Neste dia, em 1988, piloto alemão que pousou no centro de Moscou era anistiado na URSS

AP; AFP
Amador foi capaz de furar o sistema de defesa aérea soviética e desembarcou ao lado da Praça Vermelha.

Na tarde de 28 de maio de 1987, quando era celebrado o Dia da Guarda de Fronteira na URSS, um monomotor leve Cessna-172R pousou suavemente no centro de Moscou, muito perto da Praça Vermelha. 

O piloto amador alemão Mathias Rust foi preso dez minutos após o pouso. Nesse curto período até ser detido pela polícia, o homem alto, vestido com um macacão vermelho, saiu da cabine e começou a dar autógrafos para quem se aproximasse. 

Rust havia decolado perto de Helsinque em um avião esportivo leve que ele havia fretado, furou - contra todas as probabilidades - o sistema de defesa aérea soviética e voou cerca de 830 quilômetros até o coração da URSS.

Após o incidente, o Ministro da Defesa soviético, Serguêi Sokolov, e o comandante das Forças de Defesa Aérea, Aleksandr Koldunov, perderam seus postos, assim como outros 300 oficiais. Diversos especialistas apontam que Mikhail Gorbatchov usou o pretexto para fazer uma limpeza geral entre as lideranças conservadoras das Forças Armadas que não apoiavam suas reformas destinadas a fortalecer a democracia, a perestroika e a glasnost.

Mathias Rust durante julgamento em Moscou, em 1987

O julgamento contra o piloto foi realizado em Moscou entre 2 e 4 de setembro. Na ocasião, Rust declarou que seu voo era "um apelo à paz", mas acabou sendo acusado de vandalismo e condenado a quatro anos de prisão. 

No entanto, o governo soviético concedeu-lhe anistia em 3 de agosto de 1988, há exatos 33 anos.

LEIA TAMBÉM: 5 fatos incríveis que aconteceram na Praça Vermelha de Moscou

Autorizamos a reprodução de todos os nossos textos sob a condição de que se publique juntamente o link ativo para o original do Russia Beyond.

Mais reportagens e vídeos interessantes na nossa página no Facebook.
Leia mais

Este site utiliza cookies. Clique aqui para saber mais.

Aceitar cookies