Fotos recontam história milenar de Ielabuga, no Tatarstão; veja

Berço do pintor Ivan Chichkin, cidade também ganhou fama pela indústria petrolífera e comércio efervescente durante o século 19.

A relativamente pequena cidade de Ielabuga, que fica 215 km a leste da capital do Tatarstão, tem uma história rica, iniciada há mais de mil anos.

A cidade preservou tão bem a imagem de centro comercial do século 19 que, em 2000, recebeu uma medalha de ouro da UNESCO.

Da colina do vilarejo de Tchiertovo, os visitantes são recebidos pela magnífica vista de terras cobertas por rios e jardins, cujos horizontes são interrompidos pelas silhuetas dos templos.

Era um território do assentamento de Ielabuga, que mais tarde foi chamado de Tchertovo (Satã), onde a travessia do rio Kama esteve situada por muito tempo.

A idade milenar de Ielabuga foi confirmada por várias pesquisas arqueológicas e científicas, que provaram que o assentamento do estuário dos protobúlgaros no rio Toima havia aparecido na virada do século 11.

Como Ielabuga era cortada em uma das rotas comerciais mais importantes, acabou se desenvolvendo como uma cidade mercantil.

Atingiu prosperidade na segunda metade do século 19, quando a cidade desempenhou um papel de liderança no território da região do Kama.

Os lagos Chichkin, restaurados em 2007 para o aniversário milenar de Ielabuga, tornaram-se um dos locais de recreação favoritos entre os locais e visitantes. Muitos eventos da cidade acontecem ali, como, por exemplo, a feira anual Spasskaya de Toda a Rússia – em 2011, contou com a participação mais de 600 artesãos de 70 cidades.

A cidade ganhou características únicas após um incêndio em 1850, quando várias edifícios de madeira acabaram sendo destruídos, e os de pedra, que permanecem até hoje, foram construídos em massa.

Por algumas décadas, os moradores de Ielabuga viveram reparando antigos edifícios de madeira e pedra herdados da gloriosa era mercantil. Esta, no entanto, é a mesquita moderna da cidade.

Na década de 1860, Ielabuga podia ser comparada a Viatka em número de comerciantes, embora sua população fosse 3,5 vezes menor que a do centro regional. Os mercantes de Ielabuga também possuíam campos de extração de ouro na Sibéria Ocidental, de petróleo, companhias de navegação, fábricas e usinas.

Monumento a Marina Tsvetáieva

Pessoas famosas para além do Tartarstão viveram em Ielabuga em diferentes épocas.

A cidade conta com diversos museus estatais dedicados a essas personalidades, como a cavaleira Nadejda Durova, a poetisa Marina Tsvetaeva, o pintor Ivan Chíchkin, e o médico e cientista Vladímir Bekhterev.

“Oferecemos 10 rotas temáticas para os visitantes de Ielabuga. Cada museu tem seu próprio programa interativo. Por exemplo, o Museu Estatal Nadejda Dúrova oferece o programa ‘Um soldado russo tem inteligência e força’, no qual os adultos são divididos em equipes, competem uns contra os outros, fazem fogueiras e provam mingau de soldado”, explica um dos organizadores.

Todos os museus e complexos mencionados fazem parte do Museu Reserva de História, Arquitetura e Arte de Ielabuga, que incorpora um complexo de história regional e outros objetos.

Ielabuga não sofreu mudanças consideráveis ​​no século 20 devido ao almirante Koltchak. Durante os combate no Kama em 1918 e 1919, os moradores da cidade apoiaram as forças brancas anticomunistas, e Stálin ficou tão ofendido com esse fato que lançou um decreto proibindo a construção de novos edifícios na cidade.

Entre as atrações, estão ainda a Igreja Pokrôvskaia, onde uma cerimônia é realizada em nome de Marina Tsvetáieva todos os anos em 31 de agosto, ou o Cemitério Petropavlovskoie, onde Anastassia Tsvetáieva, irmã de Marina, instalou uma placa comemorativa: “Marina Ivanovna Tsvetáieva está enterrada nesta parte do cemitério.”

Vladímir Mikhailovich Békhterev nasceu em 1857 no vilarejo Sarali do distrito de Ielabuga na família de um funcionário público. Era um proeminente psiquiatra, neurologista, psicólogo e fundador do Instituto Psiconeurológico e do Instituto do Cérebro Humano.

Uma grande exposição no Museu da Medicina Distrital é dedicada ao médico. O espaço está localizado em um dos edifícios do hospital distrital construído em 1881 pelo comerciante Baranov e apresenta o desenvolvimento da medicina regional na Rússia tomando como exemplo o distrito de Ielabuga.

Ielabuga é também a cidade de infância e adolescência do grande pintor russo Ivan Chíchkin. Os turistas podem conferir o único monumento do mundo com a altura real do artista, e a casa memorial e uma galeria dedicadas a Chíchkin.

Para viajar de Moscou a Ielabuga, a maneira mais simples é de avião, pousando na cidade de Nijnekamsk. Na sequência, basta pegar um ônibus até o local (35 km).

Todos os direitos reservados por Rossiyskaya Gazeta.

Autorizamos a reprodução de todos os nossos textos sob a condição de que se publique juntamente o link ativo para o original do Russia Beyond.

Mais reportagens e vídeos interessantes na nossa página no Facebook.
Leia mais

Este site utiliza cookies. Clique aqui para saber mais.

Aceitar cookies