De fósseis a painéis históricos, conheça os destaques da linha amarela do metrô de Moscou

Legion Media
Nas estações da linha Kalininsko-Solntsevskaya (conhecida simplesmente como ‘amarela’), é possível encontrar não apenas símbolos do regime soviético, mas até criaturas da mitologia eslava ou organismos que morreram há milhões de anos.

Novogireyevo (lê-se Novoguiréievo)

Os pilares e as paredes dessa estação possuem detalhes dedicados à natureza da região de Moscou. Isso porque Novogireyevo costumava ser a estação mais próxima da cidade de Reutov, ao lado da capital, antes de a Novokosino abrir as portas em 2012.

Perovo (lê-se Perôvo)

Essa estação foi projetada em um tom branco para criar a sensação de leveza e imensidão, e sua decoração é dedicada a animais mitológicos. Um dos painéis de pedra esculpidos na parede retrata Sirin, criatura mitológica eslava com tronco feminino e corpo de pássaro; outro exibe o pássaro profético eslavo Gamayun, que simboliza sabedoria e conhecimento. Já o Pegasus, da mitologia grega, representa poder e prosperidade, e o Sol remete à fonte da vida na Terra.

Shosse Entuziastov (lê-se Chossé Entuziástov)

Antes da Revolução de 1917, passava pelo local da futura estação a estrada de Vladímir (Vladimirka), uma via ao longo da qual os condenados marchavam para a Sibéria no caminho do trabalho forçado, conhecido em russo como ‘katorga’.

É por isso que a luta pela liberdade no Império Russo foi escolhida como o motivo principal da decoração dessa estação. No final do corredor, encontra-se a composição “Chama da Liberdade”, com mãos de pedra gigantes quebrando suas correntes.

Nas paredes, por sua vez, há vários painéis com diferentes imagens ligadas à revolução: propriedade em chamas, a Praça do Senado em São Petersburgo, baionetas e sabres, Fortaleza de São Pedro e São Paulo, rifles e bandeiras vermelhas.

Aviamotornaya (lê-se Aviamotôrnaia)

A decoração dessa estação foi dedicada aos projetistas de motores de aeronaves. A escultura metálica no final do corredor mostra Ícaro (novamente da mitologia grega), voando sobre as correntes de ar ascendentes. Já o teto, formado por diversas pirâmides ornamentadas e douradas, foi concebido como se fosse um tapete mágico. 

Ploshchad Ilyicha (lê-se Plôschad Ilitchá)

O nome Ploschchad Illyicha (“Praça Ilyich”) tem relação com o patronímico de Vladimir Lenin e, por isso, há um busto do ex-líder soviético no corredor. Sua característica mais curiosa é, no entanto, que, em suas colunas, feitas de mármore vermelho, existem fósseis reais de crinoides, amonites e braquiópodes antigos. 

Tretyakovskaya (lê-se Tretiakôvskaia)

Essa estação recebeu o nome da Galeria Tretyakov, que fica situada nos entornos e é o principal espaço de belas artes russas no mundo. Suas paredes são decoradas com os baixos-relevos de bronze de artistas, escultores e pintores de ícones da Rússia. Acima do portal, a caminho da escada rolante, vê-se um painel enorme com a Galeria Tretyakov. 

Park Pobedy (lê-se Park Pobédi)

A estação Park Pobedy (Parque da Vitória) possui as escadas rolantes mais longas (126 metros) do metrô de Moscou. As decorações dela são dedicadas às vitórias na Grande Guerra Patriótica (1941 a 1945) e a Guerra Patriótica de 1812.

No final do saguão há uma imagem feita por Zurab Tsereteli, representando os comandantes do Exército russo durante a invasão napoleônica. O trabalho análogo no lado oposto do saguão, também produzido pelo mesmo artista, era dedicada à vitória na Grande Guerra Patriótica No entanto, essa estrutura acabou sendo desmantelada em 2015 para abrir uma nota rota de saída.

Autorizamos a reprodução de todos os nossos textos sob a condição de que se publique juntamente o link ativo para o original do Russia Beyond.

Leia mais