Os 5 bunkers mais interessantes (e ultrassecretos) da Rússia

Bunker 703 of the Soviet Foreign Ministry

Bunker 703 of the Soviet Foreign Ministry

Museum Bunker 703 of the Soviet Foreign Ministry
Base submarina, arquivos secretos do Ministério dos Negócios Estrangeiros e abrigos pessoais de Stálin. Conheça os bunkers mais misteriosos da Rússia dos quais nem os vizinhos faziam ideia.

1/ Bunker de Stálin em Samara

Desclassificado apenas em 1990, este bunker começou a ser construído no outono de 1941, durante a Grande Guerra Patriótica. A instalação secreta, situada sob onde fica hoje a Academia de Cultura e Artes (antes abrigava o Comitê Regional do Partido Comunista da URSS), foi construída para evacuar Stálin em caso de emergência ou, como indicado na resolução do Comitê de Defesa do Estado, “conforme a situação”.

O bunker foi construído por 2.900 operários e cerca de 800 engenheiros; todos assinaram um acordo de não divulgação que durava até o túmulo; nem os moradores locais sabiam o que estava sendo construído à noite atrás da cerca. Os envolvidos trabalhavam em dois turnos, muitos dormindo nos aposentos subterrâneos do próprio bunker. Não se sabe quando foi finalmente concluído – alguns dizem que entrou em operação em 1941; outros, somente em janeiro de 1943.

Também não se sabe se Stálin, de fato, esteve no local. Mas ele ficaria impressionado com sua escala. O bunker tem 37 metros de profundidade (altura de um prédio de 12 andares) e a sala do comitê em si podia acomodar confortavelmente até 115 pessoas.

Atualmente são realizadas visitas guiadas às instalações do bunker, incluindo o poço e o escritório particular de Stálin.

2/ Objeto 825 GTS na Crimeia

Depois do bombardeio nuclear de Hiroshima e Nagasaki, a União Soviética começou a construir uma base submarina na Baía de Balaklava, na Crimeia, em 1953.

O projeto foi concluído apenas oito anos depois, em 1961, mas a espera valeu a pena: nove submarinos pequenos ou sete de tamanho médio, bem como cerca de mil pessoas, poderiam se abrigar ali no caso de um ataque nuclear.

Durante muitos anos, a instalação serviu como base de reparo de submarinos. As embarcações entravam no abrigo à noite e, pela manhã, estavam prontas para retomar o serviço, armadas com novos suprimentos de combustível, oxigênio e munições. A estrutura foi desclassificada apenas em 1994, quando a Crimeia ainda fazia parte da Ucrânia; logo depois, acabou sendo saqueada por criminosos locais. No início dos anos 2000, o abrigo foi convertido em museu, e hoje os turistas podem passear pelo complexo labiríntico e visitar as exposições históricas.

3/ Bunker 703 do Ministério dos Negócios Estrangeiros soviético em Moscou

Na superfície, a instalação ultrassecreta, que deixou de ser secreta apenas em 2018, parece um prédio cinzenta imperceptível nas ruas de Moscou, cercado por um jardim de infância e uma igreja. No final da década de 1940, a linha circular do metrô de Moscou foi construída sobre o local do futuro bunker. Quando a linha foi comissionada, várias passagens e túneis técnicos permaneceram, e estes foram usados ​​como base para o abrigo, concluído em 1961.

Por décadas, a instalação serviu como arquivo secreto para o Ministério dos Negócios Estrangeiros soviético, onde todos os tipos de documentos eram armazenados em prateleiras sem fim. A saída de emergência levava diretamente para o metrô.

Em 2005, os vazamentos começaram devido à falta de manutenção. Os documentos foram removidos e houve planos de reconstruir o prédio, mas o atual Ministério das Relações Exteriores da Rússia percebeu que não precisava mais do espaço.

Três anos depois, a instalação foi entregue a uma organização de veteranos de guerra, que a converteu no primeiro museu de fortificação do país. Entre suas principais exposições estão modelos de estruturas de proteção e documentos desclassificados detalhando a criação dos primeiros bunkers soviéticos.

4/ Bunker 42

A construção de um posto de comando para o Estado-Maior da Força Aérea no caso de um ataque nuclear começou em 1947no distrito de Taganski, em Moscou, sob ordens de Stálin. Porém, a instalação foi concluída apenas em 1956, quando o líder soviético já estava morto. Tratava-se de um projeto importante – constituído por um eixo vertical de 18 andares de profundidade e bastante espaçoso, cobrindo 7.000 m².

O abrigo foi usado para a finalidade original até 1986 – a partir de então, os militares comandaram bombardeiros com armas nucleares a bordo. Em 2006, um museu e restaurante foram abertos no local. Atualmente, a instalação ultrassecreta convida crianças e adultos a assistirem a uma explosão nuclear simulada e ao lançamento de mísseis nucleares, além de realizar missões temáticas.

5/ Abrigo de Stálin em Moscou

Este bunker, com interior palaciano, foi construído na década de 1930, quando Stálin ainda estava vivo. Para ocultar o abrigo pessoal do Comandante Supremo, um estádio de 120.000 lugares e um complexo de educação física seriam construídos sobre ele.

Os planos do estádio não se concretizaram e, em 1939, apenas a seção subterrânea da estrutura ficou pronta, que se tornou o posto de comando da reserva de Stálin.

O posto de comando consiste em uma sala de conferências com cúpula, um pequeno escritório e uma sala de jantar em estilo georgiano, e é conectado ao Kremlin por uma estrada subterrânea de 17 quilômetros. Stálin esteve no bunker apenas duas vezes – para inspecioná-lo, em 1941; e no final de novembro e início de dezembro daquele mesmo ano, para dar as diretrizes das operações durante a Batalha de Moscou.

Em 1996, um complexo de espaços de exposição pertencente ao Museu Central das Forças Armadas foi inaugurado no local do bunker.

LEIA TAMBÉM: Como sobreviver a uma guerra nuclear em Moscou

Autorizamos a reprodução de todos os nossos textos sob a condição de que se publique juntamente o link ativo para o original do Russia Beyond.

Mais reportagens e vídeos interessantes na nossa página no Facebook.
Leia mais

Este site utiliza cookies. Clique aqui para saber mais.

Aceitar cookies