Como a URSS ajudou os comunistas chineses a tomar o poder?

Domínio público; Russia Beyond
Bolcheviques estiveram na vanguarda do nascimento do movimento comunista na China. No entanto, os seguidores de Mao Tsé-Tung não foram os principais aliados da URSS no país asiático.

Em 1949, com ajuda da União Soviética, os comunistas obtiveram uma vitória decisiva na Guerra Civil que estourou na China, derrotando seus implacáveis inimigos do partido conservador nacional Kuomintang, liderado por Chiang Kai-shek.

Curiosamente, porém, pouco antes de isso acontecer, o Kuomintang havia sido o principal aliado da URSS na China, enquanto o Partido Comunista Chinês (PCC) não tinha relações diretas com Moscou.

Frente Unida

Primeiro líder do Kuomintang, Sun Yat-sen, em 1912.

Logo após o colapso do Império Qing, em 1912, a China tornou-se um Estado fragmentado e enfraquecido, sem umpoder centralizado forte. O país foi na verdade dividido por facções político-militares que tinham conflitos entre elas. As potências estrangeiras tiraram vantagem disso, interferindo nos assuntos internos da China.

Os chineses não gostaram dessa situação e, na década de 1920, duas forças entraram na arena política com a intenção de tirar o país do feudalismo medieval: o Kuomitang e o Partido Comunista Chinês (PCC).

Reunião do Partido Kuomintang em Xinjiang.

Estas duas associações, que se tornariam inimigas no futuro, agiam juntas naquela época. Em 1922, elas se uniram para formar a Primeira Frente Unida, na qual os bolcheviques desempenharam um papel fundamental.

Cooperação entre a URSS e o Kuomintang

Chiang Kai-shek e Sun Yat-sen em 1924.

Moscou participou ativamente dos acontecimentos na China. Isolada pela comunidade mundial, a União das Repúblicas Socialistas Soviéticas (URSS), que foi assim batizada em 1922, buscou aliados no exterior. Recebendo uma recusa de cooperação da facção de Beiyang — que, embora quase não controlasse o país, foi reconhecida como o governo oficial da China —, a liderança soviética decidiu apoiar o Kuomintang, fundado e liderado por Sun Yat-sen.

O Kuomintang foi escolhido por Moscou devido ao fato de ser mais numeroso e influente que o Partido Comunista da China. Assim, a URSS ajudou a reorganizar o Exército Nacional Revolucionário do Kuomintang, fornecendo-lhe armas e munições. Os comunistas, que, a pedido de Moscou, aderiram ao partido de Sun Yat-sen, receberam uma ajuda muito mais modesta.

Generais do Exército Revolucionário Nacional do Kuomintang.

Moscou tentava cortar pela raiz todas as divergências que surgiam entre os membros dos dois partidos. A liderança do PCC recebeu instruções diretas do Kremlin para fazer concessões e manter a amizade.

Separação

Entre 1926 e 1928, com ajuda de especialistas militares soviéticos, o novo líder do Kuomintang, Chiang Kai-shek, realizou a Campanha do Norte contra uma série de facções político-militares — o que levou à unificação da China.

Chiang Kai-shek em 1933.

Com a intenção de se libertar da tutela de Moscou, Chiang Kai-shek começou uma política anti-soviética consistente, proibindo o PCC. Como resultado, em 14 de dezembro de 1927, as relações diplomáticas entre a União Soviética e a China foram rompidas.

Reconciliação

Em 1937, devido à invasão da pelas tropas japonesas, a Guerra Civil na China foi temporariamente interrompida. A criação de uma "Segunda Frente Unida" entre os comunistas e o Kuomintang foi acompanhada pelo restabelecimento das relações entre Nanquim (então capital da China) e Moscou, que também via o Japão como uma ameaça a sua própria segurança. A URSS começou a enviar conselheiros militares, pilotos, armas e munições à China.

Soldados chineses liderados pelo comunista Ma Benzhai.

Em 1941, lia-se no jornal "Nova China": "Durante os quatro anos de nossa guerra santa, a ajuda soviética se tornou o auxílio externo mais importante e confiável".

Mesmo após os ataques abertos das tropas do Kuomintang contra os comunistas, Moscou pediu que eles não respondessem e "fizessem de tudo para resistir ao Japão". Ao mesmo tempo, a URSS também limitou Chiang Kai-shek em suas campanhas militares contra as províncias controladas pelo Partido Comunista.

Tropas do Exército Nacional Revolucionário.

Quando a Alemanha nazista atacou a URSS em junho de 1941, Moscou deixou de ajudar a China. Somente com o fim da guerra na Europa Moscou voltou a se dedicar aos problemas do Extremo Oriente.

A tão esperada ajuda

Líder comunista Chen Xilian em 1940.

À medida que o Kuomintang e os Estados Unidos se aproximavam, o apoio soviético aos comunistas chineses crescia. Oficialmente, a União Soviética e o governo de Chiang Kai-shek continuaram a manter boas relações. Em 14 de agosto de 1945, eles chegaram até mesmo a assinar o Tratado de Amizade e Aliança, segundo o qual deveriam lutar juntos contra o Japão.

No entanto, Moscou forneceu a ajuda mais importante para o PCC na Manchúria. Nesta região do nordeste da China, após sua libertação das tropas japonesas, foram construídas sedes das unidades do Exército Vermelho. A administração soviética facilitou a penetração secreta dos comunistas chineses na região e a criação de sua base revolucionária ali.

Infantaria soviética atravessa fronteira da Manchúria em 9 de agosto de 1945.

Os especialistas soviéticos ajudaram a restaurar a infraestrutura da Manchúria, forneceram matérias-primas vitais e entregaram ao Exército de Libertação Popular da China armas japonesas capturadas — entre elas, 861 aeronaves, 600 tanques, artilharia, morteiros, 1.200 metralhadoras, armas pequenas e munições. Além disso, a União Soviética treinou militares chineses e ofereceu um empréstimo para Mao Tsé-Tung.

Quando, após a retirada do Exército Vermelho, as tropas governamentais entraram na Manchúria, em abril de 1946, não havia, para sua surpresa, unidades guerrilheiras dispersas, mas um exército moderno e disciplinado. O nordeste da China se tornou o principal campo de batalha da Guerra Civil, que terminou com a derrota do Kuomintang e sua evacuação para a ilha de Taiwan.

Chiang Kai-shek em1948.

A União Soviética não apoiou os comunistas chineses abertamente por um longo período. Mas, quando isso aconteceu, as chances de o PCC vencer a luta pelo poder na China aumentaram exponencialmente. Como resultado, em 1° de outubro de 1949, foi proclamada a República Popular da China. E a URSS foi o primeiro país no mundo a reconhecê-la.

LEIA TAMBÉM: 8 curiosidades de cair o queixo sobre Harbin, a cidade chinesa construída pelos russos

Autorizamos a reprodução de todos os nossos textos sob a condição de que se publique juntamente o link ativo para o original do Russia Beyond.

Mais reportagens e vídeos interessantes na nossa página no Facebook.
Leia mais

Este site utiliza cookies. Clique aqui para saber mais.

Aceitar cookies