Osa 2, o lendário barco lança-míssil soviético que protege as costas de Cuba 

Osa 2 fotografado pela Marinha dos EUA em 1984

Osa 2 fotografado pela Marinha dos EUA em 1984

Domínio público
Marinha da ilha caribenha continua operando pelos menos seis exemplares desta embarcação rápida criada nos anos 1960.

Essas embarcações são provavelmente os barcos lança-mísseis mais construídos da história, com mais de 400 unidades produzidas para a União Soviética e exportadas para países aliados. E são um clássico no mesmo patamar dos antigos carros norte-americanos que circulam pelas ruas de Havana. Esses barcos foram desenvolvidos nos anos 1950, embora tenham entrado em serviço na Marinha Soviética apenas na década seguinte.

Vista aérea de um Osa 2

O Osa 2 (Ursa 2, em tradução livre) era esteticamente diferente do Osa 1 sobretudo por causa de seus contêineres de mísseis em formato cilíndrico. Seu design e a potência do sistema de propulsão lhes permitiam atingir velocidades altas, uma vez que dispunha de três motores a diesel com capacidade de 12.000 cavalos.

Tinha um deslocamento de 172 toneladas e 210 toneladas com carga total, um calado de 3,8 metros, 7,64 metros de largura e 40 metros de  comprimento.

Osa 2. Ao fundo, navio lança-míssil Nanuchka 2

Armados com quatro mísseis  SS-N-2B/C, também portavam um míssil SAM SA-N-5 Grail, dois canhões AK-230/65 de 30 mm e quatro metralhadoras de 12,7 mm.

Os lança-mísseis Osa II entraram em combate na Guerra dos Seis Dias, na Guerra do Yom Kippur, na Guerra Indo-Paquistanesa de 1971 e na Guerra Irã-Iraque.

De acordo com informações do blog La Cuaderna Cubana, dos 26 modelos exportados a Cuba, um dos Osa II foi afundado para criar um parque de mergulho com finalidade turística e que outros foram desmontados para obter peças de reposição. Estima-se, porém, que pelo menos seis dessas lendárias máquinas ainda sejam utilizadas para defender a costa da ilha.

LEIA TAMBÉM: 5 países onde a União Soviética tentou construir socialismo

Autorizamos a reprodução de todos os nossos textos sob a condição de que se publique juntamente o link ativo para o original do Russia Beyond.

Mais reportagens e vídeos interessantes na nossa página no Facebook.
Leia mais

Este site utiliza cookies. Clique aqui para saber mais.

Aceitar cookies