Museu de Moscou apresenta 6 documentos inéditos assinados por Napoleão Bonaparte

Napoleão Bonaparte

Domínio público
Exposição ocorre por ocasião do 250º aniversário do nascimento do francês. Objetos ficarão em exibição nos arredores da Praça Vermelha até meados de outubro.

O Museu da Guerra Patriótica de 1812, em Moscou, divulgou pela primeira vez seis documentos inéditos redigidos por Napoleão Bonaparte. A revelação ocorreu no último dia 15 de agosto, por ocasião do 250º aniversário do nascimento do francês.

Entre os documentos estão um fragmento de seu romance “Clisson et Eugénie”, uma ordem dirigida à guarnição de Paris assinada como “Buonapart” em estilo italiano, bem como uma carta de louvor ao general Jean Baptiste Fidèle Bréa, no qual assina como “imperador da França, rei da Itália, protetor da Confederação do Reno...”.

O museu possui, de fato, cerca de 33 documentos escritos pelo imperador francês. A existência de tais documentos históricos na Rússia se deve ao fato de que, após a sangrenta batalha de Borodinó contra as tropas imperiais russas, Napoleão continuou a escrever múltiplos decretos e textos a partir da cidade devastada de Moscou.

LEIA TAMBÉM: Como o próprio povo russo aterrorizou o Exército de Napoleão em 1812

A maioria deles foram adquiridos na época por mercadores russos endinheirados, como Schukin e Bakhruchin, e depois entregues à instituição. Outros são oriundos das coleções particulares do príncipe Aleksandr Kuraguin e do conde Grigôri Orlov, sobrinho da imperatriz Catarina 2ª. 

Os artefatos permanecerão em exibição nos arredores da Praça Vermelha, na capital russa, até 15 de outubro.

Autorizamos a reprodução de todos os nossos textos sob a condição de que se publique juntamente o link ativo para o original do Russia Beyond.

Mais reportagens e vídeos interessantes na nossa página no Facebook.
Leia mais

Este site utiliza cookies. Clique aqui para saber mais.

Aceitar cookies