Buche, o biscoito soviético com toque francês; aprenda receita

Victoria Drey
São necessários apenas cinco ingredientes básicos para preparar essa sobremesa lendária que se manteve popular por meio século.

Ao ouvir a palavra “buche”, as pessoas nascidas na União Soviética imediatamente imaginam um pequeno e icônico bolo com uma generosa camada de creme entre dois biscoitos redondos e areados, cobertos com chocolate derretido.

Acredita-se que o buche tenha sido inventado no século 18 na França e, eventualmente, o preparo foi levemente ajustado e aperfeiçoado por confeiteiros soviéticos, que gostavam de usar receitas da culinária tradicional francesa.

Apesar do nome francês e da origem aparente do buche, alguns acreditam que esse doce pode ser inteiramente uma criação de chefs soviéticos porque os ingredientes usados na receita original eram muito comuns aos confeitos locais: pão de ló, glacê ou pasta de chocolate, e creme de manteiga – um monte de creme de manteiga.

LEIA TAMBÉM: A União Soviética e o sorvete 

Minha avó lembra que bolinhos buche eram vendidos em quase todas as confeitarias e custavam 22 copeques, o que era uma quantia bem considerável nos anos 1960 e 70 na URSS. Naquela época, era também uma guloseima comum em teatros, e as pessoas geralmente o consumiam durante o intervalo.

Hoje, esses doces são vendidos em muitos lugares na Rússia. No entanto, os mais formiguinhas acreditam que o buche encontrado atualmente não é páreo para os feitos nos tempos soviéticos. Por isso, sugiro preparar buche em casa: a receita é fácil, e o sabor é excepcional. Buche é conhecido por seu biscoito leve e arejado – assim sendo, não use manteiga na massa. 

Ingredientes:

3 ovos grandes

60 g de açúcar

70 g de farinha de trigo

400 ml de creme de leite fresco

50 g de chocolate amargo 

Modo de preparo:

Comece separando as gemas das claras, e coloque as claras em uma tigela grande – certifique-se de limpar a superfície com suco de limão ou vinagre para remover qualquer gordura. Comece a bater as claras com uma pitada de sal em baixa velocidade. Quando notar que as claras estão bastante espumosas, acrescente 20g de açúcar e continue mexendo. O objetivo é obter um merengue básico – uma mistura suave e brilhante com picos rígidos e sem grãos de açúcar visíveis.

Reserve o merengue, e, em outra tigela limpa, bata as gemas com os 40 g restantes de açúcar. Em geral, leva cerca de 4 a 6 minutos até que a mistura dobre de volume e assume um tom amarelo pálido, quase branco. Quando terminar de bater as gemas, é hora de finalmente misturá-las com as claras.

Despeje o merengue nas gemas batidas e misture cuidadosamente com uma espátula; caso contrário, a massa pode desmoronar. Em seguida, peneire a farinha e misture novamente a massa com uma espátula até ficar homogênea.

Coloque a massa em um saco de confeiteiro com bocal redondo e faça biscoitos redondos de tamanho médio sobre uma assadeira revestida com papel manteiga.

Leve os biscoitos ao forno a 180°C por 20 a 25 minutos.

Eles devem aumentar ligeiramente de tamanho e ficar dourados na parte superior. Deixe-os esfriar por completo e cubra metade dos biscoitos com ganache de chocolate amargo.

Misture o chocolate amargo derretido com algumas colheres de creme de leite para obter uma mistura suave e sedosa.

Mergulhe com cuidado o topo do biscoito no ganache e deixe endurecer. Você também pode decorá-los com chocolate branco ou grânulos de açúcar.

Quanto ao recheio, é melhor usar chantilly em vez da tradicional versão soviética com manteiga, pois isso torna a sobremesa ainda mais leve e arejada. Bata o creme de leite fresco até que assumir uma consistência firme, coloque no saco de confeiteiro e esprema o chantilly sobre os biscoitos sem ganache de chocolate.

Cubra-os com os biscoitos de chocolate. Quando prontos, leve-os  à geladeira por cerca de 2 a 4 horas para que se tornem macios.

O melhor acompanhamento para essa guloseima é uma boa xícara de café.

Priátnogo appetita!

Autorizamos a reprodução de todos os nossos textos sob a condição de que se publique juntamente o link ativo para o original do Russia Beyond.

Mais reportagens e vídeos interessantes na nossa página no Facebook.
Leia mais

Este site utiliza cookies. Clique aqui para saber mais.

Aceitar cookies