Janelas russas, um atalho para a alma

Fotógrafo registrou 'alizares', ou seja, ornamentos de janela por todo o país. Encha os olhos com estas belezuras!

O fotógrafo Ivan Havizov tem milhares de fotos de diferentes tipos de janelas de 20 regiões russas. Ivan começou sua coleção com os alizares (guarnições para emoldurar janelas) de Engels, região de Saratov, no leste da Rússia europeia, alguns anos atrás.

Os alizares são mais conhecidos na área do Volga: nas regiões de Kostroma, Vladímir e Iaroslavl. As janelas de Mikhailov são muito coloridas e mostram escolhas pouco comuns: verde, azul e vinho.

Ninguém se lembra em qual época surgiu a tradição de decorar as janelas. Provavelmente, ela começou nos tempos pagãos, quando os alizares serviam de talismãs, cuja missão era proteger os moradores da casa dos maus espíritos. Em Riazan, ao sul de Moscou, todos os alizares são feitos com a mesma paleta de cores, de areia a tons avermelhados.

Os alizares de Ijévsk, na Rússia central, são muito diferentes dos de outras cidades e regiões. Sempre brancos, brilhantes e com detalhes festivos. Aliás, Ijévsk foi nomeada capital cultural da região do Volga em 2004.

As molduras das janelas de pequenas cidades russas são semelhantes, e o motivo é bastante simples: nenhum vizinho queria ter um modelo diferente do das outras casas. Vale a pena conferir as janelas de Mitchurinsk, no sul da Rússia; todas têm a mesma concepção e são pintadas de branco (contra um fundo quase sempre de casas pintadas de verde).

Omsk, próxima ao Cazaquistão, é uma cidade grande e moderna, o principal centro da região homônima. Ainda assim, as fachadas de centenas de casas foram conservadas.

A maioria das fachadas não foram mantidas por razões diversas. A principal delas é a fragilidade da madeira. Infelizmente, Tula, ao sul de Moscou, é um exemplo disso. Muitas casas de madeira estão abandonadas e poderão vir a ser demolidas em breve.

Os padrões usados por mestres da decoração em Tcheboksári, à beira do Volga, são bem abstratos. Outra razão para as guarnições de janelas na Rússia é o fato de, no final do século 19, este tipo de arte ser muito popular - embora ninguém o tenha levado a sério academicamente.

Houve algumas comunidades científicas, como o “Ropetovschina” (em referência ao sobrenome arquiteto I.P.Ropet), mas em geral não se buscou preservar e restaurar as fachadas. Mesmo assim, as fachadas esculpidas de Rostóv, a norte de Moscou, continuam absolutamente magníficas, pois não foram afetadas pela Segunda Guerra Mundial.

Apenas recentemente é que as técnicas de escultura em madeira começaram a ser estudadas mais a fundo.

As molduras das janelas de Tomsk, na Rússia central, são muito exclusivas. A madeira esculpida e monocromática as distingue das outras. Estes são, basicamente, alizares alongados, sem pintura, com ornamentos florais esculpidos com uma técnica complexa e trabalhosa.

Os alizares de Irkútsk, à beira do Lago Baikal, surpreendem com seu volume solene e majestoso. Feitos sob a influência do estilo imperial, eles são os maiores da Rússia e quase todos têm persianas.

Os alizares de Tiúmen, na Sibéria, são muito raros. Ou sem pintura ou pintados em uma única cor, imitam o estilo barroco. Ao contrário da porção europeia do país, seu volume faz com que até as folhas pareçam enormes e majestosas. Outra característica dos ornamentos de Tiúmen é a parte inferior decorada das molduras.

As janelas de Kaluga, ao sul de Moscou, são bonitas, mas não têm valor especial. Apesar de tudo, em cidades pequenas, as tradições locais são mais fortes e a cidade manteve o costume de esculpir em madeira.

O objetivo final desta série criada por Havizov está em colecionar fotografias de alizares de todas as regiões da Rússia (e de seus países vizinhos, já que tais decorações também são típicas na Bielorrússia e Cazaquistão).

Todos os direitos reservados por Rossiyskaya Gazeta.

Descubra mais sobre a fortaleza que retoma estilo de vida dos vikings russos!

Quer receber as principais notícias sobre a Rússia em seu e-mail? 
Clique aqui para assinar nossa newsletter.

Autorizamos a reprodução de todos os nossos textos sob a condição de que se publique juntamente o link ativo para o original do Russia Beyond.

Mais reportagens e vídeos interessantes na nossa página no Facebook.
Leia mais

Este site utiliza cookies. Clique aqui para saber mais.

Aceitar cookies