Por que a Rússia é tão grande

Conquistas relativamente fáceis no Oriente tornaram país o maior do mundo

Conquistas relativamente fáceis no Oriente tornaram país o maior do mundo

Каterina Lobanova
Compilamos uma lista com as buscas on-line mais frequentes relacionadas à Rússia. O resultado é uma nova série em que tiraremos todas as dúvidas sobre variados temas.

Com 17,1 milhões de quilômetros quadrados, a Rússia é o maior país do mundo em extensão territorial. Nele cabem 25 Franças e 47 Alemanhas. As razões por trás desse tamanho enorme são encontradas em sua história.

Em primeiro lugar, assim como muitos outros países europeus, a Rússia passou por um período de expansão territorial. Até os séculos 15 e 16, diversos principados estavam continuamente em guerra entre si até Moscou se mostrar mais forte, suprimir todos os seus adversários e unir os territórios povoados por russos.

Reeorientando-se

Aqui começa a ficar mais interessante. Sob Ivan, o Terrível (1533 a 1584), os cossacos russos começaram a conquistar terras no outro lado dos montes Urais, Sibéria adentro e rumo ao Extremo Oriente – regiões que hoje representam 77% da área total da Rússia. Pode-se dizer, portanto, que foi a conquista da Sibéria que garantiu ao país o título de maior do mundo.

Moscou não enfrentou grandes problemas na conquista e anexação dos territórios orientais, e, em 1645, os russos chegaram ao Oceano Pacífico. Segundo Vladímir Kolosov, presidente da União Geográfica Internacional, há duas razões principais que explicam por que não houve resistência da expansão para Sibéria e Extremo Oriente.

Um deles é que esses territórios vastos e frios quase não tinham moradores. “Mesmo hoje em dia”, disse Kolosov à Gazeta Russa, “a densidade populacional é de 2 pessoas por quilômetro quadrado; no século 17, era ainda menor”. Além disso, segundo ele, a maioria das tribos locais não demonstrava objeção à adesão à Rússia.

Quando a Rússia foi ainda maior

Os russos não procuraram suprimir as tribos locais, segundo Kolosov. “Eles estavam principalmente interessados ​​em peles, uma mercadoria valiosa em seu comércio com os europeus”, explicou o geógrafo.

As tribos locais eram livres para continuar seu modo de vida tradicional, enquanto a Rússia garantia sua segurança em troca de impostos periódicos pagos em peles (o chamado iasak). Como a situação era plausível para todas as partes, a conquista da Sibéria foi, na maioria das vezes, um processo pacífico.

Enquanto isso, a expansão da Rússia progredia em um ritmo muito mais lento no oeste e no sul, onde o país tinha que competir novos territórios com Polônia, Turquia e outras potências influentes.

Apesar de algumas dificuldades, o Império Russo continuou a se expandir, cobrindo uma enorme área de 21,8 milhões de km2 – ainda mais do que nos dias de hoje.

Em 1865, o estadista russo Aleksandr Polovtsov destacou que a dimensão da Rússia tornava extremamente difícil governar o país e que, às vezes, as autoridades centrais não tinham a menor ideia do que estava acontecendo nas fronteiras.

“Um relatório chegou hoje dizendo que o general [Mikhail] Tcherniaiev tinha tomado Tashkent [atual capital do Uzbequistão]. Ninguém sabe por que ele fez isso e com qual finalidade. Há, porém, algo erótico no que está acontecendo nas fronteiras de nosso império”, descreveu então Polovtsov.

Território grande, população pequena

A União Soviética, que substituiu o Império Russo, era ainda maior, com 22,4 milhões de quilômetros quadrados. As fronteiras atuais foram formadas após o colapso da URSS, quando o enorme país, tendo fracassado em construir um império comunista suficientemente coeso, se desintegrou em 15 Estados independentes.

Apesar do imenso tamanho da Rússia, sua população de 146 milhões de habitantes ocupa o oitavo lugar no mundo. Isto é apenas 10 milhões a mais do que o Japão, que tem uma área 45 vezes menor. Grandes partes da Sibéria e do Extremo Oriente, especialmente no norte, permanecem desabitadas e são caracterizadas por um clima severo e desafiador para seres humanos.

Confira outros destaques da Gazeta Russa na nossa página no Facebook

Autorizamos a reprodução de todos os nossos textos sob a condição de que se publique juntamente o link ativo para o original do Russia Beyond.