Como o próprio povo russo aterrorizou o Exército de Napoleão em 1812

Illarion Pryanishnikov. In 1812

Em quase nenhum outro lugar da Europa o Grande Exército de Napoleão enfrentou uma resistência tão feroz e firme do povo quanto no Império Russo. Soldados franceses só experimentaram terror similar nas mãos dos movimentos de guerrilha espanhóis durante a Guerra Peninsular.

O imperador francês Napoleão Bonaparte era osso de duro de roer para seus inimigos. Poucos generais queriam enfrentar o seu Grande Exército em campo aberto, e os russos não eram exceção. Até a Batalha de Borodinó, eles vinham evitando uma batalha decisiva, permitindo que tropas francesas marchassem pelo território do país e permanecessem entocadas no coração da Rússia.

Jacques-Louis David, 1812

Quando não se deseja estabelecer embate direto, a atividade dos partisans é uma alternativa viável. De certo modo, essa guerra de partisans russos contra o Exército francês foi uma guerra do povo, na medida em que camponeses barbudos também pegaram suas forquilhas e machados para derrubar o invasor.

Ivan Terebenev. Sitchevtsi

A guerra do partisans foi liderada pelas chamadas “unidades voadoras”, estabelecidas pelo comando armado do Império Russo. Formados por cavaleiros e cossacos, e comandados por oficiais regulares, eles atacaram o inimigo pela retaguarda, cortando suas canais de comunicação e suprimentos.

Solomon Zalikhman. Cossacos de Platov atacam retaguarda do Exército francês

A primeira “unidade voadora” foi estabelecida em julho, quando o Grande Exército chegou a Smolensk. Esta poderosa força, que consistia em vários regimentos cossacos e de dragões (tipo de soldado que se caracterizava por se deslocar a cavalo, porém combater a pé), importunava com frequência o flanco esquerdo do Exército francês e também contribua no reconhecimento de área para o Exército regular russo.

Albrecht Adam. Batalha de Smolensk em 18 de agosto de 1812

O comandante desta unidade, Ferdinand von Wintzingerode, ficou mais tarde conhecido por tentar salvar o Kremlin e Moscou da destruição. Sua unidade estava posicionada em uma das aldeias perto de Moscou quando ele soube do plano de Napoleão para destruir a cidade. “Se uma igreja sequer for destruída, todos os franceses que capturarmos serão imediatamente enforcados”, disse. Wintzingerode foi de encontro ao marechal francês Edouard Mortier, na esperança de negociar, mas acabou detido como prisioneiro.

George Dawe. Ferdinand von Wintzingerode

O mais aclamado entre os comandantes do partisans foi Denis Davidov, que não hesitou em atacar as tropas francesas, mesmo que superassem suas forças. Certa vez, com apenas 130 cavaleiros, Davidov atacou um trem de suprimentos escoltado por 225 soldados. O comandante e seus homens capturaram todos os 30 vagões, matando mais da metade dos guardas, além de tomar outros 100 como prisioneiros.

George Dawe. Retrato de Denis Davidov

Quando o Grande Exército deixou Moscou, em outubro de 1812, recuando em direção ao ocidente, as diversas “unidades voadoras”, cada qual com quase 500 homens, começaram a atacar o inimigo com táticas de ataque e recuo, como pequenas abelhas picando um urso ferido, deixando os franceses desesperados e exaustos.

Adolph Northern. Recuo de Napoleão

Ainda assim, a resistência oferecida pelos partisans contra Napoleão não teria sido bem-sucedida se não fosse pelo povo. O campesinato travou sua própria batalha contra o inimigo, destruindo provisões. Eles se recusaram a vender suprimentos de comida aos franceses, queimaram colheitas e casas e fugiram para as florestas.

Vassíli Vereschaguin. Esperem. Deixe-os chegar mais perto

À medida que o Grande Exército foi se transformando de força organizada em uma gangue de assassinos, ladrões e saqueadores, os camponeses pegaram em armas e começaram a atacar mais ativamente. Eles organizaram emboscadas contra unidades francesas e mataram implacavelmente qualquer inimigo.

No início, os camponeses atacaram inclusive as “unidades voadoras”, confundindo o uniforme russo com o francês. Quando Denis Davidov disse a um camponês que o atacou: “Mas eu falo russo!”, ele recebeu como resposta: “Eles (os franceses) contam com diferentes tipos de pessoas!”. Então Davidov decidiu se aproximar das pessoas comuns para evitar mal-entendidos. Ele substituiu seu uniforme por um manto de camponês, deixou a barba crescer e começou a falar a “língua do povo”.

Valerian Langer. Retrato de Denis Davidov

A história certamente relembra os feitos de oficiais nobres, comandantes das “unidades voadoras”: Denis Davidov, Aleksandr Figner, Alexandre von Benckendorff, Nikolai Kudachev e etc. Líderes das unidades camponesas, porém, são em grande parte esquecidos. Ainda assim, alguns tornaram-se conhecidos – como é o caso de Vassilisa Kojina, que organizou uma unidade de partisans composta por mulheres e adolescentes para proteger sua aldeia. Vassilisa participava frequentemente do transporte de prisioneiros de guerra franceses e chegou a matar um oficial inimigo teimoso com sua foice.

Smirnov. Vasilissa Kojina, heroína de guerra russa de 1812

LEIA TAMBÉM: Como a Operação Bagration provocou a maior derrota militar da história dos alemães 

Autorizamos a reprodução de todos os nossos textos sob a condição de que se publique juntamente o link ativo para o original do Russia Beyond.

Mais reportagens e vídeos interessantes na nossa página no Facebook.
Leia mais

Este site utiliza cookies. Clique aqui para saber mais.

Aceitar cookies