Curilas, a beleza natural e o caviar das ilhas reivindicadas pelo Japão

Andrey Shapran/Sputnik
As Ilhas Curilas contêm vulcões e nascentes naturais, areias negras e lagos borbulhantes. Mas, apesar dessa beleza natural, são um lugar inóspito para se viver.

Conhecido como Curilas, o arquipélago consiste de uma cadeia de 56 ilhas no Oceano Pacífico, conectando a península russa de Kamtchatka com a ilha japonesa de Hakkaido. Por décadas, o Japão tenta reivindicar a propriedade de quatro delas – Iturup, Kunashir, Shikotin e o aglomerado Khabomai. Isso, porém, não tem muito impacto na vida dos moradores locais. Sendo um dos territórios mais remotos da Rússia, a vida na região permanece inalterada há décadas.

As Ilhas Curilas são de origem vulcânica. Muitas aldeias e até mesmo pequenas cidades estão localizadas literalmente nas encostas de vulcões ativos. O nevoeiro ali é muito denso, e, por vezes, a visibilidade é reduzida a apenas dois metros.

Terremotos, tsunamis e erupções frequentes fizeram com que as pessoas deixassem suas casas em mais de uma ocasião. Por esse motivo,, as ilhas estão cheias de lugares abandonados e nenhum prédio possui mais de 2 a 3 andares.

LEIA TAMBÉM: Por que a Rússia não devolve os ‘Territórios do Norte’ 

Não muito longe de um antigo farol abandonado, há um cemitério de tanques e um bunker inundado, antes usado para operações militares.

Existem vários lagos com água fervente na região, todos aquecidos por gases vulcânicos. Um deles está localizado em Kunashir, a ilha mais ao sul das Grandes Curilas. A distância entre Kunashir e o território do Japão é de apenas 16 quilômetros. Para visitá-la, é necessária autorização especial, por ser zona de fronteira.

Povo

Por mais de mil anos, a população indígena das Curilas eram os Ainus, mas no século 19 já estavam praticamente dizimados e sua existência nas ilhas estava reduzida a reservas. Depois da derrota do Japão na Segunda Guerra Mundial, os cerca de 200 sobreviventes Ainus foram repatriados para o Japão.

Até hoje, a história japonesa das Curilas do Sul se manifesta na descoberta rotineira de artefatos antigos. Itens de porcelana japonesa antiga, por exemplo, podem ser encontrados enquanto se passeia ao longo da costa de Kunashir.

Hoje, as Ilhas Curilas têm uma população total de 20.500 pessoas. A maior ilha é Iturup, com a cidade de Kurilsk sendo lar de 6.409 pessoas. Não há centros comerciais, mas existe um pequeno cinema. Todos os veículos são de fabricação japonesa, mas o asfalto não é onipresente.

Detalhes

A economia das ilhas gira essencialmente em torno da pesca. Os locais recebem “aditivos do norte”, ou seja, salários extras para compensar a vida e o trabalho em um clima rigoroso. Muitos se mudam da Rússia continental para as ilhas a fim de ganhar dinheiro e benefícios, e depois partem para climas mais agradáveis.

Além disso, entre os pontos positivos, caviar é um item comum em qualquer café da manhã na região (enquanto a maioria na Rússia continental considera uma iguaria).

Autorizamos a reprodução de todos os nossos textos sob a condição de que se publique juntamente o link ativo para o original do Russia Beyond.

Mais reportagens e vídeos interessantes na nossa página no Facebook.
Leia mais

Este site utiliza cookies. Clique aqui para saber mais.

Aceitar cookies