiras de colunas acopladas sem base - um clássico da ordem dórica antiga.

A partir de 1919, Fomin chefiou o programa de desenvolvimento urbano de Petrogrado (atual São Petersburgo), aplicando suas ideias à cidade e oferecendo novas perspectivas ao clássico. Junto com seu aluno, Lev Rudnev (o autor do edifício da Universidade Estatal de Moscou), ele trabalhou no Campo de Marte, o memorial às vítimas da Revolução. 

Canteiro em frente ao Instituto Smolny

Há um canteiro em frente ao Instituto Smolny (atual residência do governador de São Petersburgo) construído por Vladímir Schuko e Vladímir Gelfreich, futuros defensores da arquitetura stalinista. Consiste em dois portões altos de cinco colunas que são característicos da arquitetura da Grécia Antiga. Os propileus contêm a inscrição em ouro: “Proletários do mundo, uni-vos!” e “O primeiro Soviete da ditadura do proletariado”.

Edifício da Russian Railways em Moscou

Prédios antigos também foram refeitos no estilo revolucionário. O edifício da Russian Railways em Krasnie Vorota foi construído no século 18 como um palácio de escritórios. No entanto, na década de 1930, Fomin o transformou em uma locomotiva suprematista, adicionando colunas lacônicas à fachada.

Modelo de cidade proletária

Universidade Têxtil em Ivanovo

A cidade onde as ideias de Fomin realmente decolaram foi Ivanovo, a capital têxtil da Rússia. Eles se referiam a ela como um modelo de cidade proletária por sua abundância de arquitetura vanguardista: casas comunais, 'casas metáforas' (construídas para se parecerem com animais, navios, ferraduras etc) e, é claro, os “clássicos proletários” . As ideias de Fomin também foram usadas na concepção das instituições educacionais da cidade.

 Instituto Químico-Tecnológico de Ivanovo

Entre eles estão a Universidade Química-Tecnológica, a Universidade da Energia e a Universidade Têxtil. Todos os edifícios formam um pátio interno, com as extremidades voltadas para a rua. O design interior é lacônico, sem excessos, embora as fachadas sejam todas feitas em estilo antigo, com colunas.

Biblioteca Científica Regional de Ivanovo

O pátio contém a Biblioteca Científica Regional de Ivanovo no mesmo estilo. Dessa forma, Fomin conseguiu criar todo um distrito universitário.

Primeiras estações de metrô

Não foram apenas os edifícios construídos no estilo clássico proletário, mas também as estações do metrô de Moscou - principalmente Krasnye Vorota (1935) e Teatralnaya (1938), marcadas por enormes postes e abóbadas.

Estação Krasnye Vorota

Embora Fomin fosse o projetista por trás de ambas as estações, Teatralnaya (chamada Ploschad Sverdlova naquela época) foi concluída por seu aluno, Leonid Poliakov. Os ideólogos da Dórica Vermelha acreditavam que uma nova arquitetura soviética deveria ser baseada na clássica, mas, paralelamente, mais robusta e brutal em sua geometria. Já em meados da década de 1930, os arquitetos - entre eles, alunos de Fomin - fariam a transição para o neoclassicismo, adicionando um novo ímpeto ao estilo estritamente proletário: eis que a era do stalinismo havia chegado à URSS.

Estação Teatralnaya

LEIA TAMBÉM: Sabia que fora da Rússia também existem arranha-céus de Stálin?

Autorizamos a reprodução de todos os nossos textos sob a condição de que se publique juntamente o link ativo para o original do Russia Beyond.

Mais reportagens e vídeos interessantes na nossa página no Facebook.
Leia mais

Este site utiliza cookies. Clique aqui para saber mais.

Aceitar cookies