O que ligava a rainha Vitória à Rússia? Bem mais do que você pensa

Retrato de Rainha Vitória

Retrato de Rainha Vitória

Franz Xaver Winterhalter/Royal Collection
Victoria, que comandou o Reino Unido de 1837 a 1901, desprezava a Rússia e virou sua grande rival no cenário internacional. Entretanto, vários fatores a aproximavam da família imperial russa.

Batizada em homenagem a imperador da Rússia...

Caso esteja tentando se lembrar de qualquer imperador russo chamado Vítor, esqueça. A rainha Vitória, nascida há 200 anos, em 24 de maio de 1819, foi batizada como Alexandrina Victoria, herdando o primeiro nome de seu padrinho, Aleksandr 1º da Rússia. Isso não significa, porém, que ele estivesse presente durante seu batismo: Alexandrina era apenas um dos nomes que seus parentes mais velhos escolheram, e, durante a cerimônia, Aleksandr 1º  foi representado pelo tio da futura rainha inglesa, o duque de York.

Retrato do imperador Aleksandr 1º

“Aleksandr não esteve presente na cerimônia, mas permitiu que a herdeira fosse batizada em sua homenagem”, explica a historiadora Natália Basovskaia. “Foi um gesto simpático, simbolizando a glória: os russos e os britânicos tinham acabado de derrotar aquele monstro Napoleão [na década de 1810]”, acrescenta.

No entanto, Vitória não gostava de seu primeiro nome e preferiu abandoná-lo assim que assumiu o trono em 1837. A rainha sempre assinou todos os documentos usando apenas o nome sob o qual ficou conhecida na história: Vitória.

...flertou com um dos herdeiros do trono russo, mas...

Quando a jovem britânica Vitória, com 20 anos, conheceu Aleksandr Nikolaevitch, o tsarevitch e futuro imperador russo Aleksandr 2º, em 1839, ela já reinava há dois anos, e a família real britânica estava procurando ativamente por um marido para ela.

O galã Aleksandr, que na época tinha 21 anos de idade, fez uma visita a Londres e apareceu como uma espécie de ‘príncipe encantado’ para Vitória.

Aleksandr 2º II quando jovem

“Acho que já somos grandes amigos e nos damos muito bem; eu gosto muito dele”, escreveu a rainha Victoria, logo depois de conhecer Aleksandr. Na ocasião, os dois conversaram bastante em francês e dançaram duas vezes em bailes. Não se sabe muito sobre essa relação, mas há boatos de que eles poderiam ter se apaixonado.

Mesmo que fosse verdade, essa história não iria a lugar algum, já que a Rússia e o Reino Unido eram rivais na Europa: Aleksandr retornou a São Petersburgo, e Vitória se casou com o príncipe Alberto de Saxe-Coburgo-Gota, que acabou morrendo em 1861, deixando-a de luto pelo resto da vida.

...opôs-se ferozmente à Rússia na política.

Todos esses sentimentos positivos ligados à Rússia não significavam nada para Vitória quando comparados à rivalidade política. Durante seu governo, os interesses da Rússia e do Reino Unido se sobrepuseram por toda a Eurásia, o que levou a choques – diretos e indiretos. Na Guerra da Crimeia, de 1853 a 1856, as tropas britânicas lutaram ao lado dos turcos contra a Rússia. Os interesses dos dois impérios também colidiram no Afeganistão, o que os levou a apoiar lados opostos.

Batalha de Balaclava retratada por Richard Caton Woodville Jr

Não era a rainha Vitória quem definia a política externa britânica, confiando a seus líderes do governo, mas apoiava fortemente a causa antirrussa. Um de seus biógrafos, Christopher Higgins cita que a rainha chegou a lamentar não ser homem, pois caso contrário, poderia participar da Guerra da Crimeia. Mais tarde, na década de 1870, quando a Rússia venceu uma guerra contra o Império Otomano, Londres e São Petersburgo estavam à beira de um confronto. Os britânicos temiam que a Rússia controlasse o Oriente Médio, e Vitória disse: “Não se pode confiar nesses russos”.

LEIA TAMBÉM: Quanto sangue russo corria pelas veias dos Romanov? 

A historiadora Basovskaia acredita que havia uma razão por trás da aversão de Vitória pela Rússia: enquanto ela havia adotado a monarquia constitucional, servindo predominantemente como um símbolo do país, a monarquia russa continuava sendo absoluta. “Eu acho que ela precisava de um exemplo negativo para se convencer de que estava trilhando o caminho certo”, sugere Basovskaia.

E acabou sogra de uma princesa russa, além de...

Considerando sua atitude em relação à Rússia, Vitória não ficou particularmente feliz quando o seu segundo filho, o príncipe Alfredo, se casou com Maria Aleksandrovna, a filha única de Aleksandr 2º, em São Petersburgo – mas a rainha britânica teve que engolir a situação, porque o príncipe estava apaixonado pela russa.   

“Não conhecendo Maria e percebendo que pode haver dificuldades, meus pensamentos e sentimentos estão bem mexidos”, escreveu Vitória em seu diário.

Maria Aleksandrovna, príncipe Alfredo e o filho do casal

Maria se tornou a primeira e única Romanov a se casar com um membro da família real britânica. Ela agia de forma independente na Inglaterra, insatisfeita com o clima, pessoas, comida, palácios, ópera – e especialmente com a rainha Vitória, a quem chamava de “velha idiota tola e intransigente” em cartas ao pai. Quando Alfredo ganhou o título de duque de Saxe-Coburgo-Gota (na Alemanha), ao herdar o título de seu tio, Maria ficou feliz em se mudar para a Alemanha só para evitar de ver a sogra.

...abençoar o casamento do último tsar.

Embora fosse a monarca de um poderoso império, Vitória não podia fazer nada sobre seus parentes continuarem se casando com os russos – o que era bastante previsível, dado o mercado limitado de jovens da realeza em toda a Europa. Em 1894, a neta de Vitória, Alice de Hesse e Reno, ficou noiva de Nicolau Aleksandrovitch, o herdeiro do trono russo. A rainha Vitória se opôs ao casamento, embora gostasse do tsarevitch Nicolau – ela achava que a Rússia era volátil e pouco segura para uma jovem dama.

Nicolau Romanov e família

No entanto, como Alice vivia na Alemanha, a influência de Vitória não era esmagadora, e a rainha teve que tolerar a decisão de uma parente mais uma vez. Como havia amor entre o futuro imperador Nicolau 2º e sua noiva, Vitória se sentia, até certo ponto, consolada. “Duas pessoas jamais foram tão dedicadas como ela e ele são”, escreveu em seu diário no noivado. “Este é um consolo que tenho, pois, de outra forma, os perigos e responsabilidades me enchem de ansiedade.”

Sua apreensão tinha fundamento: como se sabe, tanto Nicolau quanto Alice não sobreviveriam à Revolução Russa, depois de serem executados pelos bolcheviques em 1918. Vitória havia morrido anos antes, em 1901, dando fim a seu longo reinado.

Todos os arquivos e memorabilia da rainha Vitória sobre suas relações com a realeza da Europa, incluindo a Rússia, podem ser encontrados na Osborne House, uma antiga residência real em East Cowes, na Ilha de Wight (Inglaterra).

Autorizamos a reprodução de todos os nossos textos sob a condição de que se publique juntamente o link ativo para o original do Russia Beyond.

Mais reportagens e vídeos interessantes na nossa página no Facebook.
Leia mais

Este site utiliza cookies. Clique aqui para saber mais.

Aceitar cookies