Como o assassino de Raspútin fez Hollywood usar SEMPRE um alerta antes dos filmes

Domínio público; Faabi/Getty Images
O príncipe Féliks Iussupov entrou para a história como o homem que matou “o monge do tsar”,  Grigóri Raspútin, mas Hollywood ainda se lembra dele por um motivo diferente - quase levar à falência um grande estúdio.

Na sociedade de São Petersburgo, Féliks Iussupov era conhecido como uma figura extravagante, propensa a travessuras bizarras e empreendimentos comerciais. A humanidade adora fazer filmes sobre pessoas assim - e foi exatamente o que aconteceu. O estúdio MGM (Metro-Goldwyn-Mayer) chegou a lançar um filme de sucesso que recebeu uma indicação ao Oscar de melhor roteiro e foi elogiado pela crítica. Mas não agradou Iussupov sua esposa, e os emigrantes russos acabaram se tornando um pesadelo para a indústria cinematográfica.

Um herdeiro hooligan

Os Iussupov estavam entre as famílias mais ricas do Império Russo, possuindo mansões, palácios, terras, fábricas e coleções de joias exclusivas. Nos quatro séculos de existência do clã, houve comandantes militares, confidentes secretos, governadores, ministros e patronos. Em poucas palavras, um nome conceituado que Féliks começou a levar a novos “patamares” no início do século 20, ameaçando desfazer o legado.

Após a morte de seu irmão mais velho, Nikolai, que foi assassinado durante um duelo, Féliks se tornou o único herdeiro de uma grande herança, porém continuava a ser a fonte de escândalos familiares e fofocas públicas. Os próprios parentes frequentemente alegavam que ele manchava e trazia "vergonha" para o nome da família.

Féliks Iussupov 

Aos 17 anos, por exemplo, ele decidiu se travestir de mulher - colocou um vestido e maquiagem e se apresentou em um luxuoso cabaré de Petersburgo, apenas para se divertir. Depois de sete dessas apresentações, ele foi enfim reconhecido (graças aos diamantes da família) por um membro do público que o conhecia pessoalmente. Em 1909, partiu para estudar em Oxford e, em três anos morando na Inglaterra, ganhou a fama de cultuador do Diabo, foi iniciador de uma moda de tapetes pretos, e por pouco evitou se tornar o principal suspeito do sequestro do príncipe Cristóvão da Grécia. Também tentou roubar uma vaca de uma velha desmemoriada (que ele havia comprado legitimamente antes) e acabou levando um tiro. Isso tudo sem falar das festas malucas - algo inédito na sociedade inglesa na época.

Palácio Iussupov

Ao retornar à Rússia, Féliks começou a perceber a responsabilidade que recaía sobre seus ombros como único herdeiro do nome Iussupov. Com isso, passou a pensar como político. Aos 29 anos, isso o levou a conspirar contra o mago favorito do tsar - Grigóri Raspútin. Em 1916, como se sabe, o plano foi concretizado. Féliks atirou ele mesmo no peito do mítico, após uma tentativa frustrada de envenená-lo com cianeto. "Estou totalmente convencido de que ele abriga um grande em si mal e a principal razão por trás dos infortúnios da Rússia: com a ida de Raspútin, também irá desaparecer o poder satânico que mantém o tsar e a imperatriz em suas garras”, escreveu Iussupov em suas memórias.

Família Iussupov

No entanto, ele se enganou. A autocracia não foi ressuscitada com a morte de Raspútin e, após a Revolução de Outubro, Iussupov fugiu - primeiro para a Inglaterra, depois para a França.

Coincidência de sorte

O príncipe russo escapou impune do assassinato. Dois anos antes do crime, ele se casou com a sobrinha de Nikolai 2º, a princesa Irina Romanova. Por mais zangada que estivesse com o assassinato do místico, a família real não poderia impor uma punição séria contra um dos seus. Além disso, muitos apoiaram as ações de Iussupov, julgando-as como o melhor ao país.

Com as joias de sua família e duas pinturas de Rembrandt em mãos, Féliks e Irina deixaram a Rússia. Apesar da modesta fortuna, conseguiram manter o estilo de vida boêmio e até sustentar financeiramente outros emigrantes russos com ações de caridade, que realizavam durante sua permanência em Londres.

Grigóri Raspútin

As coisas começaram a piorar para os Iussupov na França na década de 1930. Os russos tinham muito menos simpatizantes no mundo na época e o dinheiro era cada vez mais escasso. As joias tiveram que ser penhoradas, e os Rembrandts, vendidos a um colecionador norte-americano chamado Joe Videner. Os Iussupov conseguiram abrir uma casa de moda e lançar uma linha de perfumes, e também tentaram a sorte no ramo de restaurantes, mas sua condição financeira estava muito aquém do conforto de que desfrutavam antes. Houve dias em que Féliks não pôde pagar por uma refeição farta e precisou dar carteirada, mais especificamente o passaporte, para resolver o problema - afinal, a nobreza jantava de graça. 

Princesa Irina e Príncipe Féliks Iussupov

Logo depois, porém, a fortuna sorriu novamente para a família: em 1932, os estúdios de Hollywood MGM lançaram “Raspútin e a Imperatriz”, com John Barrymore (avô da atriz Drew Barrymore). Os Iussupov acharam o filme ofensivo e processaram os estúdios em Londres.

Precedente perigoso

A acusação era de que o filme disseminava informações falsas e promovia insultos e calúnias. O longa contava a história da ascensão e morte de Raspútin e seu relacionamento com a família real e seus seguidores. A morte de Raspútin é encenada por Pavel Tchegodaev, cuja aparência é bem semelhante à de Iussupov. Mas isso realmente não os importava - não era como se a verdadeira identidade do assassino de Raspútin fosse um segredo bem guardado (Féliks até escreveu um livro sobre isso intitulado "O Fim de Raspútin").

O problema é que, de acordo com o filme, a noiva do príncipe, Natasha, teria sido estuprada por Raspútin, tornando-se então sua concubina. Iussupov considerou essa passagem uma afronta à sua esposa Irina - os paralelos eram evidentes. Para piorar, a primeira versão do filme tinha, inclusive, os nomes originais dos personagens retratados.

Levado ao tribunal, o estúdio MGM teve que se desculpar publicamente, frisando que a princesa Natasha era um personagem fictício que nada tinha a ver com a verdadeira princesa Irina Iussupova. Mas o estrago estava feito, e o júri ficou do lado dos Iussupov, que acabaram recebendo uma indenização no valor de 25.000 libras.

Além disso, o estúdio teve que pagar mais 75.000 libras pelo direito de exibir o longa, embora tivessem que cortar 10 minutos considerados “especialmente ofensivos para a imagem da princesa”, elevando a soma total para 100.000 libras - o equivalente a cerca de US$ 3 milhões hoje, o que garantiu uma vida muito confortável para os Iussupov.

Foram esses processos que estabeleceram as bases para a prática que se vê até hoje, na qual, no início de cada filme, aparece o aviso com a frase “Esta é uma obra de ficção, qualquer semelhança com nomes, pessoas, fatos ou situações da vida real terá sido mera coincidência”.

Mais tarde, pouco antes da morte de Iussupov, ele tentou jogar a mesma cartada novamente, processando a emissora CBS - novamente por calúnia - no valor de US$ 1,5 milhão, pelo filme de terror "Rasputin, o Monge Louco". Dessa vez, porém, ele não levou a melhor.

LEIA TAMBÉM: Não, a última imperatriz russa não foi amante de Raspútin

Autorizamos a reprodução de todos os nossos textos sob a condição de que se publique juntamente o link ativo para o original do Russia Beyond.

Mais reportagens e vídeos interessantes na nossa página no Facebook.
Leia mais

Este site utiliza cookies. Clique aqui para saber mais.

Aceitar cookies