Os 7 casarões mais antigos de Moscou

Legion Media
A maioria das construções mais antigas de Moscou são igrejas. Mas esta reportagem se concentra nos casarões mais velhos - de mansões de família e embaixadas estrangeiras ao salão de recepção do Kremlin e um celeiro de malte de um antigo mosteiro.

Casa Iarochenko

Provavelmente o edifício residencial mais antigo de Moscou, a fundação da casa Iarochenko existia já em meados do século 17, o que é óbvio ao observar as peças de alvenaria. Este casarão, que teve dezenas de proprietários diferentes, fica na esquina da praça Hitrovskaia - no coração de um antigo bairro do centro de Moscou -, onde, antes da década de 1920, criminosos e marginais viviam em apartamentos comunais em pensões, incluindo esta. Ainda habitado, é um refúgio tranquilo a poucos minutos do Kremlin.

Rua Podkolokolny, 11/11/1

Mansão da Família Golítsin

Esta casa, construída no século 17, já viu todos os lados da vida. No início do século 18, era propriedade de Reinhold von Loewenwolde, um dos favoritos da imperatriz Catarina 1ª (1684-1727). Mais tarde, o antigo palácio passou por diferentes donos, funcionando como escola de música, hospital, pensão e até tipografia, onde o poeta Serguêi Iessênin trabalhou por um curto período.

Nos anos soviéticos, o edifício foi dividido em apartamentos comunais. Encontra-se agora abandonado, embora no interior existam fornos originais em azulejo e uma escada em ferro fundido. Deteriorando-se lentamente, a casa aguarda restauração.

Rua Krivokolennyi, 10

Palácio de Averki Kirillov

Um raro exemplo de como a arquitetura civil russa poderia ser opulenta , esta casa foi construída no final do século 17. Mais tarde, no início do século 18, foi parcialmente reconstruída e ganhou adornos externos. Por 55 anos, de 1868 a 1923, a Sociedade Arqueológica de Moscou ocupou o casarão. A vizinha Igreja de São Nicolau também faz parte do conjunto da mansão.

Cais Bersenevskaya, 20

‘Old English Yard’

O chamado ‘Old English Yard’ (Antigo Quintal Inglês, em tradução livre) é um edifício civil russo do século 16 que, desde a década de 1550, abrigou a embaixada política e comercial  inglesa em Moscou. O prédio foi concedido aos ingleses por Ivan, o Terrível. 

No século 18, o casarão tornou-se propriedade privada e, nos tempos soviéticos, foi dividido em apartamentos comunais. Na década de 1960, o edifício foi redescoberto e restaurado, e seu projeto interno inicial, retomado. Em 18 de outubro de 1994, o museu ‘Old English Yard’ foi inaugurado ali, com a presença de Elizabeth II e do Príncipe Philip na inauguração.

Rua Varvarka, 4A

Palácio Volkov-Iusupov

Inteiramente preservado do século 17, o palácio Volkov-Iusupov se tornou uma joia da arquitetura de Moscou no início do século 18, quando foi propriedade de Piotr Chafirov, o vice-ministro dos Negócios Estrangeiros de Pedro, o Grande, e depois de Grigóri Iusupov, um amigo de juventude do tsar. A família Iusupov era dona do palácio, que tinha seu próprio pomar e uma sala de teatro. Por um curto período, o jovem Aleksandr Púchkin morou ali com seu pai, que havia alugado um apartamento em uma das alas do palácio. Atualmente, o palácio está em bom estado de conservação e parcialmente restaurado.

Rua Bolshoy Kharitonyevsky, 21

Palácio das Facetas

Construído no Kremlin de Moscou de 1487 a 1491, o Palácio das Facetas foi criado pelos arquitetos italianos Marco Ruffo e Pietro Solari especialmente para as grandes cerimônias da corte de Moscou. O edifício recebeu este nome devido à rusticação branca da fachada oriental. Pelo Palácio das Facetas circularam todos os tsares e imperadores da Rússia - mesmo depois que a capital imperial foi transferida para São Petersburgo, a coroação e a unção de novos czares continuaram acontecendo na Catedral da Dormição de Moscou, e os banquetes eram realizados no vizinho Palácio das Facetas.

Kremlin de Moscou, praça Sobornaya, 1

Celeiro de malte do mosteiro Simonov

Esta casa poderia ser chamada de ‘arranha-céu do século 17’. Na verdade, não havia edifícios tão altos em Moscou por volta de 1677, quando foi criada - exceto, é claro, campanários. Embora pertencesse ao mosteiro Simonov, um convento que data dos séculos 14 e 15, a função deste edifício era estritamente civil - ou era uma maltaria ou um celeiro para armazenamento de alimentos. Atualmente, é um das poucas construções que permaneceram intactas após a demolição do mosteiro Simonov na década de 1930.

Rua Vostochnaya, 4

LEIA TAMBÉM: 8 curiosidades sobre Derbente, uma das cidades mais antigas da Rússia e do mundo

Autorizamos a reprodução de todos os nossos textos sob a condição de que se publique juntamente o link ativo para o original do Russia Beyond.

Mais reportagens e vídeos interessantes na nossa página no Facebook.
Leia mais

Este site utiliza cookies. Clique aqui para saber mais.

Aceitar cookies